Magazine Luiza

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Prova de Pagamento - NeoBux

Mais um pagamentos hoje do NeoBux...
Já perdi a conta... depois faço uma estatíca de quantos já recebi...




Cadastre-se

Um dia... Nós seremos a maioria

Era uma vez, uma cidade, uma cidade como todas as outras e ao mesmo tempo diferente de todas as demais porque naquela cidade todo mundo era feliz.
Certa vez, uma bruxa má resolveu se instalar naquela cidade e como toda bruxa má que se preza ela vendia poções, pozinhos e etc, enfim, aquelas coisas que as bruxas más vendem...

Mas, para o espanto da bruxa, ninguém comprava os produtos da bruxa, e ela ficou encafifada com aquilo. Ela então contratou uma equipe de marketing - era uma bruxa moderna - para resolver aquela situação. A equipe fez pesquisas, levantamentos, e explicou para a bruxa que naquela cidade todo mundo ao nascer vinha ao mundo com um saquinho mágico, em que nele havia uma substância realmente mágica que quando era ofertada à alguém, essa substância mágica crescia energeticamente envolvendo tanto quem deu como quem recebeu proporcionando uma autêntica sensação de paz e de felicidade. E o Nome dessa substância mágica era "Carinhos Quentes"; e todo mundo dava - e, naturalmente, assim todo mundo recebia - Carinhos Quentes e assim todos eram felizes e não precisavam dos produtos da bruxa.

A bruxa pensou, pensou e pensou até que então arquitetou um plano. Ela chegou para um pai de família e disse:

- Olha sua esposa dando Carinhos Quentes para os outros... Já pensou se acabam?

Até então, nunca alguém havia pensado na possibilidade dos Carinhos Quentes se esgotarem. O marido chegou para sua esposa e disse:

- Esposa, acabou essa história de ficar dando Carinhos Quentes para os outros. Agora é só nosso e olhe lá...

E se tornaram egoístas quanto aos Carinhos Quentes.

As crianças vendo aquilo - e as crianças sabem que palavras convencem mas exemplos arrastam... - começaram também a se tornar egoístas dos Carinhos Quentes. E com o passar do tempo, aquele novo comportamento foi se alastrando pela cidade até que um dia ninguém mais dava - e assim ninguém mais recebia - Carinhos Quentes.

As pessoas passaram a sentir um vazio, uma angústia, uma falta que não sabiam explicar do que, e assim, por desespero, começaram a consumir os produtos da bruxa.

E a bruxa ganhou rios de dinheiro, ficou muito contente, com sorriso de orelha a orelha, até que aconteceu algo com o que não contava. O que aconteceu?
As pessoas começaram a morrer - pois ninguém vive sem Carinhos Quentes! - e a bruxa pensou: "Isso eu não quero, pois se não, quem vai continuar me dando dinheiro?"... A bruxa pensou, pensou e pensou e então lançou no mercado um novo produto: Os Espinhos Frios.
Os Espinhos Frios servem para ferir, agredir, magoar as outras pessoas.

Entre dar e receber nada ou trocar Espinhos Frios, as pessoas então passaram a trocar entre si Espinhos Frios. Já não mais morriam, mas continuavam extremamente insatisfeitas, infelizes, movidas por um desejo deslizante que nunca se saciava e por aquele rol de negatividade anteriormente mencionado.
Mais adiante, alguém da equipe da bruxa teve a idéia de revestir os Espinhos Frios com uma camada que imitava aqueles quase esquecidos Carinhos Quentes de outrora. A esse novo produto foi dado o nome de "Carinhos de Plástico".

Os "Carinhos de Plástico", à primeira vista, parecem Carinhos Quentes, mas assim que se desmancha a superficialidade, revela-se que o que tem por dentro é um tremendo de um Espinho Frio.

Pois bem. Assim ia a cidade sobrevivendo, com as pessoas mediocremente trocando entre si Espinhos Frios e Carinhos de Plástico, até que um dia, um jovem regressou à cidade e a bruxa não conseguiu fazer a cabeça desse jovem.

E ele seguia sua própria natureza, dando Carinhos Quentes para quem encontrasse em seu caminho.

Algumas pessoas vendo aquilo, exclamaram: "Esse homem é louco! Está dando Carinhos Quentes..."

Mas pelo grau de evolução que ele havia conquistado em suas peregrinações e estudos na vida, ele sabia que não devia "dar bola" para esse tipo de comentário. E assim continuou seguindo sua própria natureza, dando Carinhos Quentes para quem encontrasse.

Outros disseram: "Ele é um aproveitador, um ‘171’; deve estar tentando levar alguma vantagem, por isso está dando Carinhos Quentes...".

Mais uma vez, pelo grau de evolução que havia conquistado, sabia que não devia se deixar atingir por essas acusações. E assim prosseguiu seguindo sua natureza, distribuindo autênticos Carinhos Quentes para todos.

Até que um dia, ele encontrou uma moça -e que não era uma moça comum; era uma moça especial - e ela ao receber os Carinhos Quentes, percebeu despertar em si uma luz, uma sensação de ternura e de amor e sentiu um desejo sincero de voltar a dar Carinhos Quentes. Juntos, ela e o rapaz, continuaram dando Carinhos Quentes às pessoas.

Ao poucos, outras pessoas inspiradas pelo exemplo autêntico e sincero daquele casal, foram despertando e voltando a dar Carinhos Quentes.
Pois bem. E como então essa história termina?

Para ser muito honesto, até hoje essa história ainda não terminou...

Em todos os países, em todos os estados, em todas as cidades, existem dois grupos de pessoas:

Um deles, que é a maioria, é formado pelas pessoas comuns. E quem são as pessoas comuns? São aquelas que se limitam a dar Espinhos Frios e Carinhos de Plástico...

E o outro grupo, que por enquanto ainda é a minoria, é formado pelas chamadas pessoas especiais.

E quem são as Pessoas Especiais? São as pessoas que ousam... que se permitem compartilhar com a humanidade... autênticos, genuínos Carinhos Quentes.

Esse grupo por enquanto ainda é minoria, mas temos a crença que se fizermos a nossa parte, uma massa crítica será atingida revolucionando toda a humanidade, e assim estaremos dando nossa contribuição para a edificação de um mundo melhor de se viver...

Você que chegou até aqui lembre-se desse convite para descobrir-se uma Pessoa Especial...Semeando Carinhos Quentes!

Claude Steiner



a perigo
(gessinger)

planos de vôo
tava tudo em cima: céu de brigadeiro sobre nós
pane... pânico
perdemos a altura... puxaram o tapete voador
hoje estamos a perigo
hoje estamos separados, divididos
mas um dia, um dia, nós seremos a maioria

pane...! que pena!
panos quentes
fica tudo como está; no mesmo lugar... impunemente
hoje estamos a perigo
hoje estamos separados, divididos
mas um dia, um dia, nós seremos a maioria

eu sigo em frente, pra frente eu vou
eu sigo em frente, pra frente eu vou
eu sigo em frente, pra frente eu vou
eu sigo enfrentando a onda
onde muita gente naufragou

nós seremos a maioria
seremos a maioria

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Via Verde alerta clientes para "site" fraudulento

Saiu no fraudes.org em 18/8/2011

A empresa Via Verde alertou os seus clientes para a existência de um site fraudulento que oferece dinheiro pela subscrição de serviços falsos da empresa, com o objectivo de obter dados pessoais dos condutores. A Via Verde refere que o site fraudulento não é reconhecido pela empresa e está a usar o seu nome para lesar os seus clientes e obter dados de forma ilegal.

O injustiçado!

Paulo trabalhava em uma empresa há dois anos.
Sempre foi um funcionário sério, dedicado e cumpridor de suas obrigações.
Nunca chegava atrasado.
Por isso mesmo já estava com 02 anos na empresa, sem ter
recebido uma única reclamação.
Certo dia, porém, ele foi até o diretor para fazer uma reclamação:
- Sr. Gustavo, tenho trabalhado durante estes dois anos em sua empresa com toda a dedicação, só que me sinto um tanto injustiçado.
Fiquei sabendo que o Fernando, que tem o mesmo cargo que eu e está na empresa há somente 06 meses e já vai ser promovido ??...
Gustavo, fingindo não ouvi-lo, disse:
- Foi bom você vir aqui.
Tenho um problema para resolver e você poderá me ajudar. Estou querendo dar frutas como sobremesa ao nosso pessoal após o almoço de hoje. Aqui na esquina tem uma barraca de frutas. Por favor, vá até lá e verifique se eles tem abacaxi.
Paulo, sem entender direito, saiu da sala e foi cumprir a missão.
Em cinco minutos estava de volta.
- E aí Paulo? - Perguntou Gustavo.
- Verifiquei como o senhor pediu e eles tem abacaxi sim...
- E quanto custa ???
- Ah, Isso eu não perguntei não...
- Eles tem abacaxi suficiente para atender a todo nosso pessoal ???
- Também não perguntei isso não...
- Há alguma fruta que possa substituir o abacaxi ???
- Não sei não...
- Muito bem Paulo. Sente-se ali naquela cadeira e aguarde um pouco.
O diretor pegou o telefone e mandou chamar o novato Fernando.
Deu a ele a mesma orientação que dera ao Paulo.
Em dez minutos, Fernando voltou.
- E então ??? - Indagou Gustavo.
- Eles têm abacaxi, sim Seu Gustavo. E é o suficiente para todo nosso pessoal e, se o senhor preferir, têm também laranja, banana, melão e mamão. O abacaxi estão vendendo a R$1,50 cada; a banana e o
mamão a R$1,00 o quilo; o melão R$1,20 a unidade e a
laranja a R$20,00 o cento, já descascada... Mas como eu disse que a compra seria em grande quantidade, eles nos concederão um desconto de 15%. Deixei reservado... Conforme o Senhor decidir, volto lá e confirmo o pedido! - Explicou Fernando.
Agradecendo pelas informações, o patrão dispensou-o.
Voltou-se para Paulo, que permanecia sentado e perguntou-
lhe:
- Paulo, o que foi que você estava me dizendo ???
- Nada não, patrão. Esqueça. Com licença...
E Paulo deixou a sala...

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Aprendendo com o Jacó.

Desta eu gostei!! :-)
Postado 19 de Agosto de 2011 por José Lino - Testo de abertura do Rádio Vivo da Rádio Itatiaia.


Jacó para seu filho:
- Filho, eu quero que você se case com uma moça que eu escolhi.

O filho responde:
- Pai, eu quero escolher a minha mulher.

Jacó:
- Meu filho, ela é filha do Bill Gates!

O filho: – Bem… neste caso eu aceito.

Então Jacó vai à procura de Bill Gates. Jacó para Bill Gates:
- Bill, eu tenho o marido para sua filha.

Bill Gates:
- Mas a minha filha é muito jovem para se casar.

Jacó: – - Mas esse jovem é vice-presidente do Banco Mundial.

Bill Gates: – Nesse caso, tudo bem!

Finalmente Jacó vai ao Presidente do Banco Mundial.

Jacó:
- Sr. Presidente eu tenho um jovem que é recomendado para ser vice-presidente do Banco Mundial.

Presidente:
- Mas eu já tenho muitos vice-presidentes, inclusive mais do que o
necessário.

Jacó:
- Mas Sr., este jovem é genro do Bill Gates.

Presidente:
- Neste caso ele está contratado!

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Fábrica de loucos

Saiu na coluna da Mônica Bergamo da Folha de São Paulo. quinta-feira, 11 de agosto de 2011

'A CÂMARA É UMA FÁBRICA DE LOUCOS'

Lula Marques/Folhapress





Tiririca (PR) na Câmara, sem bigode

Oito meses depois de assumir o mandato, o palhaço Tiririca já sabe responder o que faz um deputado federal: "É uma pessoa que trabalha muito e produz muito pouco", diz. Isso porque a Câmara, na opinião dele, "é uma fábrica de loucos. Uma fábrica de loucos". Os parlamentares muitas vezes varam as madrugadas em discussões intermináveis em que "ninguém escuta ninguém". "Um deputado fala e nenhum presta atenção nele. Outro dia mesmo tinha um fazendo um discurso superbacana, sobre educação. Outro pediu a palavra. E reclamou: 'Já pedimos para instalarem tomadas novas aqui e não instalaram'. É uma coisa de louco."


Tiririca fica sempre calado em seu lugar, observando. "Se eu fosse fazer uma comédia disso aqui, seria o maior sucesso. Mas eu nem posso. Porque faço parte daqui. E tem o decoro parlamentar." Ele não dá as declarações em tom de crítica. Apenas constata os fatos. "Tiririca tem razão. Mandou bem. Uma pessoa normal que assiste à sessão da Câmara pela primeira vez acha mesmo que é coisa de maluco", diz o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

Eleito com 1,3 milhão de votos, a segunda maior votação da história para o cargo, Tiririca faz uma careta quando questionado sobre a possibilidade de concorrer à reeleição, em 2014. "Meus assessores dizem que todo mundo, no fim, gosta daqui, quer voltar. E que comigo vai ser assim também. Mas, por enquanto... não sei, não."

A caminho do cafezinho da Câmara, onde lancharia um escondidinho de carne seca, Tiririca é parado a todo momento para dar autógrafos e tirar fotografias, até com outros deputados. Poucos reparam na novidade: ele tirou o bigode. "No fim de semana, eu tomei uns conhaques e fui fazer a barba. Aí meu filho disse: 'Olha, pai, teu bigode ficou torto!' Raspei o bigode."

As pessoas entregam a ele CDs, cartas para encaminhar aos apresentadores Gugu Liberato, Tom Cavalcante e Ana Hickmann, seus colegas da TV Record, desenhos, livros de piadas. E fazem pedidos. Muitos pedidos. "O mais louco foi o de um cara que queria que eu entregasse uma música dele para o Julio Iglesias gravar. E nem era um CD. Era só um papel com a letra. Ele ficou uns cem dias me seguindo na Câmara." ? Tiririca recebe 200 pessoas por dia em seu gabinete. "Às vezes, temos que organizar numa fila", diz a assessora Edith Silva. Sempre grudada no deputado, atendendo o seu celular, pegando recado de parlamentares, alertando Tiririca quando jornalistas se aproximam, ela já ganhou até o apelido de "Florentina".

"As pessoas me pedem cadeiras de rodas, emprego. E a gente encaminha. Outro dia uma senhora pediu medicamentos. Ligamos para o [hospital] Sarah [Kubitschek]. As pessoas sabem que, com um telefonema da gente, um abraço [o pedido é atendido]", diz Tiririca. "Isso é sensacional." O contato com "o povo", diz, é uma das coisas boas do mandato. "Nos meus shows, eu fico no palco, distante. Aqui, não. Todos me param no corredor."

"E tem gente até do Sul que vem aqui só pra me ver", diz. "Torcem, rezam por mim. Uma senhora de 80 anos me disse: 'Cê já apanhou? Então agora você vai apanhar'. E bateu com força nas minhas costas, de tão emocionada."

Ele diz que não foi atingido pelos escândalos de seu partido, o PR. "Graças a Deus, não respingou em mim, não. Também, entramos só agora! As pessoas sabem que não temos nada a ver com isso."