Magazine Luiza

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

APública - http://www.apublica.org/

Apublica é um site para aquelas pessoas que querem fugir da mídia convencional.

Apresentação:

Pioneira do Brasil, a Agência Pública aposta num modelo de jornalismo sem fins lucrativos para manter a independência. Todas as nossas reportagens são livremente reproduzidas por diversos veículos sob a licença creative commons.
Veja a nossa lista de republicadores.

Nossa missão é produzir reportagens de fôlego pautadas pelo interesse público, sobre as grandes questões do país do ponto de vista da população – visando ao fortalecimento do direito à informação, à qualificação do debate democrático e à promoção dos direitos humanos, .
Todas as nossas reportagens são feitas com base na rigorosa apuração dos fatos e têm como princípio a defesa intransigente dos direitos humanos. Nossos principais eixos investigativos são: os preparativos para a Copa do Mundo de 2014; megainvestimentos na Amazônia; e a ditadura militar
Entre nossos parceiros estão centros independentes de jornalismo da América Latina, dos Estados Unidos e Europa, além de veículos tradicionais e expoentes das novas mídias.
 Veja nossa lista de parceiros.

Além de produzir, a Pública atua para promover o jornalismo investigativo independente, através de programas de mentorias para jovens jornalistas e bolsas de reportagem.
Para nós, o jornalismo não está em crise – está em renovação. A Pública acredita na reportagem. E no repórter.

www.wdl.org - A Biblioteca Digital Mundial




"A NOTÍCIA DO LANÇAMENTO NA INTERNET DA WDL, A BIBLIOTECA DIGITAL MUNDIAL.


Já está disponível na Internet, através do site  www.wdl.org

É uma notícia QUE NÃO SÓ VALE A PENA REENVIAR MAS SIM É UM DEVER
ÉTICO, FAZÊ-LO!

Reúne mapas, textos, fotos, gravações e filmes de todos os tempos e explica em sete idiomas as jóias e relíquias culturais de todas as bibliotecas do planeta.

Tem, sobretudo, caráter patrimonial" , antecipou em LA NACION Abdelaziz Abid, coordenador do projecto impulsionado pela UNESCO e outras 32 instituições. A BDM não oferecerá documentos correntes, a não ser "com valor de  patrimônio, que permitirão apreciar e conhecer melhor as culturas do mundo em idiomas diferentes:árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português. Mas há documentos em linha em mais de 50 idiomas".

Entre os documentos mais antigos há alguns códices precolombianos, graças à contribuição do México, e os primeiros mapas da América, desenhados por Diego Gutiérrez para o rei de Espanha em 1562", explicou Abid.

Os tesouros incluem o Hyakumanto darani , um documento em japonês publicado no ano 764 e considerado o primeiro texto impresso da história; um relato dos azetecas que constitui a primeira menção do Menino Jesus no Novo Mundo; trabalhos de cientistas árabes desvelando o mistério da álgebra; ossos utilizados como oráculos e esteiras chinesas; a Bíblia de Gutenberg; antigas fotos latino-americanas da Biblioteca Nacional do Brasil e a célebre Bíblia do Diabo, do século XIII, da Biblioteca Nacional da Suécia.

Fácil de navegar:

Cada jóia da cultura universal aparece acompanhada de uma breve explicação do seu conteúdo e seu significado.. Os documentos foram passados por scanners e incorporados no seu idioma original, mas as explicações aparecem em sete línguas, entre elas O PORTUGUÊS. A biblioteca começa com 1200 documentos, mas foi pensada para receber um número ilimitado de textos, gravados, mapas, fotografias e ilustrações.

Como se acede ao sítio global?

Embora seja apresentado oficialmente  na sede da UNESCO, em Paris, a Biblioteca Digital Mundial já está disponível na Internet, através do sítio:

www.wdl.org

O acesso é gratuito e os usuários podem ingressar directamente pela Web , sem necessidade de se registrarem..

Permite ao internauta orientar a sua busca por épocas, zonas geográficas, tipo de documento e instituição. O sistema propõe as explicações em sete idiomas (árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português), embora os originas existam na sua língua original.

Desse modo, é possível, por exemplo, estudar em detalhe o Evangelho de São Mateus traduzido em aleutiano pelo missionário russo Ioann Veniamiov, em 1840. Com um simples clique, podem-se passar as páginas um livro, aproximar ou afastar os textos e movê-los em todos os sentidos. A excelente definição das imagens permite uma leitura cômoda e minuciosa.

Entre as jóias que contem no momento a BDM está a Declaração de Independência dos Estados Unidos, assim como as Constituições de numerosos países; um texto japonês do século XVI considerado a primeira impressão da história; o jornal de um estudioso veneziano que acompanhou Fernão de Magalhães na sua viagem ao redor do mundo; o original das "Fábulas" de La Fontaine , o primeiro livro publicado nas Filipinas em espanhol e tagalog, a Bíblia de Gutemberg, e umas pinturas rupestres africanas que datam de 8.000 A .C.

Duas regiões do mundo estão particularmente bem representadas:

América Latina e Médio Oriente. Isso deve-se à activa participação da Biblioteca Nacional do Brasil, à biblioteca de Alexandria no Egipto e à Universidade Rei Abdulá da Arábia Saudita.

A estrutura da BDM foi decalcada do projecto de digitalização da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, que começou em 1991 e atualmente contém 11 milhões de documentos em linha.

Os seus responsáveis afirmam que a BDM está sobretudo destinada a investigadores, professores e alunos. Mas a importância que reveste esse sítio vai muito além da incitação ao estudo das novas gerações que vivem num mundo audiovisual."


Missão

A Biblioteca Digital Mundial disponibiliza na Internet, gratuitamente e em formato multilíngue, importantes fontes provenientes de países e culturas de todo o mundo.
Os principais objetivos da Biblioteca Digital Mundial são:
  • Promover a compreensão internacional e intercultural;
  • Expandir o volume e a variedade de conteúdo cultural na Internet;
  • Fornecer recursos para educadores, acadêmicos e o público em geral;
  • Desenvolver capacidades em instituições parceiras, a fim de reduzir a lacuna digital dentro dos e entre os países.


Este Site

A Biblioteca Digital Mundial possibilita descobrir, estudar e desfrutar de tesouros culturais de todo o mundo em um único lugar, de diversas formas. Estes tesouros culturais incluem - mas não estão limitados a - manuscritos, mapas, livros raros, partituras, gravações, filmes, gravuras, fotografias e desenhos arquitetônicos.
Os ítens da Biblioteca Digital Mundial podem ser facilmente pesquisados por lugar, período, tema, tipo de item e instituição contribuinte, ou podem ser localizados por uma pesquisa aberta, em vários idiomas. Características especiais incluem agrupamentos geográficos interativos, cronologia, sistema avançado de visualização de imagens, além de capacidades interpretativas. Descrições relacionadas aos ítens e entrevistas com curadores sobre os ítens apresentados fornecem informações adicionais.
Ferramentas de navegação e descrições de conteúdos são fornecidas em árabe, chinês, inglês, francês, português, russo e espanhol. Muitos outros idiomas estão representados nos livros, manuscritos, mapas e fotografias reais e em outros materiais essenciais, que são fornecidos em seus idiomas originais.
A Biblioteca Digital Mundial foi desenvolvida por uma equipe da Biblioteca do Congresso dos EUA, com contribuições de instituições parceiras em muitos países, o apoio das Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO);  e o apoio financeiro de uma série de empresas e fundações privadas.

Experiência

O Bibliotecário do Congresso dos EUA,  James H. Billington, propôs a criação da Biblioteca Digital Mundial em um discurso para a Comissão Nacional dos EUA para a UNESCO em junho de 2005. A idéia básica era criar uma coleção facilmente acessível pela Internet, abrangendo as riquezas culturais do mundo que relatariam as histórias e destacariam as conquistas de todos os países e culturas, promovendo, assim, a conscientização e a compreensão multiculturais. A UNESCO acolheu a idéia como uma contribuição para o cumprimento de seus objetivos estratégicos, que incluem a promoção de sociedades de conhecimento, criação de capacidades nos países em desenvolvimento, além da promoção da diversidade cultural na Internet. O Diretor-Geral da UNESCO, Koichiro Matsuura, designou a Diretoria de Comunicação e Informação da UNESCO, liderada pelo Dr. Abdul Waheed Khan, para trabalhar com a Biblioteca do Congresso no desenvolvimento do projeto.
Em dezembro de 2006, a UNESCO e a Biblioteca do Congresso convocaram uma Reunião de Peritos para discutirem o projeto. Os peritos reunidos, vindos de todas as partes do mundo, identificaram uma série de desafios que o projeto teria que superar para ser bem sucedido. Observaram que pouco conteúdo cultural estava sendo digitalizado em muitos países e que os países em desenvolvimento, particularmente, careciam da capacidade de digitalizar e exibir seus tesouros culturais. Muitas vezes, os web sites existentes possuíam funções de pesquisa e exibição precariamente desenvolvidas. O acesso multinlíngue não estava bem desenvolvido. Muitos web sites mantidos por instituições culturais eram difíceis de utilizar e, em muitos casos, falhavam em atrair usuários, especialmente os usuários jovens.
A Reunião de Peritos levou ao estabelecimento de grupos de trabalho para desenvolver diretrizes para o projeto, bem como a uma decisão da Biblioteca do Congresso, da UNESCO e de cinco instituições parceiras - a Bibliotheca de Alexandria, a Biblioteca Nacional do Brasil, a Biblioteca e os Arquivos Nacionais do Egito, a Biblioteca Nacional da Rússia e a Biblioteca Estadual da Rússia - no sentido de desenvolver e contribuir em conteúdo para um protótipo da Biblioteca Digital Mundial a ser apresentado na Conferência Geral da UNESCO em 2007. Ôs recursos para a concepção do protótipo foram solicitados através de um processo consultivo que envolveu a UNESCO, a Federação Internacional das Associações e Instituições Biblioteconômicas  (IFLA), além de indivíduos e instituições de mais de quarenta países.
A bem sucedida inauguração do protótipo foi seguida por uma decisão tomada por várias bibliotecas no intuito de desenvolver uma versão pública e livremente acessível da Biblioteca Digital Mundial, para lançamento na UNESCO em Abril de 2009. Mais de duas dezenas de instituições forneceram conteúdo para a versão de lançamento do site.
A versão pública do site apresenta ítens digitais de alta qualidade,  refletindo o patrimônio cultural de todos os países-membros da UNESCO. A Biblioteca Digital Mundial continuará a adicionar conteúdo ao site e irá convidar novos parceiros para o projeto, o maior número possível dentre os membros da UNESCO.

Marcos cronológicos da Biblioteca Digital Mundial

  • Junho de 2005: O Bibliotecário do Congresso, James H. Billington, propõe a criação de uma Biblioteca Digital Mundial para a UNESCO.
  • Dezembro de 2006: A UNESCO e a Biblioteca do Congresso co-patrocinam uma Reunião de Peritos com as principais partes interessadas de todas as regiões do mundo. A Reunião de Peritos resulta em uma decisão de estabelecer grupos de trabalho para desenvolver normas e diretrizes para seleção de conteúdos.
  • Outubro de 2007: A Biblioteca do Congresso e cinco instituições parceiras apresentam um protótipo da futura Biblioteca Digital Mundial na Conferência Geral da UNESCO
  • Abril de 2009: A Biblioteca Digital Mundial é lançada  para o público internacional, com conteúdo sobre cada estado-membro da UNESCO.

Principais Características

A Biblioteca Digital Mundial representa uma mudança em projetos de bibliotecas digitais, do enfoque em quantidade por si só,  para qualidade; a quantidade continua a ser uma prioridade, mas não à custa das normas de qualidade estabelecidas durante a fase inicial.
A Biblioteca Digital Mundial proporciona novas experiências nas seguintes áreas, cada uma representando significativos investimentos de tempo e de esforços:
  1. Metadados consistentes: Cada item é descrito por um conjunto coerente de informações bibliográficas (ou metadados) relativos à sua abordagem geográfica, temporal e temática, entre outros requisitos. Metadados consistentes fornecem a base para um site que seja fácil e interessante de se explorar e que ajude a revelar as ligações entre os itens. Os metadados também melhoram as ferramentas externas de busca.
  2. Descrição: Entre as mais impressionantes características da Biblioteca Digital Mundial estão as descrições de cada item, respondendo as questões: "O que é este item e por que ele é importante?" Esta informação, escrita por curadores e outros especialistas, fornece um contexto essencial para os usuários e é concebida para incitar a curiosidade de estudantes e do público em geral para aprender mais sobre o patrimônio cultural de todos os países.
  3. Multilingualismo: Os metadados, a navegação e o conteúdo de suporte (por exemplo, vídeos de curadores) estão traduzidos em sete idiomas: árabe, chinês, inglês, francês, português, russo e espanhol. Esta funcionalidade prolongou o desenvolvimento do site e também complica a manutenção, mas aproxima a Biblioteca Digital Mundial da meta de tornar-se realmente universal.
  4. Desenvolvimento técnico da biblioteca digital: A equipe da Biblioteca Digital Mundial, trabalhando com as mais modernas ferramentas e tecnologias, resultou em avanços na catalogação e no desenvolvimento do Web site multilingue:
    • Foi desenvolvido um novo programa aplicativo de catalogação adequado aos requisitos dos metadados.
    • Foi utilizada uma ferramenta centralizada com uma memória de tradução, o que evita que os tradutores tenham que traduzir a mesma palavra ou frase duas vezes.
    • Foi desenvolvida uma interface que apresenta o conteúdo da Biblioteca Digital Mundial de forma atrativa para usuários não tradicionais, incentivando a exploração de fontes primárias.
    • Novas tecnologias continuam a ser desenvolvidas, melhorando o fluxo de trabalho e reduzindo o tempo decorrido entre a seleção do conteúdo e a disponibilidade no site.
  5. Rede de colaboração: A Biblioteca Digital Mundial enfatiza a abertura em todos os aspectos do projeto: acesso aos conteúdos; transferência de tecnologia para a criação de capacidades; e a participação de parceiros, interessados diretos e usuários. As redes técnicas e programáticas são vistas como vitais para a sustentabilidade e o crescimento da Biblioteca Digital Mundial.

Parceiros

Consulte uma lista atual de parceiros.
Parceiros são principalmente bibliotecas, arquivos ou outras instituições que possuem coleções de conteúdos culturais, os quais são contribuidos para a Biblioteca Digital Mundial. Os parceiros podem, também, incluir instituições, fundações e empresas privadas que contribuem para o projeto de outras formas, por exemplo, compartilhando tecnologia, convocando ou co-patrocinando reuniões de grupos de trabalho ou contribuindo financeiramente.

Centros de Digitalização

Enquanto muitos dos parceiros ou parceiros em potencial que pretendem contribuir com conteúdos para a Biblioteca Digital Mundial tenham programas de digitalização bem estabelecidos, com  equipamentos e funcionários dedicados, outros, especialmente nos países em desenvolvimento, não têm acesso a essas capacidades. Ao longo dos anos, a Biblioteca do Congresso vem trabalhando com parceiros no Brasil, Egito, Iraque e Rússia a fim de estabelecer centros de conversão digital para produzir imagens digitais de alta qualidade. Grande parte do conteúdo da Biblioteca Digital Mundial foi produzida nestes centros.
A Biblioteca Digital Mundial apoia a missão da UNESCO no desenvolvimento de capacidades nos países em desenvolvimento e pretende trabalhar com a UNESCO, os parceiros destes países e os financiadores externos para estabelecer centros de conversão digital adicionais em todo o mundo. Estes centros produzirão conteúdos não só para a Biblioteca Digital Mundial, mas também para outros projetos nacionais e internacionais.

Grupos de Trabalho da Biblioteca Digital Mundial

Os Grupos de Trabalho da Biblioteca Digital Mundial, criados depois da Reunião de Peritos de dezembro de 2006, incluem o Grupo de Trabalho de Seleção de Conteúdos e um Grupo de Trabalho Técnico Arquitetônico. Estes grupos são constituídos, inicialmente, por representantes de instituições parceiras.
A Federação Internacional de Associações e Instituições Biblioteconômicas (IFLA) e a Biblioteca do Congresso co-patrocinaram um grupo de trabalho com o intuito de desenvolver diretrizes para bibliotecas digitais, inclusive a Biblioteca Digital Mundial.
A Universidade de Ciência e Tecnologia King Abdullah, em parceria com a Biblioteca do Congresso e a UNESCO, patrocinam um Comitê Internacional de Consultoria sobre a História da Ciência Árabe e Islâmica a fim de identificar livros científicos e manuscritos importantes do mundo árabe e islâmico, além de facilitar a inclusão destes itens na Biblioteca Digital Mundial.

Perguntas Frequentemente Feitas

  1. Como você selecionou o conteúdo?O Grupo de Trabalho de Seleção de Conteúdos da Biblioteca Digital Mundial desenvolveu, inicialmente, diretrizes gerais para a seleção. Além disso, os parceiros da Biblioteca Digital Mundial trabalharam para incluir conteúdos importantes e culturalmente significativos sobre cada país-membro da UNESCO. O conteúdo está em uma variedade de formatos e idiomas, de diferentes lugares e períodos. A Biblioteca Digital Mundial concentra-se em materiais básicos importantes que incluem manuscritos, mapas, livros raros, gravações, filmes, gravuras, fotografias, desenhos arquitetônicos e outros tipos de fontes básicas. Um dos objetivos do conteúdo da Biblioteca Digital Mundial será trabalhar em estreita colaboração com o programa Memória do Mundo, da UNESCO, visando tornar as versões digitais destes acervos acessíveis ao público.
  2. Como você traduziu o conteúdo?O conteúdo não é traduzido. Os materiais básicos - livros, mapas, manuscritos, etc - aparecem em seu idioma original. O que reallmente traduzimos são os metadados (dados sobre o material), que tornarão possível pesquisar e navegar no site em sete idiomas. A equipe da Biblioteca Digital Mundial considera uma série de abordagens para a tradução, inclusive aquela auxiliada por computador, ou tradução mecânica, a tradução através de redes de voluntários (o modelo wiki) ou uma combinação destas. Estamos empenhados em oferecer traduções de alta qualidade e trabalharemos para melhorar o processo de tradução. Ao preparar-se para o lançamento inicial do site, a equipe da Biblioteca Digital Mundial utilizou uma ferramenta centralizada com memória de tradução.
  3. Quem classificou o conteúdo por lugar, tempo, assunto e  tipo de item?Trabalho deste tipo normalmente é feito por profissionais conhecidos como catalogadores, que trabalham de acordo com regras estabelecidas por qualquer um, dentre vários amplamente utilizados, sistema de catalogação nacionais e internacionais  para produzir dados bibliográficos (também conhecidos como metadados). Na medida do possível, a Biblioteca Digital Mundial contou com registros catalográficos existentes fornecidos pelas instituições parceiras, complementando estas informações conforme necessário, a fim de assegurar uma navegação adequada. Para a classificação por assunto, a WDL depende do Sistema de Classificação Decimal Dewey, que foi disponibilizado pela OCLC nos sete idiomas de interface. O Sistema de Classificação Decimal Dewey está passando por um processo de adaptação e de internacionalização, para melhorar sua capacidade de classificar o conteúdo proveniente de uma multiplicidade de países e culturas.
  4. Por que estes sete idiomas? Serão adicionados outros idiomas de interface?Árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol são as línguas oficiais das Nações Unidas. O português é uma das principais línguas do mundo e as instituições do Brasil, o maior país de língua portuguesa do mundo, desempenharam um importante papel no desenvolvimento inicial da Biblioteca Digital Mundial. O acréscimo de outros idiomas está em estudos, mas não deve competir com outras prioridades mais urgentes, inclusive o aumento do volume e da diversidade de conteúdos de e sobre todos os países em todos os idiomas e o estabelecimento de capacidades digitais nos países em desenvolvimento.
  5. Como posso utilizar o conteúdo deste site? O conteúdo encontrado no web site da Biblioteca Digital Mundial é fornecido por parceiros da Biblioteca Digital Mundial. Questões relacionadas a direitos autorais sobre conteúdos de parceiros deverão ser direcionadas a esse parceiro. Ao publicar ou, de outra forma, distribuir materiais encontrados em coleções de um parceiro da Biblioteca Digital Mundial, o pesquisador tem a obrigação de determinar e satisfazer direitos autorais nacionais e internacionais ou quaisquer outras restrições de uso. Você pode encontrar mais informações sobre as leis de direitos autorais na Organização Mundial da Propriedade Intelectual dos estados-membros em http://www.wipo.int/about-ip/en/. Muitos itens da Biblioteca Digital Mundial contêm links para web sites parceiros. Os sites parceiros também estão conectados a partir página parceira da Biblioteca Digital Mundial.
  6. Como é financiado este projeto?TA Biblioteca Digital Mundial é um projeto de colaboração entre a Biblioteca do Congresso dos EUA, a UNESCO e parceiros por todo o mundo. Parceiros da Biblioteca Digital Mundial contribuem com conteúdos, bem como experiência em curadoria, catalogação, linguística e técnica. O projeto também recebeu apoio do setor privado. Mais informações sobre estas contribuições estão disponíveis nas páginas de Contribuintes Financeiros e de Agradecimentos. A Biblioteca Digital Mundial vem trabalhando no sentido de estabelecer parcerias adicionais com empresas tecnológicas e fundações privadas para apoiar o desenvolvimento deste projeto.
  7. Quem utilizará o site?Qualquer pessoa com um interesse mais amplo no mundo. Estudantes, professores, acadêmicos e o público em geral podem acessá-lo de diversas formas, mas há algo de interesse para todos.
  8. Que bibliotecas e instituições poderão participar?Qualquer biblioteca, museu, arquivo ou outra instituição cultural que tenha conteúdo histórico e cultural interessante poderá participar.
  9. Meu país está representado?Existe um conteúdo sobre cada país-membro da UNESCO no mundo. A Biblioteca Digital Mundial visa estabelecer as capacidades, especialmente nos países em desenvolvimento, a fim de permitir que as instituições de todos os países contribuam com conteúdo adicional para o projeto. Isto aumentará o volume e a diversidade cultural dos itens do site e ajudará a reduzir a lacuna digital.
  10. Como meu país (ou instituição) poderá aderir à Biblioteca Digital Mundial?Bibliotecas, arquivos, museus e outras instituições interessadas em se tornar parceiros devem entrar em contato com a equipe da Biblioteca Digital Mundial. A Biblioteca Digital Mundial trabalhará com parceiros em potencial para identificar importantes coleções para uma possível inclusão, pesquisar projetos e capacidades existentes, além de desenvolver planos de participação.
  11. Como poderei participar?A melhor forma de participar é identificar coleções importantes que representem um determinado país ou cultura e trabalhar com a equipe da Biblioteca Digital Mundial para que sejam incluídos no projeto. O ponto de partida é o conteúdo. Teremos o maior prazer em fornecer informações sobre oportunidades de voluntariado e discutir sugestões para o projeto com pessoas que entrarem em contato conosco.
  12. Como este projeto está relacionado com a Europeana?A Europeana e a Biblioteca Digital Mundial são projetos distintos. Europeana concentra-se na Europa e em coleções sobre a Europa mantidas em bibliotecas, arquivos e museus europeus. A Biblioteca Digital Mundial apresenta um enfoque mundial. As instituições que fazem parte da Europeana são bem-vindas a participar da Biblioteca Digital Mundial.
  13. Quem mantém o site da Web?O site da Biblioteca Digital Mundial é hospedado pela Biblioteca do Congresso dos EUA. Uma equipe com base na Biblioteca do Congresso mantém o site.
  14. Que mudanças estão previstas para o futuro?Estamos buscando ativamente mais instituições parceiras e contribuições de conteúdo, e trabalhando para melhorar a catalogação, a tradução e outras funções.
  15. De onde vem o conteúdo?De bibliotecas e outras instituições culturais da África, Ásia, Europa e Américas, do Norte e do Sul. Na época do lançamento público da Biblioteca Digital Mundial, em abril de 2009, havia contribuições de 26 instituições de 19 países, incluindo as principais instituições culturais (principalmente bibliotecas nacionais) dos maiores países das línguas: árabe, chinesa, inglesa, francesa, portuguesa, russa e espanhola. Uma lista atual de parceiros está disponível na página de parceiros da Biblioteca Digital Mundial.
  16. Quem estabeleceu os padrões de digitalização?Os padrões de metadados, digitalização e transferência de arquivos foram estabelecidos pela Biblioteca do Congresso e outros parceiros da Biblioteca Digital Mundial, com a contribuição de grupos de trabalho da Biblioteca Digital Mundial.
  17. Como o site será mantido e administrado no futuro?O crescimento sustentável será baseado no estabelecimento de uma rede mundial para a produção, apresentação, catalogação e tradução de conteúdos. A UNESCO e a Biblioteca do Congresso lançaram um apelo universal à participação e estão desenvolvendo uma licença multilateral. A licença da Biblioteca Digital Mundial proporcionará uma estrutura de governança, incluindo reuniões anuais de parceiros para desenvolver um modelo de sustentabilidade financeira a longo prazo e desenvolver políticas relativas à propriedade intelectual e à localização e manutenção de sites-espelho para hospedagem, entre outras questões.
  18. Como poderão as bibliotecas, instituições, organizações do setor privado e os indivíduos apoiar este projeto?Parceiros com coleções culturalmente importantes e interessantes e capacidade de digitalização são necessários para expandir e diversificar o site. Alguns parceiros precisam de equipamentos e treinamento para participar, especialmente no mundo em desenvolvimento. Contribuições significativas nas seguintes áreas ajudariam a construir a capacidade da Biblioteca Digital Mundial e assegurar seu crescimento:
    • Treinamento e equipamentos de digitalização: O desafio é desenvolver ferramentas e procedimentos para a criação e processamento de grandes volumes de conteúdo, sem comprometer a qualidade (funcionalidade, investigabilidade e experiência do usuário) do Web site.
    • Divulgação e sensibilização pública: Publicidade eletrônica e impressa são necessárias para direcionar o tráfego até o site. Mecanismos de entrega alternativos (incluindo dispositivos móveis) aumentarão a utilização, especialmente em países com baixa penetração de banda larga e/ou de Internet.
    • Assistência com catalogação e tradução: Estão sendo consideradas estratégias para envolver comunidades de voluntários (modelo wiki) para ajudarem a identificar e descrever recursos primários e para traduzir metadados.
    • Apoio Financeiro: Faz-se necessário um  financiamento plurianual substancial para o estabelecimento de centros de conversão digital,  criação e transformação de conteúdos digitais e um desenvolvimento maior da Biblioteca Digital Mundial como rede de produção.
    Entre em contato com a equipe da Biblioteca Digital Mundial se você estiver interessado em participar através destas ou de outras formas.

Associados

Os associados WDL são, principalmente, bibliotecas, arquivos ou outras instituições que possuem coleções de conteúdo cultural, as quais eles contribuem para WDL. Associados podem, também, incluir instituições, fundações e companhias privadas que contribuem para o projeto de outras formas, por exemplo, compartilhando tecnologia, convocando ou patrocinando reuniões de grupos de trabalho, ou contribuindo financeiramente.

Contribuintes Financeiros

A Biblioteca do Congresso e seus parceiros da Biblioteca Digital Mundial agradecem aos seguintes contribuintes financeiros:

$3.000.000+

Corporação Carnegie de Nova Iorque
Biblioteca Nacional do Catar, da Fundação para Educação, Ciência e Desenvolvimento Comunitário do Catar

$1.000.000-$3.000.000

Google, Inc.
Universidade de Ciência e Tecnologia King Abdullah, Arábia Saudita
Microsoft, Inc.

$500.000-$999.999

Third Century Fund da Biblioteca do Congresso (Fundo Jeffersoniano)

$250.000-$499.999

Conselho James Madison da Biblioteca do Congresso
Glenn R. Jones
Raja W. Sidawi

$50.000-$249.999

Roger S. e Julie Baskes
Consuelo Duroc-Danner
Marguerite e Gerry Lenfest
Fundação Lawrence e Mary Ann Tucker
Susan Carmel Lehrman

$25.000-49.999

Buffy M. Cafritz
William e Inger Ginsburg
Fundação Cotswold, Martha H. Morris

Apoio adicional

Fundação Bridges of Understanding
Robert H. Enslow
Nancy Hart Glanville
Fundação Legacy Works
Tom e Kaye Martin
Thomas e Jamel Perkins
Albert H. Small


Agradecimentos

A Biblioteca Digital Mundial reconhece, agradecida, o apoio de seus contribuintes financeiros, da UNESCO, das instituições parceiras que contribuíram para o conteúdo do site, da Federação Internacional das Associações e Instituições Biblioteconômicas (IFLA), da Apple, Inc., da OCLC, dos membros dos grupos de trabalho da Biblioteca Digital Mundial e dos participantes nos grupos de trabalho e nas reuniões de peritos da Biblioteca Digital Mundial.




Biblioteca Digital Mundial já está disponível na Internet

15 de julho de 2013 ·

Mapa do Brasil feito aproximadamente em 1631 por Willem Blaeu (1571-1638).
Milhares de documentos em árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português estão à disposição do público através da Biblioteca Digital Mundial (WDL, em sua sigla em inglês), um projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em parceria com outras 32 instituições.
De acordo com Abdelaziz Abid, coordenador da iniciativa, a WDL não é uma biblioteca comum porque não tem em seu acervo publicações atuais: “nosso acervo tem valor patrimonial, para ajudar a compreender melhor as culturas do mundo.” Entre os documentos mais antigos estão alguns códigos pré-colombianos – uma contribuição do México – e os primeiros mapas da América, desenhados por Diego Gutiérrez para o rei da Espanha em 1562.
O acervo inclui o Hyakumanto Darani, um documento japonês publicado em 764 e considerado o primeiro texto impresso da história; trabalhos científicos árabes que revelam o mistério da álgebra, a Bíblia de Gutenberg e fotos antigas da América Latina provenientes da Biblioteca Nacional do Brasil.
Cada um destes itens da cultura mundial é acompanhado por uma breve explicação do seu conteúdo e significado. Os documentos foram digitalizados e incorporados no idioma original, mas as explicações aparecem em sete línguas, incluindo o português.
A biblioteca foi lançada com 1.200 documentos, mas foi projetada para receber um número ilimitado de textos, gravuras, mapas, fotografias e ilustrações.
Clique aqui para acessar a Biblioteca Digital Mundial.
O acesso é gratuito e é possível realizar buscas por períodos históricos, zonas geográficas, tipo de documento e instituição.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Ich!... E agora? Com a morte da terceira opção como ficará as eleições para presidente no Brasil?



Eduardo Campos morre em acidente aéreo em Santos

Eduardo Campos morre aos 49 anos em acidente aéreo em Santos. Presidenciável do PSB morre no mesmo dia - 13 de agosto - que seu avô, Miguel Arraes, que morreu em 2005

eduardo campos morre avião santos
Eduardo Campos morre em queda de avião em Santos (Edição: Pragmatismo Político)
O candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB-PE) morreu na manhã desta quarta-feira, aos 49 anos, vítima de um acidente aéreo em Santos. A informação foi confirmada pelo coordenador-adjunto da campanha do PSB, Bazileu Margarido. O presidenciável do PSB morreu no mesmo dia que o seu avô, Miguel Arraes – 13 de agosto.
Eduardo Campos seguia do Rio de Janeiro para Santos para cumprir agenda eleitoral, mas o avião arremeteu por conta do mau tempo no litoral paulista. Ao menos cinco imóveis foram atingidos na queda da aeronave. A Rede Globo inicialmente informou que o candidato estaria acompanhado da mulher e de um dos filhos. O jornal O Estado de S.Paulo, no entanto, desmentiu a informação e garantiu que não havia familiares de Eduardo Campos no avião.
Marina Silva, vice de Eduardo Campos, não estava no avião. A ex-senadora, que embarcaria hoje na mesma aeronave de Campos, decidiu mudar a rota na última hora e embarcar em um avião de carreira com assessores.
A presidente Dilma Rousseff deve fazer um pronunciamento oficial ainda hoje. Ela cancelou a entrevista marcada para hoje à noite no Jornal Nacional e na Globo News.
Luciana Genro, candidata do PSOL à Presidência da República, lamentou morte de Eduardo Campos. “Minha solidariedade aos familiares e amigos. Esta eleição se transformou em luto!”, publicou no Twitter.
A Rede Sustentabilidade se pronunciou sobre a queda do avião de Eduardo Campos. “Todos estamos chocados com a morte de Eduardo Campos, em queda de avião hoje de manhã. Marina Silva segue agora para Santos (SP)”, divulgou o perfil do partido no Twitter.

Entrevista no Jornal Nacional

Após dar uma entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo, na noite de ontem, Eduardo Campos deveria cumprir agenda eleitoral em Santos, onde, às 10h30, concederia entrevista coletiva na Praia do Mercado. Contudo, o presidenciável não compareceu aos compromissos e não era possível fazer contato com ele, preocupando os membros de sua campanha.

ANAC

Segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), o avião pertence a um particular (AF Andrade Empreendimentos e Participações Ltda.) e está com a documentação em dia.
“Quando se preparava para pouso, o avião arremeteu devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave. A Aeronáutica já iniciou as investigações para apurar os fatores que possam ter contribuído para o acidente”, diz a nota, assinada pelo brigadeiro do ar Pedro Luís Farcic, chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica.

Biografia

Eduardo Campos nasceu em Recife, em 10 de agosto de 1965 e deixa a esposa, Renata Campos, e cinco filhos: Maria Eduarda, João Henrique, Pedro Henrique, José Henrique e Miguel. Era filho do poeta e cronista Maximiano Campos e neto do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, cassado durante o golpe de estado de 1964.
Campos formou-se em economia pela Universidade Federal de Pernambuco em 1985. Participou da campanha de Miguel Arraes ao governo de Pernambuco em 1986 e, com a vitória do avô, passou a atuar como chefe de gabinete e organizou a criação da primeira Secretaria de Ciência e Tecnologia do estado.
Filiou-se ao PSB em 1990 e foi eleito deputado estadual no mesmo ano. Disputou sua primeira eleição majoritária em 1992 para prefeitura de Recife, ficando em quinto lugar. Foi deputado federal por Pernambuco por três mandatos consecutivos, entre 1994 e 2007. Em 2004, foi nomeado ministro da Ciência e Tecnologia no primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2006). Em 2005, assumiu a presidência nacional do PSB.
Foi governador de Pernambuco por dois mandatos consecutivos (2007-2014), com apoio de Lula. Foi reeleito com 82% dos votos em 2010. Em setembro do ano passado, liderou o afastamento do PSB do governo Dilma, com a entrega de todos os cargos na gestão. Deixou o governo do estado em abril deste ano, para disputar a presidência da República, tendo como vice a ex-senadora Marina Silva, da Rede Sustentabilidade.

 

 

Eduardo Campos morre em acidente aéreo

Candidato à Presidência da República estava em jato particular com mais seis pessoas. Campanha ainda não se manifestou. Marina Silva se dirigiu para o litoral paulista

Publicação Estado de Minas: 13/08/2014 11:24 
Eduardo Campos estava na aeronave junto com outras seis pessoas (Reprodução/Twitter)
Eduardo Campos estava na aeronave junto com outras seis pessoas

O candidato à Presidência da República, Eduardo Campos (PSB) morreu na manhã desta quarta-feira em um acidente aéreo em Santos (SP). O ex-governador de Pernambuco saiu do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para um compromisso no Guarujá (SP). O piloto tentou aterrisar, mas devido ao mau tempo, arremeteu e fez um novo procedimento de aproximação. Nesse momento, o jato caiu próximo ao Canal 3, bairro nobre de Santos, sobre uma academia de ginástica na Rua Vahia de Abreu, no Boqueirão. Além de Campos, também morreram no desastre aéreo o fotógrafo Alexandre da Silva, o assessor Carlos Augusto Leal Filho (Percol), os pilotos Geraldo da Cunha e Marcos Martins; Pedro Valadares Neto e Marcelo Lira.



Casas foram atingidas com a queda da aeronave (Pato Rodriguez OK / Twitter)
Casas foram atingidas com a queda da aeronave
Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), os certificados de aeronavegabilidade e a inspeção anual de manutenção estavam em dia. A aeronave foi fabricada em 2011 e foi exposta na edição 2012 da LABACE, a feira de aviação executiva que acontece anualmente no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

O jato pertence ao Grupo Andrade Empreendimentos e Participações, com sede em Ribeirão Preto, mas estava à disposição da comitiva de campanha do candidato Eduardo Campos.
 
Repercussão

A morte de Campos deixou políticos e partidários estarrecidos. Ao Blog da Bertha, o candidato do PSB ao governo de Minas, Tarcísio Delgado, afirmou que está  "completamente traumatizado e em estado de choque". O prefeito de Belo Horizonte, prefeito Marcio Lacerda (PSB), diz estar chocado com o acidente. "É uma grande perda para o partido e para o processo democrático".
A assessoria de imprensa do deputado federal e presidente do PSB em Minas, Julio Delgado, informou que o líder do partido não está em condições de falar com a imprensa. “Ele tinha uma relação muito próxima com o Eduardo e por isso pedimos a compreenção neste momento difícil”, afirmou a assessoria.

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, cancelou na tarde desta quarta-feira, 13, toda a agenda de hoje no Rio Grande do Norte e também os compromissos que estavam previstos em Patos, na Paraíba. Assim que seu avião aterrissou em Natal, Aécio recebeu as nformações sobre o acidente envolvendo a aeronave de Eduardo Campos (PSB) e desceu para dar uma declaração à imprensa.

"Estamos todos absolutamente perplexos com as notícias envolvendo o candidato e meu amigo Eduardo Campos. Estamos cancelando toda nossa genda no Rio Grande do Norte e as outras que teríamos", afirmou Aécio.

A presidente Dilma Rousseff cancelou a agenda de campanha pelos próximos três dias e fará um pronuncialmento na tarde desta quarta-feira.

Pelas redes sociais, autoridades e personalidades brasileiras lamentaram o ocorrido

 O PSB divulgou nota na tarde desta quarta-feira (13) em que lamenta a morte do ex-governador Eduardo Campos no "auge de sua brilhante carreira política" e diz que o perdeu "quando mais o Brasil precisava de seu patriotismo, seu  despreendimento, seu destemor e sua competência". Campos era presidente do partido.

Leia a íntegra da nota:

"No dia em que são passados nove anos do falecimento de Miguel Arraes, o Partido Socialista Brasileiro cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento, nesta data, vítima de acidente aéreo, do seu presidente, ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, nosso candidato à Presidência da República.

Aos 49 anos recém completados, Eduardo Campos vivia o auge de sua brilhante carreira política: deputado estadual, secretario de Estado de Pernambuco, deputado federal, ministro de Estado, governador de  Pernambuco reeleito por consagradora maioria, oferecia sua experiência e juventude ao serviço do País.

Candidato à Presidência da República, apresentou-se ao debate de nossas questões fundamentais, coerente com os princípios que sempre nortearem sua vida, e o primeiro deles era a busca por justiça social, razão de existência do Partido Socialista Brasileiro.

Perdemos Eduardo Campos quando mais o Brasil precisava de seu patriotismo, seu  despreendimento, seu destemor e sua competência.

Não é só Pernambuco e sua gente que perdem seu líder; não é só o PSB que perde seu líder. É o Brasil que perde um jovem e promissor  estadista.

Estamos todos de luto.

Brasília, 13 de agosto de 2014

Roberto Amaral
Primeiro vice-presidente do Partido Socialista Brasileiro"

Eduardo Campos (1965-2014)

Juca Kfouri


IMG_2131.JPG
Conheci Eduardo Campos durante a CPI da CBF na Câmara dos Deputados, em 2000.
Ele foi um dos mais atuantes e competentes membros daquela CPI, firme e eficaz em suas participações.
Estabelecemos ótimas relações, até por eu ser um admirador de seu avô, Miguel Arraes.
O reecontrei, com meus amigos José Paulo Cavalcanti Filho e Bob Fernandes, em janeiro de 2008, numa noite festiva na praia do Touquinho, perto do Recife.
Representante da nova política brasileira, Campos naquela noite contou como tinha sido sua negociação, meses antes, para fazer do Recife uma das sedes da Copa do Mundo.
Num encontro no Recife, no Palácio das Princesas, com o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, que ele investigou na CPI e, portanto, sabia bem quem era, o ex-governador pernambucano foi claro: “Ricardo, nós não nos gostamos, mas Pernambuco tem de ficar acima disso.”
O próprio Teixeira dizia em seu círculo que de Campos não esperava nenhum ato desleal, porque o relacionamento obrigatório entre ambos era explícito.
Este é, entre outras características pessoais admiráveis, o novo político que o Brasil acaba de perder.
Uma tragédia.



 Avião Cessna, cai sobre casa ao lado de academia em Santos, no litoral de SP
Segundo Bombeiros, acidente aconteceu na Rua Vahia de Abreu.



Coordenador da Rede Rede Sustentabilidade diz que Marina está 'chocada' com morte de Campos

Candidata a vice na chapa do presidenciável Eduardo Campos (PSB) a ex-senadora Marina Silva abandou o estúdio onde gravava programa para o horário eleitoral gratuito em São Paulo e foi para casa. Segundo o coordenador da Rede Sustentabilidade, partido que Marina tenta criar, Bazileu Margarido, a candidata está em "chocada". "Ela está na casa dela chocada", disse ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.
Margarido afirma que além de Campos, a aeronave que caiu em Santos na manhã desta quarta-feira, 13, era ocupada por assessores técnicos da campanha.

Aécio cancela agenda e se diz 'perplexo' com acidente que matou Eduardo Campos

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, cancelou na tarde desta quarta-feira toda a agenda desta quarta-feira no Rio Grande do Norte e também os compromissos que estavam previstos em Patos, na Paraíba. Assim que seu avião aterrissou em Natal, Aécio recebeu as informações sobre o acidente envolvendo a aeronave de Eduardo Campos (PSB) e desceu para dar uma declaração à imprensa. "Estamos todos absolutamente perplexos com as notícias envolvendo o candidato e meu amigo Eduardo Campos. Estamos cancelando toda nossa agenda no Rio Grande do Norte e as outras que teríamos", afirmou Aécio. "Esperamos que as notícias que venham possam ser melhores que as iniciais. Neste momento, não há nada a fazer a não ser rezar e aguardar as informações oficiais, esperando e rezando todos para que as notícias sejam positivas", afirmou Aécio que ainda não tinha no momento notícias da confirmação da morte de Campos. O candidato do PSDB retornou à aeronave e seguiu para São Paulo.
Aécio foi recebido pelo candidato ao governo do Rio Grande Norte e presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB), que também cancelou sua agenda do dia.


Últimas 24 horas de Eduardo Campos foram intensas

O ex-governador de Pernambuco cumpria intensa agenda de campanha 
 
 Publicação: 14/08/2014 07:17 
 
 

 
Compromissos, metas, prazos e a necessidade de fazer o máximo sempre em um ritmo muito intenso. O ex-governador Eduardo Campos era conhecido pelo perfil dinâmico e ágil que exigia resultados de si e de quem estava ao seu redor. Para ele o tempo urgia e assim viveu suas últimas 24h. A terça-feira era um dia importante. À noite daria uma entrevista ao Jornal Nacional e, para isso, passou horas estudando. Treinou o discurso, revisou promessas, atualizou-se das notícias correntes.
 
Por nota, ontem, os entrevistadores Willian Bonner e Patrícia Poeta comentaram a passagem dele pelos estúdios da emissora. Era a primeira vez que conversavam pessoalmente com o candidato. Contaram que o clima nos bastidores foi tranquilo e que Campos sorria muito. "Comentei que as perguntas que fazemos sempre são as necessárias, que não surpreenderiam os assessores dele. Eduardo Campos retrucou, sorrindo: 'o problema é quando surpreendem o candidato'”, escreveu Bonner. A candidata a vice, Marina Silva, que acompanhava a agenda, chegou a brincar: “o media training dele foi com o Miguel”, o filho caçula do socialista.

A esposa, Renata Campos e filho Miguel estiveram com Eduardo durante toda a terça-feira. A única atividade pública dele no Rio de Janeiro era um encontro com Cardeal Acerbispo, Dom Orani Tempesta, que ocorreu às 14h na Arquidiocese da capital fluminense. Na volta para o hotel, cumprimentou funcionários os sempre sorridente. A um dos manobristas, deu um santinho com a foto dele ao lado da vice.

Pela tarde Campos recebeu ligações de lideranças políticas. A maioria para a fechar agendas. Entre as pessoas com quem falou, o amigo Beto Albuquerque (PSB). “Conversamos pouco antes da entrevista. Falamos sobre campanha e definimos a agenda para a quinta-feira. Era a inauguração do comitê central aqui em Brasília. Ele estava muito animado com tudo”, comentou o candidato ao Senado.

Eduardo Campos concedeu ainda outra entrevista naquela noite, esta para a Globo News. Voltou tarde para o hotel e dormiu ainda mais tarde. Era quase meia-noite e falava com aliados e amigos pelo telefone. Para eles, afirmava ter sentido que se saiu bem das entrevistas e que a campanha ganharia ainda mais fôlego. “Telefonei para ele após o programa. Conversamos sobre a entrevista e eu disse que ele tinha se saído muito bem. Ele se mostrou muito animado”, lembrou o candidato ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB). O socialista disse que Campos também fez várias perguntas sobre a campanha do correligionário. “A última frase que ele me disse foi: ‘se prepare que você vai governar o DF”.

Ontem, Eduardo Campos acordou cedo. Ligou para o irmão, Antônio Campos e às 7h40 saiu apressado do Hotel Sofitel, no Posto 6 da Praia de Copacabana, Zona Sul do Rio, com destino ao aeroporto Santos Dummont. Despediu-se da esposa e do filho mais novo e embarcou, 9 minutos antes do previsto, às 9h21, rumo ao Guarujá. O avião modelo Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, caiu às 10h. Às 12h30 era confirmada a notícia de que Eduardo Campos, cinco integrantes da campanha e piloto e co-piloto haviam falecido.