Magazine Luiza

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Comunhão - Milton Nascimento - Desafio "uma música por dia"!



Comunhão.

Essa é do início da década de 80. 

Se ontem coloquei o cavaleiro da esperança, essa música é a esperança pura, quase pueril.  

Eu era criancinha, de esperança pueril, quando vi o clipe no fantástico 
(quando criancinha eu via fantástico, santa inocência). 

Escolhi essa música no lugar de coração de estudante, Cruzada, Clube da Esquina II, Nos tempos das Panair ( Milton Nascimento),está representando o clube da esquina, musicas surgidas nas esquinas de BH exportadas para o mundo... 

Recentemente perdemos para um câncer o Fernando Brant, um dos principais nomes da música mineira e do clube da esquina.. 

Essa música é dele...  

Nunca esqueci essa mensagem de esperança... 
A presença no clipe de Tadeu Franco e Simone ao lado do Milton explicam parte do meu fascínio. 

O meu fascínio pelo clube da esquina quando criança me levaram a ler os livros "Os sonhos não envelhecem" de Márcio Borges e “Travessia – A vida de Milton Nascimento” de Maria Dolores. um livro que começou como projeto de conclusão do curso de Comunicação Social - Jornalismo, e que custou quatro anos e meio de trabalho para ser concluído depois da faculdade.

Para aqueles que gostam de música é uma história que vale a pena conhecer... 

Por eu ter visto pela primeira vez quando criança, e por ser uma mensagem de esperança pueril
(também por ter riscado todas as músicas infantis para ficarem só em 9). essa música por tabela também representa Aquarela e Imaginem( Toquinho), Depende de nós ( Ivan Lins) Lindo balão azul(Guilherme Arantes) e Sítio do Pica-Pau amarelo( Gil). 
Eu fui uma criança feliz, olha só quem escrevia músicas para eu ouvir... 
As crianças de hoje tem a palavra cantada e nada mais... 
Ah, está representando também Crescendo II( santa inocência) do Ultraje a rigor, por motivos já explicados.



Comunhão
(Milton Nascimento e Fernando Brant)

Sua barriga me deu a mãe
O pai me deu o seu braço forte
Os seios fartos me deu a mãe
O alimento, a luz, o norte

A vida é boa me diz o pai
A mãe me ensina que ela é bela
O mal não faço eu quero o bem
Na minha casa não entra a solidão

Todo o amor será comunhão
A alegria de pão e o vinho
Você bem pode me dar a mão
Você bem pode me dar carinho

Mulher e homem é o amor
Mais parecido com primavera
É dentro dele que mora a luz
Vida futura no ponto de explodir

Eu quero paz eu não quero guerra
Quero fartura, eu não quero fome
Quero justiça, não quero ódio
Quero a casa de bom tijolo
Quero a rua de gente boa
Quero a chuva na minha roça
Quero o sol na minha cabeça
Quero a vida, não quero a morte não

Quero o sonho, a fantasia
Quero o amor, e a poesia
Quero cantar, quero companhia
Eu quero sempre a utopia
O homem tem de ser comunhão
A vida tem de ser comunhão
O mundo tem de ser comunhão
A alegria do vinho e o pão
O pão e o vinho enfim repartidos

Sua barriga te deu a mãe
Eu pai te dou o meu amor e sorte
Os seios fartos te deu a mãe
O alimento, a luz, o norte

A vida é boa te digo eu
A mãe ensina que ela é sábia
O mal não faço, eu quero o bem
A nossa casa reflete comunhão