Magazine Luiza

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Manual para abandonar o fumo

 

Manual para abandonar o fumo

(do site Dag Vulpi)


Se você é mais um daqueles que está pensando ou tentando deixar o fumo, aqui vão algumas regrinhas de ouro que poderão ajudá-lo a abandonar o vício responsável por mais de 30% das mortes relacionadas ao câncer.


Nem sempre é fácil largar o hábito de fumar, mas sempre é muito bom para a saúde. Alguns benefícios são imediatos; por exemplo: trinta minutos depois de a pessoa fumar o último cigarro; a pressão arterial, o batimento cardíaco e a temperatura corporal já voltam ao normal. Ao final de oito horas; o nível de oxigênio e gás carbônico do sangue começa a se equilibrar, e a chance de se ter um ataque do coração já começa a cair. Algumas semanas depois de ter abandonado o fumo; o olfato e o paladar voltam a funcionar normalmente, e a respiração já se normaliza.

A pessoa que para de fumar sente-se mais energética e o seu risco de desenvolver um ataque cardíaco, após alguns meses, vai cair para menos de 50% do que quando fumava. Depois de 10 anos sem fumar, aquelas pessoas que tinham células pré-cancerosas nos pulmões passam a ter células normais e, após 20 anos de abstinência, passam a ser consideradas não fumantes.

Tentações fundamentais

  • A primeira caneca de café: Mude sua rotina de tomar café longe da mesa.
  • Ao finalizar uma refeição: Em vez de permanecer sentado à mesa levante-se e caminhe.
  • O cônjuge que fuma: Todas as manhãs, lembre-se como é o bom não fumar.
  • Horas que demoram a passar: Faça alguns singelos exercícios abdominais ou faça alguns alongamentos.
  • Um amigo que lhe oferece um cigarro: Conteste que você já é um ex fumante e que pensa assim permanecer. Peça ao amigo para que jamais volte a lhe oferecer cigarros.

Tentações no Trabalho

  • Conversas no corredor: Aproveite para beber um enorme copo com água ou suco.
  • Chamada telefônica de cliente chato: Use uma caneta para rabiscar uma folha de papel ou faça correntinha de clipes.
  • Cafézinho no escritório: Use a colherzinha para mexer seu café como substituto do cigarro.
  • Prazos de entrega impossíveis: Respire profundamente para relaxar. Aspire profundamente e depois lentamente. Repita este exercício dez vezes.
  • Problemas com o chefe: Analise o que deseja da situação. Fumar não lhe ajudará a encontrar a forma de resolver o problema.

Tentações no lar

  • Vendo o programa de TV favorito: Mude de lugar. Sente-se no sofá em vez de seu "cadeirão do papai".
  • Ao falar ao telefone com um amigo: Mantenha suas mãos ocupadas, por exemplo, com a lista telefônica.
  • Crise familiar: Respire profundamente várias vezes. Depois trate de focar-se na solução do problema e não em fumar.
  • Sozinho em casa: Trate de manter-se ocupado. Limpe os armários, recolha o lixo... corte a grama.
  • Após as refeições: Levante da mesa imediatamente e vá escovar os dentes.

Tentações sociais

  • Happy Hour após to serviço: Antes de sair, ensaie mentalmente como se portará como ex fumante. Imagine-se pedindo uma bebida, conversando com os amigos, etc. Fazendo tudo, mas sem fumar.
  • Uma festa: Antes de sair faça um pacto com você mesmo e com algum amigo que não fume.
  • Joguinho de baralho com os amigos: Tenha à mão algum substituto, o misturador de bebida, uma goma de mascar ou um palito de dentes.
  • A primeira reunião familiar após deixar de fumar: Trate de manter suas mãos ocupadas; ofereça-se para ajudar a lavar os pratos ou faça a salada.
  • Recebendo visitas que fumam: Enfoque sua atenção nos objetos que lhe rodeiam, um por um, até que o desejo de fumar passe.

Tentações ao ir de um lugar a outro

  • Indo para o trabalho: Mude a forma de ir ao trabalho. Caminhe em vez de dirigir; vá de ônibus ou use uma rota alternativa.
  • Sozinho no automóvel: Para ajudá-lo a relaxar, escute uma música suave. Os substitutos orais resultam muito úteis como balas ou gomas de mascar.
  • Suas primeiras férias como não fumante: Faça alguma atividade física que distraia sua atenção, caminhe, ande de bicicleta, nade...

Truques que ajudam a fumar menos

  • Comprar uma marca de cigarro que goste menos ou qualquer outra "mata-rato" (se bem que todas matam).
  • Usar piteiras.
  • Espera 5 a 10 minutos antes de acender o cigarro.
  • Lavar as mãos e enxaguar a boca após cada cigarro ajuda ao fumante a perceber como o cigarro é mal cheiroso.
  • Enxaguar a boca, escovar os dentes ou tomar um chá de menta antes de fumar, para mudar o gosto do fumo.
  • Fumar só ao ar livre ou com as janelas abertas.
  • Fumar marcas com baixo teor de nicotina e alcatrão.
  • Não fumar nunca em jejum (é quando mais nicotina se absorve).
  • Guardar o cigarro em lugares onde seja difícil encontrá-lo.
  • Comprar uma carteira por vez.
  • Não agite o cigarro na mão para diminuir sua combustão e para que a nicotina não se acumule.
  • Faça pequenos furos com um alfinete próximo ao filtro de maneira que entre ar e, a cada aspirada, diminua a quantidade de fumaça.
  • Dar menos fumadas em cada cigarro.
  • Atrasar a cada dia meia hora o primeiro cigarro.
  • Apontar diariamente o número de cigarros para estar consciente do quanto fumou.
  • Controlar o número de cigarros diários e fumar um a menos em cada dia.
  • Fumar só a metade do cigarro.
  • Tentar não tragar entre uma fumada e outra.
  • Fixar-se em um número de dias que consegue ficar sem fumar.
  • Não ficar próximo a amigos fumantes.
  • Tomar a decisão de deixar o fumo aproveitando as férias ou durante uma doença - gripe, por exemplo-, quando o fumo é menos apetecível.

Motivos para deixar o fumo:

  • Faça as contas: multiplique o preço do número de carteiras que fuma por dia por 365 e vai notar que poderia pagar uma boa limpeza dentária para limpar este amarelo de seus dentes.
  • Você já fez as contas com o quanto gasta com os fumantes "chupins" (parasitas)?
  • O maldito cheiro que faz qualquer um fugir como o diabo foge da cruz. A maioria dos não fumantes se nega a beijar um fumante, dizem que é como lamber um cinzeiro.
  • Por mais que escove e lave os dentes eles permanecem com aquele amarelo pálido, assim como a unha das mãos com aquela marca amarela do alcatrão.
  • Nenhum drops ou spray disfarça de todo o cheiro do fumo. E sua roupa, ainda que esteja impecável, também manterá a fedentina do cigarro.
  • Você já pensou na quantidade de coisas que está deixando de fazer por causa do fumo? Consegue ainda dar um pique na quadra sem que o ar falte?
  • Consegue ficar mais de um minuto debaixo d'água como fazia na aposta com os amigos na infância?
  • Você está economizando uma boa parcela na conta bancária para custear as doenças que virão numa idade mais avançada decorrentes do seu hábito de fumar?
  • Para muita gente, parar de fumar é extremamente difícil. Mas deveriam pensar em todos os benefícios que isso iria trazer, como saúde, bem estar, economia, além de evitar o incômodo e a doença dos indivíduos próximos que não fumam.
  • E a mais importante de todas, quanto tempo seu amiguinho permanece ereto em cada batalha? Já está dando vexame e deixando sua parceira na mão?
Site http://www.queroparardefumar.com.br


Os Números

Cerca de 200.000 mortes por ano podem ser relacionadas com o tabagismo, no Brasil.

No sistema público de saúde brasileiro, ocorreram, no ano de 2007, um milhão de hospitalizações por doenças que se relacionam com o hábito de fumar.


Os gastos com hospitalizações no SUS, no ano de 2007, com doenças relacionadas ao tabagismo foram superiores a 1,5 bilhões de reais.


 Prevalência do Tabagismo
Prevalência: é o número de casos existentes por determinada condição em determinado período de tempo.
A) No mundo: aproximadamente um terço da população mundial, acima de 15 anos, é composta por fumantes, ou seja, 1,2 bilhões de pessoas.
Estudos científicos revelaram um dado assustador: cerca de 47% dos homens de toda a população mundial e 12% das mulheres são fumantes.
Aproximadamente 2/3 dos fumantes de todo o mundo vivem em 10 países: China, Índia, Indonésia, EUA, Japão, Brasil, Bangladesh, Alemanha e Turquia.
Veja na tabela abaixo a prevalência do tabagismo em alguns países, de acordo com o último relatório da OMS (Organização Mundial de Saúde) sobre a epidemia do tabagismo no mundo:
País Prevalência em adultos
(> 18 anos de idade)
Argentina 29,7%
Bangladesh 36,8%
Brasil 16,2%
China 35,8%
Egito 29,9%
França 29,9%
Alemanha 27,2%
Indonésia 34,5%
Itália 22%
México 18,9%
Coréia do Sul 29,1%
África do Sul 22,4%
Turquia 34,6%
EUA 23,2%
Entre os anos de 2002 e 2006 a OMS patrocinou uma pesquisa com o objetivo de avaliar a prevalência do tabagismo entre adolescentes (13 aos 15 anos de idade), este estudo foi chamado de “Global Youth Tobacco Survey Data”. Esta pesquisa classificou os adolescentes de acordo com o consumo ou exposição ao tabagismo. Questionou sobre o uso de cigarro nos 30 dias anteriores à pesquisa e verificou se alguma pessoa fumou pelo menos um cigarro próximo ao adolescente nos 7 dias anteriores à pesquisa.
Veja os resultados desta pesquisa em alguns países:
Prevalência do tabagismo entre adolescentes (13 aos 15 anos de idade)
País Uso de cigarro nos últimos 30 dias Exposição à fumaça do cigarro nos últimos 7 dias (dentro da residência)
Argentina Meninos: 17,2%
Meninas: 26,8%
61,1%
Brasil (Cidade do Rio de Janeiro) Meninos: 9,1%
Meninas: 12,9%
35%
Chile Meninos: 27,6%
Meninas: 39,2%
60,6%
Colômbia Meninos: 31,0%
Meninas: 33,4%
6,7%
México Meninos: 24,4%
Meninas: 23,2%
51,6%
Estados Unidos Meninos: 13,9%
Meninas: 13,6%
57,2%
B) No Brasil: Estudos estimaram que 32% da população brasileira acima de 15 anos são tabagistas, ou seja, 38 milhões de pessoas.
No período de 2002 a 2005, o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional do Câncer (INCA) realizaram uma pesquisa muito ampla, denominada “Inquérito Domiciliar Sobre Comportamentos de Risco e Morbidade Referida de Doenças e Agravos não Transmissíveis”, que teve como um dos objetivos apurar a prevalência do tabagismo. Esta pesquisa foi desenvolvida em 15 capitais brasileiras e no Distrito Federal.
A prevalência do tabagismo variou de 12,9% a 25,2% nas cidades estudadas. Veja a seguir os resultados de acordo coma cidade avaliada: 


Prevalência do tabagismo de acordo com o sexo e a idade
Cidade Sexo Idade

homens Mulheres 15 aos 24 anos 25 aos 49 anos 50 anos e mais
Manaus 45% 55% 31,5% 52,9% 15,6%
Belém 42,5% 57,5% 30,6% 50,2% 19,2%
Palmas 48,7% 51,3% 34,3% 55,7% 10,1%
São Luiz 43,5% 56,5% 32,6% 50,6% 16,3%
Fortaleza 44,2% 55,8% 28,5% 49,2% 22,2%
Natal 43,5% 56,5% 29,6% 48,9% 21,5%
João Pessoa 40,7% 59,3% 26,5% 51,4% 22,2%
Recife 43,1% 56,9% 24,5% 49,1% 26,4%
Aracaju 41,9% 58,1% 29,5% 50,9% 19,5%
Belo Horizonte 43,7% 56,3% 25,0% 52,6% 22,4%
Vitória 46,0% 54,0% 25,8% 49,1% 25,1%
Rio de Janeiro 40,7% 59,3% 19,9% 48,4% 31,7%
São Paulo 43,4% 56,6% 26,9% 50,7% 22,4%
Curitiba 44,7% 55,3% 24,0% 54,2% 21,8%
Florianópolis 44,5% 55,5% 22,8% 48,6% 28,6%
Porto Alegre 44,3% 55,7% 22,9% 47,5% 29,6%
Campo Grande 44,2% 55,8% 29,6% 47,6% 22,8%
Distrito Federal 43,4% 56,6% 30,0% 52,2% 17,9%
 


Morbidade do Tabagismo
Morbidade: morbidade corresponde ao comprometimento provocado por determinada doença à saúde do paciente. Ela pode ser expressa por vários indicadores, entre eles, o número de consultas médicas, de hospitalizações, de dias ausentes do trabalho etc. Em relação ao tabagismo leva-se em consideração a morbidade das doenças em que o hábito de fumar é uma das causas do seu surgimento.

No Brasil são poucos os dados disponíveis a respeito da morbidade das doenças. Entre eles temos o número de hospitalizações no sistema público de saúde. As doenças que se relacionam com o tabagismo provocaram mais de um milhão de internações no ano de 2007.

Mortalidade: é o número de mortes provocadas por determinada condição em determinado período de tempo. Em relação ao tabagismo, leva-se em consideração as mortes provocadas pelas doenças em que o hábito de fumar é uma das causas do seu surgimento.
A) No mundo: A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que aproximadamente 4,9 milhões de mortes por ano estão relacionadas ao tabagismo, ou seja, 10 mil mortes por dia.
B) No Brasil: No Brasil, acredita-se que cerca de 200 mil mortes por ano podem ser atribuídas ao cigarro.
 
Impacto econômico do tabagismo
Custos: os custos representam os gastos financeiros provocados por determinada doença ou condição. Esses custos podem ser diretos, como os gastos com medicações, hospitalizações, consultas, ou indiretos, como a perda de mão de obra no mercado de trabalho.
No Brasil, as doenças relacionadas com o tabagismo geraram gastos com internações no sistema público brasileiro, no ano de 2007, superior a 1,5 bilhões de reais.
O impacto do tabagismo no mercado de trabalho é enorme:
  • os fumantes faltam ao trabalho 6,5 dias a mais por ano.
  • os fumantes perdem 8% do tempo de trabalho com o ato de fumar.
  • o tabagismo é uma das principais causas de morte precoce no mundo, gerando perda de mão de obra no mercado de trabalho.

Na tentativa de se largar o cigarro, pode ser necessária a participação do médico e sua equipe, bem como o uso de medicações. No entanto, o papel desempenhado pelo paciente será peça chave para o sucesso de tal empreitada.

Assim, é bastante útil a elaboração de um plano para auxiliar o paciente a abandonar o tabagismo. A seguir expomos algumas dicas que serão úteis nessa situação:
1 -     Preparação para parar de fumar
2 -     A ação de parar de fumar
3 -     A manutenção sem o cigarro
4 -     Eu não consegui parar de fumar


1 - Preparação para parar de fumar
A) Motivos
Descubra quais são os motivos que fazem com que você continue fumando:

- "fumar me dá energia, me deixa mais animado", o cigarro realmente exerce um efeito estimulante, porém praticar atividades físicas, ter uma alimentação saudável, ter uma boa noite de sono são medidas que lhe proporcionarão um melhor desempenho nas suas atividades do cotidiano.

- "ter o cigarro em minhas mãos me dá prazer", os rituais que cercam o ato de fumar, como acender o cigarro, levá-lo à boca ou simplesmente segurá-lo tornam-se automáticos para o fumante. Medidas para substituí-los, tais quais segurar uma caneta, chupar balas ou praticar uma atividade manual (pintura, carpintaria, costura), podem ser úteis.

- "fumo porque gosto", se você pensa dessa forma saiba quais são os benefícios ao parar de fumar. (veja em Tratamento do Tabagismo)

- "fumar reduz o meu estresse", lembre-se que existem outras maneiras mais saudáveis de reduzir o estresse, como praticar atividades físicas regularmente, ouvir música, um bom banho, viajar ou ler um livro.

- "estou viciado", a dependência da nicotina pode ser tratada com remédios, não hesite em procurar o médico. (veja em o Tratamento do Tabagismo)

Anote em uma folha de papel os motivos que o levaram a parar de fumar e a deixe bem a vista.
B) Marque a data para parar de fumar- A data deve ser marcada com uma certa antecedência (duas semanas).
- Prefira dias mais tranqüilos.
- Conte para seus familiares e amigos a respeito da decisão.
C) Dias que antecedem a data marcada
- Tente diminuir o número de cigarros fumados.
- Descubra quais são as situações em que a vontade de fumar é maior (exemplos: após o café, ao beber bebidas alcoólicas, quando está ao telefone, etc) e procure evitá-las.
- Retire da casa os produtos relacionados ao tabaco, como cinzeiros e isqueiros.
- Passe a fumar fora de casa, do carro e do ambiente de trabalho. Dessa forma, reduz-se o cheiro de cigarro nesses locais e por conseqüência a tentação para fumar.
- Solicite aos familiares e amigos que não fumem perto de você e nem dentro de casa.
- Se há algum fumante que divide com você o ambiente doméstico, convença-o a interromper o tabagismo, se não for possível peça-o para não fumar dentro de casa.
- Lembre-se dos benefícios que terá ao parar de fumar.
2 - A ação de parar de fumar
- No dia marcado, pare com o cigarro de maneira abrupta.
- Evite as situações que aumentem o desejo de fumar.
- Use a medicação prescrita pelo médico.
- Fuja da rotina e do estresse.
- Para combater a ansiedade pratique atividade física, chupe uma bala.
- Nos momentos em que o desejo pelo cigarro for intenso, a respiração labial pode ser útil: encha o peito de ar bem profundamente, feche os olhos e exale o ar lentamente através dos lábios semicerrados, durante a exalação fique relaxado e procure sentir todas as partes do corpo, repita o processo sempre que preciso.
- Evite locais fechados em que possa haver pessoas fumando.
- Beba bastante água e procure comer alimentos mais leves.
- Lembre-se dos benefícios que terá ao parar de fumar.
- Não hesite em procurar o seu médico.
3 - A manutenção sem o cigarro
- Lembre-se: você é um dependente da nicotina, um único cigarro pode levar ao insucesso do tratamento do tabagismo.
- Mantenha uma vida saudável, continue praticando atividades físicas e se alimentando corretamente, dessa forma, você reduz o ganho de peso.
- Evite a bebida alcoólica.
- Os sintomas de abstinência tendem a desaparecer após 4 semanas, porém se o desejo de fumar surgir realize a respiração labial.
- Lembre- se dos malefícios do cigarro.
- Procure o seu médico sempre que necessário.
4 - Eu não consegui parar de fumar
- Saiba que a maioria das pessoas que abandonaram o tabagismo o fizeram após 3 ou mais tentativas.
- Descubra os motivos porque não parou de fumar.
- Você está mais experiente e tem mais chances de parar na próxima tentativa.
- Procure o seu médico e discuta as opções de tratamento.

1 - Existe tratamento para parar de fumar?
Sim, há tratamento que auxilia o fumante a largar o cigarro. Embora, boa parte dos fumantes consiga abandonar o tabagismo por conta própria, existe uma parcela considerável que irá necessitar de auxílio médico e do uso de remédios para largar o vício.
2 - Por que é importante parar de fumar?
A resposta parece ser óbvia, ou seja, evitar os danos provocados pelo cigarro à saúde. No entanto, muitos fumantes, principalmente os mais jovens, apesar de saberem disso não desejam parar de fumar, alegando que têm uma vida ativa e que o cigarro não interfere em nada. Isso surge em decorrência de o indivíduo só perceber e valorizar os sintomas das doenças provocadas pelo cigarro após anos de exposição ao fumo. A seguir listamos os benefícios obtidos ao abandonar o tabagismo:
- redução das chances de ter câncer;
- redução das chances de ter doenças do coração e respiratórias;
- aumento da expectativa de vida (as chances de um fumante viver até os 73 anos são de 42%, contra 78% dos não fumantes);
- melhora do desempenho físico e sexual;
- melhora do paladar;
- melhora do olfato;
- melhora do hálito;
- economia por não comprar cigarros;
- bom exemplo para as crianças.
3 - Para o paciente que fuma há muitos anos, há, ainda, benefícios ao parar de fumar?
Sempre haverá benefícios ao parar de fumar, mesmo para aquele paciente que fuma há muitos anos ou que tem idade avançada. Esse ganho se dará em termos de uma vida mais saudável, com menos chances de adoecer.

Como exemplo, podemos citar que:

- após 2 a 12 semanas de abandono do fumo, há melhora da circulação sangüínea;
- após 1 a 9 meses de abandono do fumo, há redução da tosse e das infecções respiratórias;
- após 1 ano de abandono do tabagismo, há redução de 50% no risco de infarto e angina;
- após 10 anos de abandono do cigarro, o risco de morte por infarto torna-se igual ao de uma pessoa que nunca fumou.
4 - Qual o papel do paciente no tratamento do tabagismo?
É fundamental o papel do paciente no tratamento do tabagismo. Para que ocorra sucesso é necessário que o indivíduo esteja predisposto a parar de fumar e discuta abertamente com o médico as suas expectativas, suas angústias e as opções terapêuticas que podem ser empregadas.

Além disso, deve haver envolvimento de toda a família no auxílio ao paciente, incentivando-o e afastando-o das situações em que ele habitualmente fumava (bebidas alcoólicas, estresse, ambientes com fumantes etc).
5 - Quais são as medicações utilizadas no tratamento do tabagismo?
Atualmente, há três tipos de terapia medicamentosa para o tratamento do tabagismo:
  • Terapia de reposição de nicotina
  • Bupropiona
  • Vareniclina
6 - Qual o tipo de fumante que necessitará de remédios para abandonar o cigarro?
Não são todos os fumantes que precisarão de medicações para largar o cigarro. Geralmente, serão aqueles que fumam há mais tempo, fumam uma maior quantidade de cigarros por dia ou que já tentaram parar e não conseguiram, ou seja, aqueles que possuem maior dependência do cigarro. No entanto, qualquer fumante pode procurar auxílio médico para largar o cigarro. Pacientes com 5 ou mais pontos na escala de dependência precisarão de medicamentos para abandonar o tabagismo.
Teste sua dependência ao cigarro em "Qual a sua dependência ao cigarro?"
7 - Por que a nicotina é utilizada no tratamento do tabagismo?
Como foi visto anteriormente, a dependência da nicotina é a principal causa de manutenção do hábito de fumar. Quando o indivíduo fica sem fumar um certo período tempo, os níveis de nicotina no sangue caem. Tal fato é detectado pelo cérebro que prontamente reage "solicitando" mais nicotina. Surge, então, a síndrome de abstinência e a pessoa acaba fumando para aliviar os seus sintomas. Assim, utiliza-se preparados de nicotina com objetivo de manter as concentrações da substância no sangue em níveis semelhantes àquelas obtidos com o cigarro.
8 - Quais são as formas utilizadas para se administrar nicotina?
A terapia de reposição de nicotina pode ser administrada das seguintes formas
9 - Como são usados os adesivos de nicotina?
Primeiramente, é importante destacar que a terapia de reposição de nicotina não é uma terapia milagrosa, é preciso que o indivíduo esteja preparado e motivado a parar de fumar. Os adesivos, bem como as outras formas de reposição de nicotina, dobram as chances do indivíduo manter-se sem o cigarro. No dia marcado para interromper com o cigarro, os adesivos de nicotina começam a ser empregados.

Eles são colocados sobre a pele, em local desprovido de pêlos, promovendo a liberação lenta e constante da nicotina. O adesivo deve ser trocado a cada 24 horas e deve-se evitar colocá-lo no mesmo local que estava anteriormente. Eles não impedem que o indivíduo pratique atividade esportiva.

Existem adesivos com diferentes dosagens de nicotina (10, 20 ou 30mg). A dosagem ideal é determinada pelo médico, de acordo com o grau de dependência do fumante. O tempo ideal de uso do adesivo, bem como de qualquer forma de reposição de nicotina não está bem estabelecido, podendo variar de 4 a 16 semanas, de acordo com a resposta do paciente.
10 - Como são usados os chicletes de nicotina?
Ela é usada pelo fumante nos momentos em que surge o desejo de fumar ou os sintomas de abstinência do cigarro. O tablete é colocado na boca e mastigado até que se sinta o gosto amargo da nicotina ou formigamento na boca. Neste momento a nicotina está sendo liberada e o fumante deve parar de mastigar e acomodar o chiclete entre a gengiva e a bochecha. Quando o sabor ou o formigamento desaparece, deve-se voltar a mastigar o tablete até sentir o mesmo efeito. Este procedimento deve ser repetido por até 30 minutos, quando o chiclete é desprezado.

O chiclete pode ser utilizado de acordo com a necessidade ou a cada 1 ou 2 horas. Além disso, é preciso evitar o uso de bebidas durante o processo, pois os líquidos podem diminuir a absorção da nicotina na cavidade bucal, reduzindo a sua eficácia.

A goma de mascar é encontrada nas doses de 2 e 4mg, que será escolhida de acordo com o grau de dependência indivíduo.