Magazine Luiza

quarta-feira, 2 de março de 2016

Melhores imagens do dia "Feliz sem Globo" (#felizsemglobo)

Dia 29 de fevereiro. Dia extra no ano bissexto. 
Um dia a mais para você sentar na frente da televisão e descansar... 

OPA! Muita gente não gosta de sentar e descansar na frente da televisão, principalmente se o canal sintonizado for a Globo, emissora de maior audiência do país.

Esse montão de gente combinou nas redes sociais que iriam aproveitar esse dia a mais no ano para gritar a todos que não estão satisfeitos com a principal fonte de informações no Brasil.

Aliás, re-escrevendo a frase: Estão muito felizes por não usarem essa principal fonte de informações no Brasil. 

Eles estão Felizes sem Globo. 

Não são poucos. No Brasil foi o segundo assunto mais discutido, perdendo só para o astro americano Leonardo di Cáprio, que na véspera ganhou (finalmente) um óscar de melhor ator do ano de 2015. 

Eu participei do movimento, estou sem Globo já a muitos anos (para não falarem que estou mentindo, eu acompanho o futebol da Globo quando não tenho alternativas...) e me diverti muito com várias fotos, algumas sérias outras nem tanto(acredito eu que me diverti muito mais do que se ficasse vendo Zorra Total), mas todas um um fundo de verdade, um assunto por trás...

Vou colocar aqui as melhores imagens do dia  "Feliz sem Globo", e em alguns casos, vou colocar o Link do "Especial: É tudo um assunto só", que conta a história que motivou a piada, ou a charge ou a imagem...

Para você que ainda assiste a Globo poder rir também...

===========ATUALIZAÇÃO=======================

Depois das imagens coloquei uma briga iniciada após a votação(show de horrores) do domingo dia 17/04/2016 entre a Globo e dois jornalistas, um americano e um brasileiro... Belíssima história...
























Acompanhando a Operação Zelotes!


Acompanhando a Operação Zelotes II - Globo (RBS) e Dantas empacam as investigações! Entrevista com o procurador Frederico Paiva.


Acompanhando a Operação Zelotes III - Aberto a CPI do CARF - Vamos acompanhar!! 

Acompanhando a Operação Zelotes IV (CPI do CARF) - Apresentação da Polícia Federal, Explicação do Presidente do CARF e a denuncia do Ministério Público.

Acompanhando a Operação Zelotes V (CPI do CARF) - Vamos inverter a lógica das investigações?


Acompanhando a Operação Zelotes VI (CPI do CARF) - Silêncio, erro da polícia e acusado inocente depõe na 5ª reunião da CPI do CARF.


Acompanhando a Operação Zelotes VII (CPI do CARF) - Vamos começar a comparar as reportagens das revistas com as investigações...


Acompanhando a Operação Zelotes VIII (CPI do CARF) - Tem futebol no CARF também!...

Acompanhando a Operação Zelotes IX (CPI do CARF): R$1,4 Trilhões + R$0,6 Trilhões = R$2,0Trilhões. Sabe do que eu estou falando?

Acompanhando a Operação Zelotes X (CPI do CARF): No meio do silêncio, dois tucanos batem bico...

Acompanhando a Operação Zelotes XI (CPI do CARF): Tarólogo bocudo dá corpo à versão da Veja.

Acompanhando a Operação Zelotes XII (CPI do CARF): Nem tudo é igual quando se pensa em como tudo deveria ser...

Acompanhando a Operação Zelotes XIII (CPI do CARF): APS fica calado. Meigan Sack fala um pouquinho. O Estadão está um passo a frente da comissão? 

Acompanhando a Operação Zelotes XIV (CPI do CARF): Para de tumultuar, Estadão!

Acompanhando a Operação Zelotes XV (CPI do CARF): Juliano? Que Juliano que é esse? E esse Tio?



Acompanhando a Operação Zelotes XVI (CPI do CARF): Senhoras e senhores, Que comece o espetáculo!! ("Operação filhos de Odin")

Acompanhando a Operação Zelotes XVII (CPI do CARF): Trechos interessantes dos documentos sigilosos e vazados.

Acompanhando a Operação Zelotes XVIII (CPI do CARF): Esboço do relatório final - Ainda terão mais sugestões...

Seminário Nacional - Não queremos nada radical: somente o que está na constituição.




Comentários políticos com Bob Fernandes(Essas são sobre a tarja preta no nome do José Serra e o e-mail de uma editora da Globo perguntando se queria tirar o nome do FHC).  




















O Mercado de notícias - Filme/Projeto do gaúcho Jorge Furtado




Quem inventou o Brasil: Livro/Projeto de Franklin Martins (O ex-guerrilheiro ouve música)






O tempo passa... O tempo voa... E a memória do brasileiro continua uma m#rd*



Acompanhando o Caso HSBC I - Saiu a listagem mais esperadas: Os Políticos que estão nos arquivos.


Acompanhando o Caso HSBC II - Com a palavra os primeiros jornalistas que puseram as mãos na listagem.


Acompanhando o Caso HSBC III - Explicações da COAF, Receita federal e Banco Central.


Acompanhando o Caso HSBC IV - Em pleno domingo de páscoa, o ovo que todos queríamos ver... 


Acompanhando o Caso HSBC V - Defina: O que é um paraíso fiscal? Eles estão ligados a que países?


Acompanhando o Caso HSBC VI - Pausa para avisar aos bandidos: "Estamos atrás de vocês!"...  


Acompanhando o Caso HSBC VII - Crime de evasão de divisa será a saída para a Punição e a repatriação dos recursos 


Acompanhando o Caso HSBC VIII - Explicações do presidente do banco HSBC no Brasil


Acompanhando o Caso HSBC IX  - A CPI sangra de morte e está agonizando...


Acompanhando o Caso HSBC X - Hervé Falciani desnuda "Modus-Operandis" da Lavagem de dinheiro da corrupção.




As histórias do ex-marido da Patrícia Pillar (Ceará...)




























As empresas da Lava-jato = Os Verdadeiros proprietários do Brasil = Os Verdadeiros proprietários da mídia.




Escândalo da Petrobrás! Só tem ladrão! O valor de suas ações caíram 60%!! Onde está a verdade?










Comissão Nacional da Verdade - A história sendo escrita (pela primeira vez) por completo.



Luiz Carlos Prestes: Coluna, Olga, PCB, prisão, ALN, ilegalidade, guerra fria... Introdução ao Golpe de 64.



Dossiê Jango - Faz você lembrar de alguma coisa?




A prisão do Marin: FBI, DARF, GLOBO, CBF, PIG, MPF, PF... império Global da CBF... A sonegação do PIG... É Tudo um assunto só!!



KKK Lembra daquele desenho da motinha?! Kajuru, Kfouri, Kalil:Eu te disse! Eu te disse! Mas eu te disse! Eu te disse! K K K


Do apagão do futebol ao apagão da política: o Sistema é o mesmo


Acompanhando a CPI do Futebol - Será lúdico... mas espero que seja sério...


Acompanhando a CPI do Futebol II - As investigações anteriores valerão!


Acompanhando a CPI do Futebol III - Está escancarado: É tudo um assunto só! 


Acompanhando a CPI do Futebol IV - Proposta do nobre senador: Que tal ficarmos só no futebol e esquecermos esse negócio de lavagem de dinheiro?! 



Acompanhando a CPI do Futebol V - Andrew Jennings implora: "Dont give up"! (Não desistam)!


Acompanhando a CPI do Futebol VI - O Romário é centro-avante ou um juiz?! 

Acompanhando a CPI do Futebol VII - Uma questão de opinião: Ligas ou federações?! 

Acompanhando a CPI do Futebol IX - Os presidentes de federações fazem sua defesa em meio ao nascimento da Liga... 




Acompanhando a CPI do Futebol X - A primeira Liga começa hoje... um natimorto...


Acompanhando a CPI do Futebol VIII - Eurico Miranda declara: "A modernização e a profissionalização é algo terrível"!



A dívida pública brasileira - Quem quer conversar sobre isso?





A WikiLeaks (no Brasil: A Publica) - Os EUA acompanhando a Ditadura Brasileira.


===================================================================


Se você é esperto, tem habilidades e possui os meios, você deve f**** os poderosos.

A frase acima como que resume o jornalista americano Glenn Greenwald, 49 anos. Ele a pronunciou no curso de uma entrevista que concedeu à revista americana The Advocate, dedicada à comunidade gay.

Greenwald foi capa da revista, mas não foi apenas ele o objeto do texto. Também seu parceiro, o ativista brasileiro David Miranda, mereceu um amplo espaço da Advocate.

O casal acaba de fazer história no jornalismo brasileiro. Ambos foram decisivos em mostrar ao mundo que, sim, é um golpe. Não bastasse isso, expuseram para audiências internacionais a “mídia plutocrática” – expressão deles mesmos – como jamais ocorrera antes.

Dois artigos de Miranda foram particularmente devastadores para a Globo. Um foi publicado no Guardian, jornal de centro esquerda britânico no qual Greenwald foi até pouco tempo colunista. O outro saiu no Intercept, o site de Greenwald montado com dinheiro do bilionário fundador do E-bay.

O artigo do Guardian doeu tanto na Globo que João Roberto Marinho se sentiu na obrigação de responder numa réplica que não convenceu ninguém.

A virtude involuntária da reação de JRM foi provocar uma tréplica sensacional de Miranda. Fora de sites independentes como o DCM, nunca um retrato tão veraz e tão acachapante da Globo foi publicado – tanto em inglês quanto em português.

Tudo somado, Greenwald e Miranda prestaram um formidável serviço à democracia e às causas progressistas no Brasil.

Eles moram numa casa espaçosa na Gávea. Têm dez cachorros, a maior parte dos quais vira-latas recolhidos nas ruas do Rio.

Conheceram-se no Rio em 2005. Segundo Greenwald, foi amor à primeira vista.

Greenwald contou à Advocate que lia na praia no primeiro de dois meses de férias no Rio. Miranda jogava vôlei ali perto. Uma bola perdida foi dar em Greenwald e Miranda foi buscá-la. “Oi, meu nome é Glenn”, disse ele.

Nunca mais se largaram. O amor deve ter gritado alto porque nem Greenwald falava português e nem Miranda inglês.

Greenwald, advogado de formação, começava a se encaminhar para o jornalismo. Miranda tivera uma vida bem mais dura. Filho de mãe prostituta, ficou órfão cedo, e passou por mais de uma tia bêbada.

Pode-se imaginar o que Greenwald representou para Miranda, que tinha 20 anos quando eles se encontraram. O garoto da favela se tornou um cidadão do mundo.

Greenwald faz questão de dizer também o que Miranda significou para ele. Foi, afirma, vital para sua travessia rumo ao jornalismo.

O casal optou pelo Brasil por causa dos direitos concedidos no país às uniões entre homossexuais.

Mas aparentemente não é mais o que os retém aqui, dados os avanços na legislação americana na questão de uniões entre gays.

“O Rio é o melhor lugar do mundo”, disse Greenwald à Advocate. O casal pensa agora num filho.

Não é exagero dizer que a decisão deles de ficar no Rio acabou sendo extremamente favorável ao Brasil.

Greenwald acabou mergulhando nas coisas do país. Pôde ver o quanto a mídia nacional é parcial. Numa entrevista que ele fez com Lula, num certo momento ele confessa estar “chocado” com a imprensa brasileira, sobretudo a Globo.

Diz nunca ter visto nada parecido nem nos Estados Unidos e nem no Reino Unido, lugares em que militou no jornalismo.

A Globo não poderia ter um inimigo pior. Respeitado mundialmente entre os jornalistas, detentor do prêmio Pulitzer, o mais importante da mídia, Greenwald é um exército de um homem só. Greenwald é referência internacional em jornalismo, e a Globo não é nada fora do Brasil. Golias, neste caso, não pode nada contra Davi.

A vida no Brasil deu a Greenwald elementos para desmascarar o golpe perante o mundo com petardos como uma entrevista que concedeu à CNN. Miranda daria também sua contribuição milionária à causa com seus textos no Guardian e no Intercept.

Mas, acima de tudo, o Brasil deu muito material para Greenwald seguir seu motto: usar sua inteligência, suas habilidades e seus meios para “f*** os poderosos”, a começar pelos Marinhos e a Globo.


Greenwald, Miranda e os cães em sua casa na Gávea: os poderosos que se cuidem 


Guardian dá outra sova em Marinho

Respeitado jornal inglês trata a Globo como é: Golpista !

A partir do The intercept:

JOÃO ROBERTO MARINHO ME ATACOU NO GUARDIAN E TENTOU ENGANAR O MUNDO. EIS MINHA RESPOSTA


David Miranda


O que o mais poderoso homem do Brasil, o herdeiro bilionário do império das organizações Globo, João Roberto Marinho, estava fazendo nos comentários do Guardian? É verdade, seu comentário recebeu um cobiçado tag de ‘recomendado’ pelos editores do Guardian – parabéns, João! – mas ainda assim, não é o lugar onde se espera encontrar o multi-bilionário plutocrata hereditário brasileiro.

Na dia 21 de Abril, publiquei um artigo no The Guardian, no qual abordava questões sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e o papel da mídia dominante do Brasil, protagonizado pela Globo. João respondeu com raiva – e com óbvias mentiras. Os editores do Guardian puseram seu texto na seção de comentários. Vejam só, João critica meu artigo e me chama de mentiroso em alguns trechos de sua resposta.

Olha, João, como quase todos os brasileiros, eu tive que lutar bastante para ganhar meu espaço. Não herdei uma grande empresa  e alguns bilhões dos meus pais. As coisas que tive que superar na minha vida foram muito mais duras do que seu esforço para me desqualificar com condescendência, e não é difícil demonstrar que sua resposta está cheia de falsidades.

De fato, a resposta de João merece mais atenção do que um mero comentário porque ela está recheada de propaganda enganosa e de falsidades pró-impeachment – exatamente o que ele tenta negar que a Globo esteja fazendo – e portanto revela uma grande coisa (Hoje, o comentário dele foi atualizado para uma carta).

Antes de entrar naquilo que João realmente fala, vamos começar com algo que ele não menciona: o histórico papel da Globo no Brasil. Sob o comando de seu pai, a Globo saudou e glorificou o golpe civil militar que removeu um governo de esquerda e democraticamente eleito no país. Ainda pior, passaram os 20 anos seguintes como o grande meio de propaganda da brutal ditadura militar que torturou e matou dissidentes e suprimiu toda e qualquer opinião divergente. Em 1984, a Globo simplesmente mentiu para o país quando descreveu um enorme protesto pró-democracia em São Paulo como uma festa pelo aniversário da cidade. A riqueza e o poder da família Marinho cresceram como resultado direto de sua servidão aos militares ditadores do Brasil.

No momento em que os protestos anti-governo explodiram, em 2013, já havia um amplo consenso entre os brasileiros a respeito do golpe militar, e a história da Globo se tornou um enorme constrangimento corporativo. Então, fizeram o que toda corporação faz uma vez que sua má conduta se volta contra sua marca: finalmente reconheceram o que fizeram e – quase meio século depois – pediram desculpas. Mas tentaram diluir sua responsabilidade dizendo – acertadamente – que outras organizações de mídia que ainda dominam o Brasil e que têm sido tão apoiadoras do Impeachment quanto a Globo (como Estadão e Folha) também apoiaram o golpe. Tentavam diminuir o apoio da Globo não só ao golpe mas também aos 20 anos de ditadura que se seguiram.

Essa é a infame história da Globo e da família Marinho no Brasil, uma de suas principais fontes de riqueza e poder, e um reflexo do papel que continuam a desempenhar – eles e suas bem pagas personalidades de TV. Essa não é a conduta de uma organização de mídia genuína. É a conduta de uma família oligárquica usando seus meios de comunicação para moldar e manipular a opinião pública em favor de seus interesses. Passemos agora ao comentário de João:

O artigo do Sr. David Miranda (“A verdadeira razão dos inimigos de Dilma Rousseff quererem cassá-la”, de 21 de abril, publicado pelo The Guardian) pinta uma falsa imagem do que está acontecendo no Brasil hoje. Ele não menciona que tudo começou com uma investigação (chamada Operação Lava-Jato), que por sua vez revelou o maior esquema de suborno e corrupção na história do país, envolvendo os principais membros do Partido dos Trabalhadores (PT), assim como líderes de outros partidos da coalizão do governo, funcionários públicos e magnatas dos negócios.

O que é completamente “falso” é a tentative de João de levar os leitores a acreditarem que a Lava Jato é o que está por trás do impeachment de Dilma. É verdade que o PT, como a maioria dos grandes partidos, se mostrou repleto de enormes problemas de corrupção, e que muitas de suas figuras estão implicadas na Lava Jato. O caso jurídico para o impeachment não está, no entanto, baseado em nada daquilo, mas em argumentos de que ela manipulou o orçamento público para fazê-lo parecer mais forte do que realmente era.

A enganosa tentativa de João de confundir o público estrangeiro misturando a operação Lava Jato com o impeachment de Dilma exemplifica perfeitamente o tipo de fraude e o viés pró-impeachment que a Globo vem disseminando institucionalmente por mais de um ano.

Além disso, as figuras políticas que a Globo vem cortejando, e que serão aqueles implantados pelo impeachment – incluindo o Vice Presidente Michel Temer e o Presidente da Câmara Eduardo Cunha, ambos do PMBD – são, ao contrário de Dilma, acusados de graves atos de corrupção pessoal, provando que, quando pessoas como João citam a corrupção para justificar o impeachment, esse é um mero pretexto para remover, antidemocraticamente, a líder que eles repudiam e instalar aqueles de sua predileção.

A imprensa brasileira em geral, e o Grupo Globo, em particular, cumpriram o seu dever de informar sobretudo, como teria sido o caso em qualquer outra democracia no mundo. Vamos continuar a fazer o nosso trabalho, não importa quem possa ser afetado pela investigação.

A sugestão de que a Globo é uma organização de notícias neutra e imparcial – ao invés de principal braço de propaganda da oligarquia brasileira – é cômica para qualquer um que já tenha assistido a seus programas. A rigor, a parcialidade da Globo, e em particular de seu principal show noturno de notícias, o Jornal Nacional, tem sido tão escancarada que se tornou uma fonte inesgotável de piadas. Essa é uma razão pela qual os manifestantes pró-democracia escolheram os edifícios das organizações Globo como alvos.

Quase três décadas depois, foram forçados a se desculpar publicamente por seu papel no apoio ao golpe e à ditadura que protegeram os ricos do país às custas de todos os outros. Mas as organizações continuam sob o comando da mesma família, com as mesmas táticas e os mesmos objetivos.

Precisamente para evitar qualquer acusação de incitar manifestações de massa – como o Sr. Miranda agora nos acusa – o Grupo Globo cobriu os protestos sem nunca anunciar ou dar parecer sobre eles em seus canais de notícias antes de acontecerem. Globo tomou medidas iguais sobre comícios para a presidente Dilma Rousseff e contra o impeachment: ela cobriu todos, sem mencioná-los antes deles realmente ocorrem, concedendo-lhes o mesmo espaço que foi dado aos protestos anti-Dilma. Quando o processo de impeachment começou na Câmara “Baixa” do Congresso, alocamos igual tempo e espaço para a defesa e acusação.

Que as corporações de mídia dominantes no Brasil são braços de propaganda de direita dos ricos não está em discussão. O universalmente respeitado grupo Repórteres sem Fronteiras acabaram de mostrar o Brasil em 104° lugar no ranking de liberdade de imprensa, explicando que isso se deve, em grande parte, ao fato de que a mídia no país é dominada e controlada por um pequeno número de famílias muito ricas:

De maneira pouco velada, o principal grupo de mídia nacional exortou o público a ajudar na derrubada da Presidenta Dilma Roussef. Os jornalistas que trabalham para esses grupos de mídia estão claramente sujeitos à influência dos interesses privados e partidários, e esse permanente conflito de interesses ocorre em claro detrimento da qualidade de seu jornalismo.

Jornalistas estrangeiros residentes no Brasil frequentemente apontam para o fato de que as principais organizações de mídia brasileiras são o oposto de neutras e imparciais. Stephanie Nolan, repórter do Canadense Globe and Mail baseada no Rio, escreveu no mês passado sobre uma coluna da revista Veja, que classificou como uma ”revista distribuída nacionalmente e que se inclina, como a maioria da mídia brasileira, para a direita.” Alex Cuadros, jornalista americano há muito tempo residente no Brasil, observou: “os principais meios de comunicação se inclinam politicamente para a direita, e sua cobertura frequentemente reflete isso.” Disse ainda: “Há muito pouca crítica da mídia no Brasil que não seja descaradamente partidária, então as grandes revistas podem distorcer os fatos sem grande medo de censura.”

O colunista da Folha, Celso Rocha de Barros, documentou como a mídia dominante no Brasil tem obsessão por notícias de corrupção relacionadas ao PT enquanto minimizam ou ignoram notícias igualmente chocantes sobre líderes da oposição de sua predileção. A Globo, por exemplo, visivelmente enterrou as notícias sobre a lista da Odebrecht. Um de seus comentaristas, Arnaldo Jabor, chegou a insinuar que se tratava de uma conspiração do governo.

Compare, por exemplo, os 14 minutos melodramaticamente gastos pelo Jornal Nacional reencenando as ligações de Lula como se fossem uma novela aos 2 minutos e 23 segundos que dedicou à lista da Odebrecht. Nem nenhum dos dois casos a ilegalidade estava expressa, como foi a justificativa para a não divulgação da lista da Odebrecht. Em ambos os casos, portanto,  a investigação da PF deveria ter sido aguardada – dois pesos, duas medidas.

Por mais de um ano, uma capa atrás da outra, a revista Época usou imagens manipuladoras e detratoras para incitar o público a apoiar o impeachment. O Twitter das estrelas da Globo – do jornalismo e do entretenimento – estão cheios de propaganda cotidiana a favor do impeachment. Mesmo quando o Jornal Nacional tenta negar que está colocando grande peso a favor dos protestos pelo impeachment, não funciona: glorificam esses protestos e dão a eles muito mais tempo do que os protestos opostos.

Não há nada inerentemente errado com uma mídia partidária e ativista. Todas estas organizações têm jornalistas competentes trabalhando para elas, e fazem boas reportagens, mesmo sobre este sério escândalo de corrupção. Mas o que está errado é enganar o público dizendo a ele o que todos sabem ser falso: que a Globo e outras grandes organizações são neutras e livres de opinião, que são meros observadores dos eventos políticos ao invés de seus privilegiados agentes.

O Grupo Globo não apoiou o impeachment em editoriais. Ele simplesmente declarou que, independentemente do resultado, tudo tinha de ser conduzido de acordo com a Constituição, que na verdade tem sido o caso até agora.

João insiste que a Globo não tem posição editorial a respeito do impeachment, e então – na mesma sentença! – passa a justificar o impeachment como perfeitamente legal e constitucional, um debate que está em acirrada disputa entre juristas.

O Supremo Tribunal Federal – onde oito dos onze juízes foram nomeados pelas administrações do PT presidentes Lula e Dilma – aprovou todo o processo.

De fato, a Suprema Corte ainda não julgou se as acusações contra Dilma justificam ou não o impeachment perante a Constituição, e há muitos peritos que acreditam – contra o que pensa o João – que não. Um ex-membro desse tribunal, que supervisionou a acusação de autoridades do PT pelo escândalo do mensalão, o juiz Joaquim Barbosa, disse na semana passada que “sente um ‘mal estar’ com a fundamentação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e que a alegação ‘é fraca e causa desconforto.’”

Claro, é permitido que João discorde do ex-Ministro Barbosa, mas ele tem que parar de fingir que não está apoiando vigorosamente o impeachment. Tudo o que João escreveu mostra isso.

Por último, a afirmação de que o Grupo Globo pauta a mídia nacional, especialmente vindo de um cidadão brasileiro, só pode ser feita de má fé. A imprensa brasileira é uma paisagem vasta e plural de várias organizações independentes, 784 jornais diários impressos, 4.626 estações de rádio, 5 redes nacionais de transmissão de televisão, 216 canais a cabo pagos e outra infinidade de sites de notícias. Todo mundo compete com grande zelo pelo o público brasileiro, que por sua vez é livre para fazer suas escolhas. Entre os concorrentes fortes, o que se encontra é a independência, sem qualquer tolerância para ser conduzido.

A única “ma fé” é a tentativa de João de negar o domínio de seus próprios meios de comunicação. Em junho de 2014, The Economist publicou um artigo sobre a Globo. A manchete? “Domínio da Globo.” A reportagem mostrava que “não menos de 91 milhões de pessoas, quase a metade da população, sintonizam a TV todos os dias: o tipo de audiência que, nos Estados Unidos, acontece uma vez por ano” – no Super Bowl. Em suma, “a Globo é certamente a empresa mais poderosa do Brasil, dado seu alcance de tantos lares.”

Muitos dos meios citados por João são de propriedade da Globo e sua irmã plutocrática, a Abril. The Economist explicou: “A Globo têm estações de TV paga, revistas, rádios, produção de filmes e jornais como parte de seu império.” Como resultado, “críticas são afastadas pela fatia de publicidade e audiência da empresa. Ela controla tudo, desde o acesso dos brasileiros às notícias até as taxas de mercado para os salários dos jornalistas.”

Como a colunista Vanessa Barbara apontou, no ano passado, no The New York Times: “Em todo lugar que vou há uma televisão ligada, em geral na Globo, e todos estão olhando hipnoticamente para ela.” Disse também: “sendo a maior empresa de mídia da América Latina, a Globo pode exercer considerável influência em nossa política.”

Que a Globo desempenha um papel dominante na opinião pública está provado pelos dados, mas também pelas ações governamentais. Sob Lula e Dilma, o governo brasileiro despejou bilhões de dólares em dinheiro dos contribuintes para a gigante de mídia.

É verdade que a Globo não detém todos os meios de comunicação influentes. Há uma pequena quantidade de outras famílias bilionárias que são donas de quase todo o resto.

Quando os Repórteres sem Fronteiras publicaram semana passada seu Ranking de Liberdade de Imprensa de 2016, e o Brasil apareceu em 103°lugar, eles destacavam a violência contra jornalistas e também outro fato importante: “A propriedade dos meios de comunicação continua muito concentrada, especialmente nas mãos de grandes famílias ligadas à indústria que são, muitas vezes, próximas da classe política.”

Não é só a propriedade da mídia que carece de diversidade, mas também aqueles que eles contratam para trabalhar. Como a Folha documentou no ano passado, “de 555 colunistas e blogueiros de 8 veículos da imprensa (Folha, O Estadao de S. Paulo, O Globo, Epoca, Veja, G1, UOL e R7), 6 são negros. Também por isso o debate sobre racismo ocorre longe da maioria da população a quem, no dia a dia, ele não afeta ou interesse.” É claro que essa enorme disparidade molda a cobertura da mídia de maneira geral.

É verdade que a internet está ameaçando o domínio da Globo. As mídias sociais pormitiram aos brasileiros compartilhar informação por fora do império global, e agora podemos ler artigos e jornais estrangeiros (como o The Guardian) que fornecem informação que ultrapassa muito os estreitos limites de opinião permitidos pela Globo, Abril/Veja e Estadão.

É precisamente por isso que João está combatendo artigos como os meus em jornais estrangeiros: porque ele tem medo do que acontecerá se ele perder o controle do fluxo de informação que os brasileiros recebem. Como a família Marinho sabe desde a década de 90, quando Roberto Marinho conseguiu fazer um tribunal brasileiro barrar a transmissão de um filme extremamente crítico à Globo (“Além do Cidadão Kane”: disponível abaixo) e o tornou viral, a internet ameaça o monopólio da Globo sobre as notícias e a opinião pública. É por isso que estão furiosos. É também por isso – como explico nesse vídeo – que é tão vital proteger e salvaguardar o livre acesso à internet.

(*****
Esse vídeo “Além do Cidadão Kane”
eu já tinha postado aqui: Meias verdades (Democratização da mídia) 
Se quiser ver é um dos últimos do post. 
****)

Transcrevo, sem tirar nem por, a entrevista de Lula a Glenn Greenwald , o jornalista que ficou mundialmente famoso com a revelação, no The Guardian, do escândalo de espionagem norte-americano de espionagem de pessoas e governos mundo afora. Foi publicada no site The Intercept e a copio aqui, com a abertura escrita por Glenn.

Entrevista Exclusiva de Glenn Greenwald com ex-Presidente Lula

A trajetória de vida do ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio “Lula” da Silva, é extraordinária. Nascido em extrema pobreza, Lula deixou a presidência em 2010, após exercer dois mandatos, com uma aprovação popular de 86%, sem precedentes, provavelmente destinado a desfrutar de um respeito quase universal no cenário do mundo e a ser lembrado como um dos maiores estadistas da História moderna. De forma similar ao caminho pós-governo seguido por Tony Blair e Bill e Hillary Clinton, Lula, desde o término de seu mandato, tem agregado um grande poder pessoal por meio de seus discursos e prestado serviços de consultoria a potências globais. O partido de esquerda moderada co-fundado por ele, Partido dos Trabalhadores (PT), já controla a presidência por quatorze anos consecutivos.


Apesar disso, todo o legado de Lula agora está seriamente ameaçado. Um grave escândalo de corrupção envolvendo a empresa estatal petroleira do país, Petrobras, está inundando a elite econômica e política do Brasil, com o PT no centro de tudo isso. Protegida de Lula e sua sucessora escolhida a dedo, a ex-guerrilheira marxista e atual presidente Dilma Rousseff enfrenta uma ameaça real de impeachment (agora apoiado pela maioria dos brasileiros) e sua impopularidade, devido a uma recessão severa e difícil de tratar. Membros da alta cúpula do PT foram presos. Protestos de rua em massa, a favor ou contra o impeachment, se tornaram violentos recentemente, com agressões físicas cada vez mais comuns entre os manifestantes.

O próprio ex-presidente Lula foi citado na investigação criminal, levado coercitivamente pela Polícia Federal para interrogatório, acusado pelo ex-líder de seu partido no Senado de “comandar” um grande esquema de propinas e negociatas, foi alvo de grampos telefônicos feitos por investigadores que as gravações de suas conversas e acusado formalmente de receber e manter em presentes indevidos (incluindo uma sítio). Como resultado, seu índice de aprovação no Brasil caiu num primeiro momento, mas pesquisa divulgada ontem pelo Jornal Folha de S. Paulo revela que Lula divide com a ex-senadora Marina Silva (Rede) a liderança na corrida eleitoral para a presidência em 2018.

Graças ao forte apoio da maioria pobre da população brasileira, no cenário apresentado para 2018 Lula prevalece sobre outros políticos de destaque (os quais, em sua maioria, lutam contra acusações de corrupção), e acredita-se que ele vá concorrer à presidência novamente ao final do mandato de Dilma: seja em 2018, conforme esperado, ou mais cedo, em caso de impeachment ou renúncia da presidente. Nenhuma pessoa que tenha acompanhado a carreira de Lula – incluindo aqueles que querem vê-lo preso – pode descartar a possibilidade de que ele seja presidente do Brasil mais uma vez .

Lula nega veementemente todas as acusações contra ele e se considera uma “vítima” da classe plutocrática ainda poderosa no Brasil e de seus órgãos midiáticos, que moldam a opinião pública. Isso, embora a publicidade dos governos Lula e Dilma na mídia tenham ultrapassado a casa dos bilhões de reais.

Lula insiste que o PT está na mira por causa da inabilidade desses grupos em derrotar o partido ao longo de quatro eleições consecutivas, e do seu medo de que ele concorra e ganhe de novo. Há duas semanas, o The Interceptpublicou uma longa matéria falando sobre o escândalo e sobre os perigos que ele traz à democracia brasileira, que escrevi com Andrew Fishman e David Miranda; na semana passada, publicamos uma versão condensada emum artigo de opinião na Folha de São Paulo. A conscientização de que o impeachment está sendo conduzido por, e iria beneficiar, políticos e partidos com acusações de corrupção muito mais sérias do que aquelas atribuídas a Dilma – que ainda não é formalmente processada -retardou o processo da campanha pró-impeachment que, apenas semanas atrás, parecia quase inevitável.

Na última sexta-feira, no Instituto Lula, em São Paulo, conduzi a primeira entrevista dada por Lula desde o recente surgimento dessas controvérsias. Discutimos sobre vários aspectos do escândalo de corrupção, da campanha pró-impeachment, das acusações contra ele, sobre o futuro dele e do PT na política e o papel da mídia dominante de direita no Brasil como incitadora de uma mudança no governo. Também discutimos as visões dele sobre uma série de outras questões políticas de debate acirrado, incluindo a nova lei brasileira antiterrorismo e espionagem, a guerra às drogas, as condições precárias do sistema prisional do país, os direitos LGBT, o aborto legal e o papel de grandes empresas como doadoras de campanha durante eleições no Brasil.

Conduzida em português, a entrevista de 45 minutos pode ser assistida abaixo; segue depois uma transcrição completa.


A entrevista


GLENN GREENWALD: Bom dia, senhor presidente. Obrigado pela entrevista.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA: Bom dia.

GREENWALD: Quero começar com a investigação da Lava Jato. Em 2008, Wall Street, nos Estados Unidos, criou, com fraudes e outras ações corruptas, uma crise econômica horrível que gerou sofrimento intenso para muitos países do mundo, incluindo o Brasil, e que continua até hoje.

E o fato mais incrível é que não tem nenhum grande empresário que foi para a prisão ou sofreu consequências legais por esses crimes. Esses eventos criaram a percepção de que os grupos mais poderosos, mais ricos, têm imunidade sob a lei e só os pobres e as pessoas sem poder são punidas por crimes.

Mas, aqui no Brasil, com Lava Jato, a gente está vendo o oposto: os brasileiros mais ricos, mais poderosos, estão indo para a prisão. Bilionários, magnatas, figuras de quase todos os partidos.

Eu sei que o senhor tem muitas críticas sobre esse processo. Eu também fiz umas reportagens sobre o comportamento do juiz  Sérgio Moro em torno da política.

Mas concorda que tem um aspecto positivo com esse processo que está mandando um sinal forte que todos, independentemente do poder, posição, riqueza, são sujeitos à lei?

DA SILVA: Olha, primeiro, o PT, o Governo e eu pessoalmente não temos que ficar zangados com o processo de investigação, porque o governo tem muita responsabilidade pelo o que está acontecendo. Ou seja, foi exatamente no governo do PT que nós criamos todas as condições para as instituições funcionarem corretamente.

Foi no nosso governo que nós consolidamos a autonomia do Ministério Público, escolhendo sempre o procurador que a categoria quer que escolha, fomos nós que fizemos a Polícia Federal funcionar, investindo muito na contratação de pessoas e investindo muito na inteligência e na autonomia da Polícia Federal.

Fomos nós que criamos o Portal da Transparência, fomos nós que criamos a lei que permite que  qualquer jornalista tenha toda a informação que quiser todo santo dia do governo.

Fomos nós que fortalecemos a Controladoria Geral da República, que investiga cada Ministério e que manda os processos para o Tribunal de Contas da União. E fomos nós que estabelecemos, junto com Tribunal de Contas, um processo de maior agilidade do Tribunal de Contas da União.

Então o governo tem responsabilidade por tudo o que está acontecendo, em primeiro lugar. Em segundo lugar, eu acho importante que, pela primeira vez, rico esteja sendo preso. Porque aqui no Brasil prendia-se um pobre porque roubava pão, mas não prendia-se um rico que roubava 1 bilhão. Prendia-se um pobre porque roubava remédio, mas não prendia um cidadão rico que sonegava imposto de renda.


GREENWALD: Esse é um aspecto positivo?

DA SILVA: Esse é um aspecto positivo. Aspecto positivo que eu acho muito importante e isso faz com que a gente possa sonhar que um dia este país seja um país realmente sério.

E o que eu acho negativo, e é uma pergunta que eu faço todo santo dia a mim mesmo: será que para você fazer o processo de investigação que você está fazendo é preciso fazer disso um Big Brother, é preciso fazer disso um espetáculo de pirotecnia todo santo dia?

Sem levar em conta que você pode estar condenando por uma manchete de jornal ou por uma reportagem na televisão alguém que depois venha a ser inocente? É possível fazer essa mesma investigação, prender as mesmas pessoas sem fazer a pirotecnia? Eu acho que é.

É possível analisar quanto é que está custando essa operação e, ao mesmo tempo quanto é que ela vai reverter aos cofres públicos e quanto ela está custando ao Brasil? Quanto que essa operação está implicando no custo do PIB, no custo do desemprego, na quantidade de dinheiro que deixou de ser investido neste país.

GREENWALD: Mas o senhor acha que esse processo é sobre destruir o PT, porque 60% dos políticos que são acusados no Lava Jato, por exemplo, são membros do PP, um partido da direita, não o PT?

DA SILVA: Eu vou entrar nessa história do PT, sabe, porque eu espero que haja uma pergunta específica sobre isso porque é o seguinte: primeiro, quando você faz uma lei e você estabelece condições para as instituições funcionarem corretamente, não tem proteção, a única proteção é a pessoa andar de acordo com a lei, é a pessoa fazer as coisas corretas, é as pessoas não cometerem erros.

E se o PT comete erros, o PT tem que pagar como qualquer outro partido político tem que pagar ou como qualquer outra pessoa que não pertença a partido político, afinal de contas, a lei é para todos, é assim que a gente consolida a democracia no Brasil e em qualquer parte do mundo.

Segundo, o que eu acho estranho na delação premiada é: eu denunciei isso em dezembro de 2014, não é agora. O que eu acho esquisito é o processo de vazamento seletivo das notícias normalmente contra o PT. Quando sai uma denúncia de um outro partido político, não passa de uma letra pequena nos jornais, cinco segundos na televisão. Quando é uma coisa contra o PT, é 20 minutos na televisão e é primeira página de todos os jornais, numa demonstração clara e visível de que há a tentativa, há dois anos, da criminalização contra o PT.

GREENWALD: Então, vamos discutir essas críticas daqui alguns minutos, mas quero quero perguntá-lo: várias vezes o senhor chamou esse processo de impeachment contra a presidente Dilma de golpe e a Constituição Brasileira prevê explicitamente o impeachment e, também, esse processo está sob a autoridade do Supremo Tribunal, com 11 membros, oito que foram apontados pelo PT, três pelo senhor e cinco pela presidente Dilma.

E também, esse Tribunal já tomou decisões importantes em seu favor. Como pode chamar esse processo de golpe?

DA SILVA: Mas tomou decisões contra também, e muitas. Ou seja, deixa lhe dizer…

GREENWALD: É, em todos os tribunais. Mas como pode ser um golpe quando está sob a autoridade de um tribunal assim?

DA SILVA: Eu vou lhe dizer por que é um golpe. É um golpe porque, embora esteja previsto na Constituição Brasileira o impeachment, para que a pessoa seja vítima de um impeachment, é preciso que ela tenha cometido um crime de responsabilidade e a presidenta Dilma não cometeu um crime de responsabilidade.

Portanto, o que está acontecendo é a tentativa de algumas pessoas tentarem chegar ao poder desrespeitando o voto popular. Ou seja, qualquer um tem o direito de querer chegar à presidência da República, qualquer um, é só disputar.

Eu perdi três eleições, três. Não encurtei o caminho, esperei 12 anos para chegar à presidência da República… portanto, qualquer pessoa que quiser chegar à presidência da República, ao invés de querer derrubar o presidente, é melhor concorrer a uma eleição como eu concorri três. Perdi e não fiquei zangado.

Então, eu acho que por isso que o impeachment é ilegal, porque não tem crime de responsabilidade. Na verdade, eu acho que as pessoas querem tirar a Dilma, sabe, desrespeitando a lei, cometendo, na minha opinião, um golpe político, porque isso é golpe político…

GREENWALD: Não pode ganhar a eleição. Quero perguntar: o PT pediu o impeachment dos três presidentes anteriores à presidência do senhor. O senhor acha que os três presidentes cometeram crimes de responsabilidade que justificavam o impeachment?

DA SILVA: Não, veja, o PT tinha pedido o impeachment para o Collor e aconteceu porque ele tinha cometido o crime de responsabilidade. Do Fernando Henrique Cardoso, a Câmara nem aceitou, a Câmara nem aceitou o pedido do impeachment. Portanto, morreu ali mesmo, né? Talvez porque não tivesse crime de responsabilidade.

Agora, esse pedido de impeachment também poderia ter sido recusado. Por que ele foi colocado… Por que foi aberto o processo e foi para a Comissão? Porque o presidente da Câmara ficou zangado, porque o PT não votou com ele na Comissão de Ética e ele resolveu se vingar do PT, tentando criar o impeachment da presidenta Dilma, o que eu acho um abuso muito grande neste momento político.

GREENWALD: Eu quero perguntar sobre o Eduardo Cunha, o presidente da Câmara dos Deputados, porque a evidência da corrupção dele é esmagadora. Descobriram contas no Swiss Bank com milhões de dólares sem explicação. Além disso, ele claramente mentiu para o Congresso quando negou que tem contas em bancos estrangeiros.

Como explicar para estrangeiros, ou para brasileiros também, como um político tão corrupto pode permanecer não só o líder do Congresso Nacional, mas tambem liderar o processo do impeachment contra a presidente da República?

DA SILVA: O que é mais grave é como é que a imprensa trata ele com uma certa normalidade e não trata a Dilma com normalidade. Na verdade, a Dilma está sendo julgada por pessoas que são acusadas e ela não tem uma acusação contra ela.

A acusação que tem das pedaladas não foram crime, não foram cometidas, sequer foram julgadas as contas da Dilma pelo Congresso Nacional.

GREENWALD: Como explicar isso, porque acho que têm muitos estrangeiros que não conseguem entender.

DA SILVA: Não tem explicação a não ser o domínio da insanidade mental de algumas pessoas neste país. O Congresso Nacional poderia se respeitar, sabe, levando em conta que não existem condições políticas de fazer o julgamento da Dilma tal como eles estão fazendo.

O Eduardo Cunha não tem respeitabilidade, nem congressual, nem na sociedade, para fazer isso, mas acontece, às vezes até com uma certa proteção de determinados setores da mídia nacional, o que eu acho muito grave.

O que me preocupa mais em tudo isso é que o Brasil só tem 31 anos de democracia, é o mais longo período de democracia continuada neste país. E o que nós estamos fazendo neste momento é tentar brincar com a democracia. E com a democracia a gente não brinca, porque toda vez que a gente brinca com a democracia, toda vez que a gente nega a política, o que vem é pior.

GREENWALD: Existem fortes evidências mostrando corrupção dentro dos partidos de oposição ao governo do PT, isso é bem claro. Mas o senhor concorda que também tem um problema grave com corrupção dentro do PT?

DA SILVA: Deixa eu lhe falar uma coisa. Até agora na verdade o que existe é um processo de delação no caso de um tesoureiro do PT, ele foi condenado em um processo de delação, que ainda está em um processo que vai ser julgado, ele diz que não fez.

Ora, na delação premiada, você tem a tese da concussão, ou seja, o empresário que está preso vai se livrar da prisão tentando jogar a culpa do crime em cima de alguém. Qualquer dia, alguém pode citar que você, sabe, foi beneficiado com a doação de uma empresa. O que eu acho fantástico e hilariante é que as empresas têm dois cofres. Um cofre de dinheiro honesto e um cofre de dinheiro corrupto. O cofre de dinheiro honesto é para o PSDB, para o PMDB e para outros partidos. O cofre de dinheiro podre é para o PT. É no mínimo insanidade mental acreditar nisso.

É no mínimo a gente deixar de compreender que neste momento histórico, e não estou dizendo que o PT não tem culpa, não. E se o PT tiver culpa tem que pagar como qualquer outro partido. O PT não é imune. O que eu estou dizendo é que neste momento…

GREENWALD: Mas tem um problema grave…


DA SILVA: Neste momento histórico, o que existe é a tentativa de criminalizar o PT, de tirar a Dilma e de tentar evitar qualquer possibilidade do Lula voltar a ser candidato a presidente neste país.

GREENWALD: Entendo os motivos e todas as minhas curiosidades foram esclarecidas sobre essa questão. Se o senhor acredita que… Claro, tem muitos problemas intensos, acho que pior, em muitos casos, que a corrupção em outros partidos, incluindo o partido que está liderando o processo de impeachment contra a Dilma.

Mas também o senhor, um dos fundadores do PT, a pessoa mais importante dentro do PT com a presidente Dilma,  aceita que tem um problema grave com corrupção dentro do seu partido?

DA SILVA: Eu acredito que tenha problema no meu partido, não acredito… Eu vou lhe contar uma coisa, quando começou o mensalão, determinados setores dos meios de comunicação diziam que era o maior processo de corrupção da história do planeta Terra. Depois foi chegando o processo, foi ficando difícil de provar, foi ficando difícil.

Ou seja, aí para consolidar o processo, inventaram a história, sabe, da lei do domínio do fato, a teoria do domínio do fato. Ou seja, eu não preciso ter provas, sabe, você é o chefe da redação, você é o culpado. Foi assim que aconteceu no mensalão, e agora eles estão construindo outra tese. Você veja que nós fizemos a campanha e, em outubro de 2014, uma revista escreveu uma manchete “Lula e Dilma sabiam de tudo”, está lembrado?

GREENWALD: Sim, claro.

DA SILVA: Deixa eu lhe contar uma coisa. Eu estou há dois anos, todo santo dia tem um artigo, todo santo dia tem um twitter, todo santo dia eu recebo uma informação “olha, prenderam tal pessoa que vai dizer que o Lula está envolvido”.

GREENWALD: Para ficar claro sobre este ponto: o ex-líder do PT no senado, Delcídio Amaral, disse que o senhor sabia sobre os esquemas de propina e também comandou isso.

DA SILVA: Deixa eu lhe falar, o Delcídio queria escapar da cadeia. O Delcídio é uma pessoa que tinha uma forte ligação com a Petrobras antes do PT.

Ele teve forte ligação com a Petrobras no governo do Fernando Henrique Cardoso, ele teve várias ligações com a Petrobras porque ele foi do setor durante muito tempo. Ou seja, o Delcídio mentiu descaradamente.

GREENWALD: Por qual motivo?

DA SILVA: Para sair da cadeia. Obviamente para sair da cadeia.

GREENWALD: Muitas pesquisas agora revelam uma forte e extensa indignação com o governo e com o PT, incluindo pessoas que foram apoiadoras do PT durante muito tempo. O senhor acredita que toda essa raiva contra o PT é ilegítima ou aceita que, em parte, é válida?

DA SILVA: Veja, eu não acredito que o ódio estimulado contra o PT vai prevalecer a vida inteira. Hoje, nós estamos vivendo um momento em que o ódio é estimulado 24 horas por dia contra o PT. O partido que mais fez política social neste país.

O partido que em apenas 12 anos mudou a história deste país. Demos cara aos trabalhadores, demos cara e cidadania aos pobres deste país, demos tudo que eles nunca tiveram. Por isso, o ódio estimulado de pessoas que não sabem repartir os espaços públicos com aqueles do andar de baixo.

Eu estou tranquilo e é por isso que eu discuto essa coisa com muita tranquilidade porque eu tenho dito o seguinte: eu duvido que tenha um empresário, amigo ou inimigo, que diga que um dia discutiu 10 centavos comigo. Veja, eu estou vendo as coisas acontecerem, estou vendo as mentiras que são contadas, eu estou vendo as invenções que estão fazendo contra o Lula, sabe, inventaram um apartamento para mim, alguém vai ter que me dar aquele apartamento.

GREENWALD: Mas você aceita que tem muitas pessoas, incluindo apoiadores do PT, que estão sofrendo muito com a economia. Claro, você aceita isso.

DA SILVA: Sim!

GREENWALD: E o governo do PT, eu sei que tem muitos casos que não tem nada a ver com o Governo, que são coisas da economia global e outras coisas com a China, mas também tem culpa pela presidente Dilma, que parece estar sofrendo.

DA SILVA: Vamos entrar na parte econômica agora. Veja, o Brasil hoje está sofrendo os efeitos mais perversos de uma crise mundial causada pelo sistema, sabe, econômico do mundo, ou seja, foi exatamente nos Estados Unidos que começou a crise econômica mundial.

Ela ficou muito mais grave com a quebra do Lehman Brothers, que até agora já se gastaram 13 trilhões de dólares e não conseguiram resolver o problema da crise.

Em 2009, na primeira reunião do G20, eu propus na reunião que, se a gente quisesse resolver o problema da crise, ao invés de a gente conter os gastos, deveria fazer investimento nos países mais pobres, para ajudá-los a ter dinheiro barato, para que eles pudessem começar a se desenvolver.

Nós discutimos que era preciso não ter protecionismo. Era preciso abrir o comércio, sobretudo para favorecer os países mais pobres, sobretudo América Latina e África. Todo mundo concordou, isso está no primeiro documento feito em Londres.

Entretanto, cada país votou e cada país fez o seu protecionismo. Na verdade, eu fiz crítica em 2009, dizendo que o problema da crise econômica, era falta de liderança política. A política mundial foi terceirizada. São burocratas de primeiro escalão, de segundo escalão, que tomam decisões importantes e os dirigentes se escondem. Não aparecem!


GREENWALD: Mas agora o governo brasileiro é totalmente livre de culpa com esse problema?

DA SILVA: Eu vou entrar no Brasil agora. Eu só queria situar a crise. Não é possível que a crise na Europa já esteja durando todo esse tempo. Não é possível que os Estados Unidos não tenham reduzido o problema da crise. Ou seja, tudo isso porque eles contiveram o consumo, sabe, que é o que pode motivar a produção, a industrialização de um país.

Pois bem, aqui no Brasil, durante 2011-2014, o Brasil fez uma política de desoneração e fiscal muito grande. O governo abriu mão de quase 500 bilhões de reais, para continuar fomentando o crescimento econômico. Foi isso que permitiu que nós chegássemos em dezembro de 2014 com 4.3% de desemprego no Brasil.

Parecia a Finlândia. Parecia a Noruega, tão baixo era o nível de desemprego. Pois bem, só que o governo não percebeu que esse processo de desoneração e isenção fiscal esvaziou o caixa do governo, diminuiu a capacidade de arrecadação. Ora, obviamente que a Dilma não quis mudar isso durante o processo eleitoral.

Depois das eleições, quando a Dilma ganha as eleições, assumindo um compromisso explícito com o povo brasileiro, a Dilma propõe um ajuste fiscal, e ela começa mexendo exatamente em alguns direitos elementares dos trabalhadores coisas pequenas.

E isso jogou grande parte do nosso público contra nós, e não conseguimos reverter até hoje. É por isso que eu tenho discutido com a presidenta Dilma e eu tenho dito para a Dilma: a única chance de reverter esse quadro é a gente apontar com uma política econômica que gere expectativa e esperança para a sociedade brasileira.

Aquelas pessoas que tinham aprendido a subir um degrau na escada da escala social não pode cair. Essas pessoas têm que permanecer. É por isso que tem que ter uma política econômica voltada para estimular o financiamento, o crédito, o consumo, a micro-indústria, a média-indústria, ou seja, fazer algo que faça a roda gigante girar para frente.


GREENWALD: É possível justificar os programas da e austeridade que o governo está impondo agora, e isso vai piorar se o governo mudar para outros partidos?

DA SILVA: Deixa eu falar uma coisa para você. Não tem austeridade.

GREENWALD: Não tem nada aqui no Brasil?

DA SILVA: O que você tem é a constatação que não tem arrecadação. Se não tem arrecadação você não pode gastar. Isso vale para a minha casa, vale para a sua. Isso vale para o governo. Vale para uma empresa. Ou seja, o governo diminuiu sua capacidade de arrecadação.

Porque o governo acreditou que a economia mundial iria se recuperar muito rapidamente, e ela não se recuperou, e o Brasil não se recuperou. Agora o que você tem que fazer: o governo não pode ficar mais um ano falando em corte. O governo agora tem que falar em crescimento. Tem que falar em investimentos.

Se não tem dinheiro público no orçamento, nós temos que fazer financiamento. Nós temos que procurar parceiros. Temos que construir projetos estratégicos com outros países.

Porque agora, em época de crise, nós temos que fazer aquilo que nós não conseguimos fazer em tempo de normalidade. Você tem que ser mais ousado, mais corajoso e tem que fazer coisa nova.

GREENWALD: Existe uma crença comum no ocidente que o PT é parecido com os partidos da esquerda, por exemplo, como na Bolívia, Venezuela, Cuba, Equador, e que o senhor e a Dilma querem colocar o Brasil no mesmo caminho. E também estou ouvindo muito isso aqui no Brasil, entre brasileiros. Isso é verdade? Quais as diferenças principais entre o PT e esses partidos?

DA SILVA: Não seja injusto com o PT, pelo amor de Deus, porque o PT tem muita ligação com o SPD alemão. Com o partido trabalhista inglês. Com o partido socialista francês, com o partido socialista espanhol. O PT tem muita relação.

Deixa eu lhe falar, o PT é o maior partido de esquerda da América Latina, o PT nem sequer definiu o tipo de socialismo que quer, porque o PT diz que o socialismo será a construção, será construído pelo povo, não será o PT que terá meia dúzia de intelectuais e dirá que tipo de socialismo nós queremos. O PT é um partido muito mais aberto do que outros partidos que existem na América Latina.

O que nós somos é maior. O partido é um partido muito plural. Não tem nenhum partido no mundo que seja democrático e aberto como o PT. Dentro do PT convive tudo o que você imagina. É como se fosse uma arca de Noé, ou seja qualquer pessoa, e qualquer pensamento político, eles podem entrar no PT. O que ele precisa ter consciência é que quando o PT decide, aquilo que o PT decidiu passa a ser obrigação de todos os petistas.

GREENWALD: O senhor fez uma coletiva duas semanas atrás para a mídia internacional, e disse algo muito interessante sobre o Juiz Sérgio Moro. O senhor disse que ele é uma figura inteligente, competente, mas para usar suas palavras: “sendo humano”, pessoas com muito poder e muita adoração são vulneráveis à tentação ao abuso do poder.

Isso se aplica ao senhor também?

DA SILVA: É que eu não tenho nenhum poder.

GREENWALD: Não tem nenhum poder?

DA SILVA: Eu não tenho nenhum poder. Eu, quando tive poder, que eu era presidente da República, a coisa que eu mais me orgulho, é que nunca a sociedade participou de deliberações, tanto quanto participou no meu governo.

GREENWALD: Quando teve poder, se o senhor tiver poder no futuro, isso se aplica ao senhor também? Este princípio que pessoas com muito poder e adoração são vulneráveis à tentação ou abuso do poder?

DA SILVA: Eu acho que todo mundo com muito poder é vulnerável. E, sobretudo, não é todo ser humano que consegue suportar a popularidade. A mídia. A fotografia. Uma imagem. Isto pode prejudicar muita gente. Eu já vi muita gente, desde jogador de futebol até jogador de baseball, a jogador de snooker (sinuca), a juiz, a presidente da República, a deputado, a senador, se prejudicar.

GREENWALD: O senhor também precisa lutar contra esse perigo?

DA SILVA: Lógico! Desde quando eu era dirigente sindical, eu sempre tive consciência de não me permitir deixar influenciar pelo sucesso da mídia. Eu sei o quanto é bom sair numa capa de jornal. Eu sei o quanto é bom sair na capa de uma revista. Eu sei o quanto é bom aparecer na televisão todo dia.

Agora, se você não tiver cuidado, e não tiver senso de responsabilidade, você pode enveredar por um caminho totalmente equivocado. E eu vou dizer para você uma coisa: todo homem que se acha imprescindível, todo homem que começa a se sentir insubstituível, começa a virar um ditador. E quando começa a virar um ditador, isso é muito ruim.

GREENWALD: Quero discutir o papel da mídia brasileira incitando os protestos e pressionando a saída da Dilma. Como jornalista, não sou brasileiro, mas moro no Brasil há muito tempo, estou chocado com a mídia aqui. Como as Organizações Globo, Veja, Estadão, estão tão envolvidos no movimento contra o governo, defendendo os partidos da oposição.

Eles fingem ter imparcialidade, mas na realidade, agem como a principal ferramenta de propaganda. O controle das organizações da mídia, por poucas famílias muito ricas aqui no Brasil, é um perigo para a democracia?

DA SILVA: É.

GREENWALD: Por quê?
DA SILVA: Deixa eu lhe falar uma coisa, porque eu penso que o ideal no mundo, o que seria ideal, era que você tivesse uma imprensa altamente democrática, que tivesse sua opinião política e ela fosse expressa num editorial, mas que fosse muito, muito fiel aos fatos. Que não tivesse versão, tivesse os fatos. Pois bem, aqui no Brasil hoje você não tem partido de oposição. Aqui no Brasil quem faz a oposição é, na verdade, a mídia.

GREENWALD: O Globo, Veja…

DA SILVA: Você tem três jornais, tem revistas, e os canais de televisão que fazem oposição aberta ao governo. Convoca passeata, convoca protesto. Estão estimulando o ódio. Veja, eu perdi três eleições. E, a cada eleição que eu perdi, eu voltava para casa. Eu ia lamentar com minha mulher, ia lamentar com meus companheiros do PT, esperava quatro anos para me preparar. Perdia outra vez. Voltava para casa. Ia me lamentar. Perdia outra vez.

Até que um dia eu ganhei, e eles não sabem perder, eles perderam uma eleição da Dilma. E eles continuaram no palanque até hoje. Como o partido é frágil, a imprensa assumiu o papel de ser o partido. Isto é grave, isto é um risco para a democracia.

Quando terminei o mandato em 2010, nós tínhamos feito uma conferência nacional de comunicação. Nós preparamos um anteprojeto de regulação, que poderia ser modelo americano, modelo inglês, modelo francês. Nada de modelo Cuba, modelo China. Ou seja, lamentavelmente não foi encaminhada ao Congresso Nacional porque a nossa regulamentação é de 1962. A gente não tinha internet, a gente não tinha fax, a gente não tinha nada! Não tinha TV digital, não tinha satélite, não tinha nada. A nossa regulamentação é de 62! E eles não querem mudar! Olha, então eu penso que esse é um tema, é um debate que vai voltar.

GREENWALD: Mas essas organizações da mídia pelo menos aceitaram, ou talvez apoiaram a candidatura do senhor em 2002 e 2006. Concorda com isso?

DA SILVA: Não. Em 2002, estava certo que eu ia ganhar as eleições. Em 2002, estava certo que eu ia ganhar as eleições. Em 2002, eu nunca tive preocupação porque algo me dizia que aquela eleição era minha, era minha vez de chegar à presidência.

Obviamente que a imprensa não foi hostil a mim. Mas, em 2006, eu era presidente da República, e eles davam mais destaque a uma candidatura que estava em quarto lugar, do que a minha candidatura que estava em primeiro e eu era presidente da República. Eles trabalharam o tempo inteiro para eu perder as eleições em 2006.

Quando o Alckmin foi para o segundo turno, eles festejaram que eu ia perder as eleições. O que aconteceu? O Alckmin teve menos votos no segundo turno do que no primeiro turno, e eu fui para 62% dos votos.

Eles imaginavam que eu não ia ter sucessor, imaginavam que o Serra seria o presidente em 2010, de repente nós apresentamos uma mulher, que não tinha experiência política, uma mulher de esquerda, que tinha ficado três anos e meio na cadeia, que tinha sido torturada, e que não tinha nenhuma experiência política.

GREENWALD: Sim.

DA SILVA: Tá? Pois bem. Essa mulher foi eleita presidente da República. Diga-se de passagem, ela fez um bom primeiro mandato. A queixa que se tinha contra a Dilma é que ela não gostava de conversar, que ela não gostava de fazer política, mas isso é o de menos. O dado concreto é que chega nas eleições, outra vez apostaram que a Dilma ia ser derrotada, “A Dilma vai ser derrotada! A Dilma vai ser derrotada!” E… ela ganhou. E aí eles ficaram ensandecidos. Ensandecidos.

GREENWALD: Até hoje não aceitam?

DA SILVA: Até hoje não aceitam.

GREENWALD: Então, quero trocar um pouco o assunto. Quando apareceu reportagem sobre como a NSA estava fazendo espionagem contra o Brasil, o senhor, como a Dilma, denunciou isso de um jeito muito intenso, falando que é invasão de privacidade.

E disse a mesma coisa quando as suas conversas privadas foram divulgadas pelo juiz Moro. Mas, recentemente, este mês, o governo fez uma nova lei antiterrorismo, que foi aprovada com forte apoio do governo da presidente Dilma, que dá muito poder de espionagem para o governo do Brasil. Essa é uma contradição? O que o senhor acha disso?

DA SILVA: Eu era contra a lei, porque eu acho que não pode trazer para o Brasil o padrão de discussão do terrorismo dos países que vivem essa questão do terrorismo. O Brasil, graças a Deus, não tem esse problema, apesar de muita gente dizer que o Brasil tem que se preocupar com isso…

GREENWALD: Acha que o governo está explorando esse medo?

DA SILVA: Não, é que o governo ficou preocupado com as Olimpíadas, eu acho que houve um exagero. Esse país é um em que as pessoas não têm o hábito de terrorismo. Mas esse poder de espionagem que o governo brasileiro hoje tem é muito perigoso. Eu não gosto disso.

Deixa eu contar um coisa para você, eu tenho muito medo de você transformar o aparelho de estado, sobretudo o aparelho policialesco do estado que é muito forte, eu tenho medo. Porque isso se volta contra a democracia, isso se volta contra as instituições democráticas. Daí eu acho que tem que ter um equilíbrio, e não precisa efetivamente você criar um monstro para se defender de um monstro.


GREENWALD: Muitas organizações internacionais de Direitos Humanos estão reclamando muito que o Brasil está violando os direitos dos prisioneiros brasileiros, porque o sistema tem condições inaceitáveis dentro das prisões. E muitas pessoas estão na prisão há muito tempo sem julgamento.

Grande parte desse problema é a guerra às drogas que o PT está sempre apoiando, mas está colocando muitos brasileiros, em sua maioria pobres, negros, jovens, na prisão. O senhor no passado apoiou essa guerra. Mas agora o ex-presidente Fernando Henrique, junto com muitos líderes globais, disse que essa guerra fracassou, e é desumana. O senhor concorda com isso, ou quer continuar essa guerra?

DA SILVA: Veja, a guerra fracassou porque o poder judiciário é muito lento. Ou seja, tem pessoas que estão na cadeia há, dois, três anos, e sequer foram julgadas. E também vale para o lava-jato. É um problema do poder judiciário.

GREENWALD: Mas ninguém se importa quando é jovem, negro, pobre, ficando na prisão por dois, três anos.

DA SILVA: Aí há uma preferência, sabe? Nós temos denunciado, eu tenho feito muitas reuniões com grupos de jovens da periferia,  há uma preferência, na verdade, em prender negros e pobres, em matar negros e pobres.

Ou seja, tem um problema que nós estamos tentando, não apenas um partido, mas o poder judiciário, entidade de juízes, como é que a gente vai agilizar, sabe, a liberação e julgamento dessas pessoas?

GREENWALD: Mas com essas condições nos sistemas de prisões brasileiros, é justo colocar alguém dentro da prisão por um ano, dois anos, três anos, 6 meses,  qualquer tempo, por possuir drogas com essa pobreza?

DA SILVA: Eu sou pela descriminalização, portanto não acho que um cidadão que cometeu um crime qualquer tenha que estar preso. Eu não acho que um cidadão que é pego, um usuário de droga, possa ser preso. Ou seja, essa pessoa muitas vezes precisa muito mais de orientação psicológica do que de cadeia. Ou seja, uma coisa é prender um traficante, outra coisa é você prender um usuário.

Eu sou contra. Sabe, nós batemos contra. Agora, você tem um problema para enfrentar no Brasil, que ainda tem um poder judiciário muito conservador.

GREENWALD: Minha última pergunta: há muito tempo, o Brasil foi um dos líderes na América Latina, tratando os gays com igualdade. E na verdade o Brasil foi mais progressista do que os Estados Unidos e vários países da Europa com esse assunto.

Mas agora tem esse movimento evangélico no Brasil que é muito forte e que quer reverter isso, e eu sei que o senhor no passado apoiou alguns direitos para os LGBTs, mas quero perguntar, o senhor agora apoia igualdade absoluta para os LGBTs sob a lei? Incluindo o direito para casar?

DA SILVA: Eu aprovo! Deixa eu lhe contar uma coisa, querido, no Brasil, aconteceram coisas muito importantes, veja, eu fui o único presidente da República que fez uma conferência nacional com LGBT.

Quando muita gente achava que era muito perigoso eu ir à conferência, eu fiz uma conferência com mais de duas mil pessoas e foi uma lição extraordinária para o governo. Segundo, nós conseguimos aprovar na Suprema Corte a união civil, o que foi um avanço extraordinário, sabe?


GREENWALD: Mas não igual.

DA SILVA: Nós fizemos agora no Plano Nacional de Educação…

GREENWALD: Mas não é igual ao direito para casar dos casais heterossexuais, é menos…

DA SILVA: Mas, de qualquer forma, a Suprema Corte tomar uma decisão dessas foi um avanço extraordinário. Eu apoio o direito das pessoas tomarem a decisão que melhor lhes convier.

GREENWALD: Incluindo o direito para casar?

DA SILVA: Incluindo o direito para casar! Eu quando falo de união civil, já falo em casamento, tá? Eu, sinceramente, acho que as pessoas têm que viver como quiserem. Desde que cada um de nós respeite o direito dos outros, sabe? Eu, aqui no Brasil, quando se tratava da questão do aborto, que se dizia que o aborto era uma coisa criminosa, eu costumava dizer “olhe, eu, como cidadão, pai de cinco filhos, sou contra o aborto. Mas eu, como presidente da República, trato o aborto como uma questão de saúde pública.”

GREENWALD: Porque a mulher tem o poder de escolher e não o senhor?

DA SILVA: Lógico! Lógico! Sabe, então eu penso que o Brasil tem evoluído muito, mas em alguns temas ainda estamos muito atrasados.

DA SILVA: Eu queria dizer uma coisa…

[Nesse momento os dois falam ao mesmo tempo]

DA SILVA: Ainda sobre a questão Lava Jato, que você, que é um estrangeiro que está aqui no Brasil, o que me preocupa nesta história do Lava Jato é outra tese que está em curso como é a tese da teoria do domínio do fato.

É a tese que primeiro você detecta um bandido, você carimba alguém de bandido, aí você vai procurar crime para jogar nas costas dele. Eu estou dizendo isso porque todo santo dia aparece alguém dizendo “eles querem pegar o Lula! Eles querem pegar o Lula! É o Lula que eles querem pegar!”.

GREENWALD: Por que eles acreditam que você vai fazer eleição novamente para a presidência, é verdade que você vai fazer?

DA SILVA: Eu não sei, se o motivo é esse, isso é uma bobagem. Deixa eu lhe falar uma coisa, eu duvido que neste país tenha algum empresário que diga que um dia discutiu 5 centavos comigo.

GREENWALD: Antes eles deram muito dinheiro para apoiar a campanha do senhor, tem muito apoio dos negócios, empresas, rádios…

DA SILVA: Aqui no Brasil só dá dinheiro quem é rico, quem é pobre não tem dinheiro para dar. Vamos ser francos! Em nenhum país do mundo um candidato vem da sua casa para ser candidato!

GREENWALD: Precisa do apoio dos ricos.

DA SILVA: É lógico! Nos Estados Unidos é até charmoso, até ganha prêmio quem arrecada mais.

GREENWALD: Obama, Clinton, tiveram muito apoio de Wall Street e grandes empresas.

DA SILVA: Então, deixa eu lhe falar uma coisa, essa era a regra do jogo: você pede dinheiro, o empresário dá o dinheiro, você presta contas, a justiça aprova a conta e acabou.

GREENWALD: E faz favores para os ricos.

DA SILVA: Agora, se criou essa ideia, e o PT defendia a ideia de que vamos acabar com o dinheiro privado na campanha e vamos fazer financiamento público, que é a forma mais digna de fazer campanha.

GREENWALD: Agora o PT não vai aceitar dinheiro de grandes empresas para fazer campanhas?

DA SILVA: O PT decidiu não aceitar a contribuição empresarial para a campanha eleitoral, portanto, eu acho uma coisa extraordinária, uma coisa corajosa e isso pode fazer renascer o PT com muito mais força.

GREENWALD: E se o senhor for numa futura campanha da presidência, vai manter essa promessa de campanha?

DA SILVA: Lógico! Eu já sou muito conhecido.

GREENWALD: Tem muitas críticas da esquerda de que o PT está apoiando muito uma política neoliberalista, que está protegendo o interesse dos ricos e não dos pobres. Isso é válido?

DA SILVA: Não. Nós vamos ter na verdade é que, outra vez, utilizar os trabalhadores, as pessoas mais humildes deste país para fazer a economia do Brasil voltar a crescer. Para isso, nós precisamos de financiamento, de crédito e de parcerias. E isso, graças a Deus, eu quero ajudar a Dilma a fazer.

GREENWALD: Bom, muito obrigado pela entrevista, senhor presidente.

DA SILVA: Obrigado você, querido.

 A razão real que os inimigos de Dilma Rousseff querem seu impeachment