Magazine Luiza

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Morre Oscar Niemeyer, aos 104 anos

Morre Oscar Niemeyer, aos 104 anos

Reconhecido em todo o mundo como um dos grandes expoentes da arquitetura moderna, o homem que desenhou Brasília deixou sua marca ao longo do século XX


Publicado pelo Jornal O Globo - 




O arquiteto Oscar Niemeyer, em foto de 2010 AFP
RIO - Morreu nesta quarta-feira o arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer. A morte foi confirmada às 21h55m. Ele estava internado desde o dia 2 de novembro no Hospital Samaritano, onde vinha sendo submetido a hemodiálise e fisioterapia respiratória. Nos últimos dias, exames laboratoriais vinham apresentando piora. Após uma parada cardíaca nesta manhã, ele foi sedado. À noite, não resistiu e morreu em função de complicações de uma infecção respiratória. Ele completaria 105 anos no dia 15 de dezembro.
O corpo do arquiteto será velado no Palácio do Planalto nesta quinta de manhã, após um oferecimento da presidente Dilma Rousseff aceito pela família. No fim da tarde, volta para o Rio, seguindo para o Palácio da Cidade, onde haverá uma cerimônia restrita. O velório só será aberto ao público no Rio na manhã de sexta. O enterro está marcado para a tarde de sexta no Cemitério São João Batista. O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, decretou luto de três dias no Estado.
Reconhecido em todo o mundo como um dos grandes expoentes da arquitetura moderna, o homem que desenhou alguns dos prédios e monumentos mais importantes de Brasília deixou sua marca em várias cidades do mundo ao longo do século XX. Além disso, fez diversos projetos gratuitamente, em benefício das causas que inspiravam sua construção. Sua assinatura está nos principais edifícios do Distrito Federal, entre eles o Palácio do Planalto, Palácio da Alvorada e o edifício do Congresso Nacional. Também projetou o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, o famoso "disco voador" do Museu de Arte Contemporânea de Niterói e o Parque do Ibirapuera, em São Paulo.
Seu trabalho conquistou admiração de personalidades mundiais, do líder cubano Fidel Castro ao astro de Hollywood Brad Pitt - ambos fãs declarados do arquiteto, que em 1947 participou com destaque da equipe que elaborou o edifício-sede da Organização das Nações Unidas.
Filho de Oscar de Niemeyer Soares e Delfina Ribeiro de Almeida, nasceu em 15 de dezembro de 1907, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Teve uma infância tranquila e uma juventude boêmia, passada entre as arquibancadas do estádio do Fluminense, nas Laranjeiras, as ruas da Lapa e as mesas do Café Lamas. Depois de se casar com a filha de imigrantes italianos Annita Baldo, aos 21 anos, decidiu finalmente retomar os estudos. Em 1934, formou-se em arquitetura pela Escola Nacional de Belas Artes e se empregou no escritório de Lúcio Costa, onde em pouco tempo começou a se destacar.
Em 1945, ingressou no Partido Comunista Brasileiro, de onde saiu apenas em 1990, por discordar dos novos rumos políticos da legenda. Mas permaneceu fiel a seu idealismo humanista ao longo de toda a vida. "A gente tem que se basear em convicções muito firmes para aguentar essa luta que a vida representa para o ser humano", declarou, no dia em que completou 100 anos.
Nos anos 60, perseguido pela ditadura militar no Brasil, exilou-se na França, onde projetou o Centro Cultural Le Havre e a sede do Partido Comunista Francês. Neste período, realizou projetos para diversos países, como Portugal, Israel, Argélia, Líbano e Itália. Em 1974, retornou ao Brasil e abriu um escritório na Avenida Atlântica, em Copacabana. Na década seguinte, deixou seu traço na construção do Sambódromo e dos Centros Integrados de Educação Pública (Cieps), idealizados por Darcy Ribeiro durante o governo de Leonel Brizola. Em 2012, a passarela do samba ganhou uma nova remodelagem e deixou a avenida igual ao projeto original desenhado por Niemeyer há quase 30 anos, com arquibancadas também no setor par.
Celebrado tanto por seu talento como pela longevidade e capacidade de trabalho, Niemeyer foi ao longo de sua vida tema de inúmeros estudos acadêmicos, exposições, documentários e livros biográficos. Em 1988, recebeu o prêmio Pritzker, maior honraria da arquitetura mundial. Também inspirou obras de outros artistas e arquitetos e deu nome a espaços culturais.
Em Ravello, na Itália, foi construído o Auditório Oscar Niemeyer. A estrutura projetada pelo arquiteto brasileiro passou dez anos envolvida em polêmicas ambientais e legais até ser finalmente concluída, em 2010. Niemeyer começou a projetar o auditório em 2000, a pedido do amigo Domenico De Masi, sociólogo que preside a Fundação Ravello, que encomendou a obra.
O projeto demorou para sair do papel por causa de uma lei local que impede novas construções na cidade, de apenas 2,5 mil habitantes. Baseada nessa legislação, a organização Itália Nostra, voltada para a defesa do patrimônio cultural, histórico e ambiental do país, acionou a Justiça para impedir a construção do auditório. Depois de oito ações judiciais obstruindo a obra, o auditório finalmente saiu do papel quando o governo da região de Campânia aprovou uma lei regional se sobrepondo às restrições locais de Ravello e liberando a construção.
O Centro Cultural Niemeyer, em Avilés, um complexo cultural que custou 44 milhões de euros - e cujo desenho foi um presente do arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer ao Principado das Astúrias -, também acabou se tornando uma polêmica. O local quase fechou as portas em dezembro de 2011, apenas seis meses após sua inauguração, sob acusações de irregularidades na gestão. Em outubro de 2011, o arquiteto chegou a escrever uma carta aberta sobre o possível encerramento das atividades do centro cultural e disse que iria lamentar se o espaço fechasse mesmo que por um curto prazo.
Luta pela vida
Sempre lúcido e empreendedor, trabalhou praticamente até o fim da vida. Em 2009 chegou a ficar internado por 24 dias no Hospital Samaritano com dores abdominais. O arquiteto passou por uma cirurgia para retirar um tumor no intestino grosso, uma semana depois de ter sido operado para a retirada de um cálculo na vesícula e ficou 48 horas no CTI. Em junho do mesmo ano, ele havia sido internado no Hospital Cardiotrauma, também no Rio, com dores lombares. Enfrentou uma bateria de exames e recebeu alta horas depois. Na ocasião, os exames e uma tomografia diagnosticaram que o arquiteto estava com uma lombalgia. Em 2006, Niemeyer ficou 11 dias internado, após sofrer uma queda e passar por uma cirurgia.
Nem no hospital, o gênio da arquitetura ficou parado. Oscar Niemeyer procurava uma forma de driblar o tédio do leito de hospital, em 2010. Começou a esboçar uma letra, seu enfermeiro Caio Almeida, uma melodia, e nascia assim o samba "Tranquilo com a vida", mais tarde finalizado por Edu Krieger.
Em 2012, Niemeyer chegou a ser internado algumas vezes. Em maio deste ano, o arquiteto ficou por mais de duas semanas no Hospital Samaritano com quadro de desidratação e pneumonia. Em abril, Oscar Niemeyer passou 12 dias no mesmo hospital por conta de uma infecção urinária.
Niemeyer teve uma filha, a galerista Anna Maria, morta no último mês de junho aos 82 anos, vítima de um enfisema pulmonar. O arquiteto teve quatro netos, 13 bisnetos e seis trinetos. Deixa viúva Vera Lúcia Cabreira, com quem se casou em 2006.


http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2012/12/08/niemeyer-o-pobre-esta-na-favela-olhando-os-palacios

Niemeyer: o pobre está na favela olhando os palácios

O PiG tratou Niemeyer como se fosse o inventor da Casa Cor.
publicado 08/12/2012

O Conversa Afiada reproduz entrevista que este ansioso blogueiro fez com Oscar Niemeyer em 2007:

Niemeyer: 'o pobre está na favela olhando os palácios'




Oscar Niemeyer concedeu uma entrevista sobre seu centenário, em seu apartamento, em Copacabana, no Posto 6, a Paulo Henrique Amorim, exibida na Recordnews e, em parte, no Domingo Espetacular. Niemeyer falou de Prestes, de Guevara, de Lula.



Niemeyer falou de Luiz Carlos Prestes, o líder comunista, de quem foi amigo pessoal e a quem protegeu para refundar o Partido Comunista. Quando Paulo Henrique Amorim perguntou o que ele faria se Che Guevara entrasse pelo apartamento adentro e lhe chamasse para participar de uma revolução comunista, Niemeyer respondeu que não tinha mais idade para isso, mas que ajudaria Guevara no que fosse possível, porque o considera um grande homem.

Niemeyer elogiou também o Presidente Lula: porque é um líder operário, que trabalha para ajudar o povo. Niemeyer acha que, apesar de tudo, o Brasil está no caminho certo, a economia cresce, a situação do povo melhora e a renda se distribui. Niemeyer elogiou a posição de Lula e de Chávez porque contribuem para afirmar o papel da América Latina diante dos Estados Unidos.

Niemeyer também diz que uma vez, em Moscou, os arquitetos soviéticos lhe perguntaram o que achava da arquitetura soviética. Ele disse que tinha muitas afinidades com eles, mas que a arquitetura não era boa, porque as colunas eram muito próximas umas das outras, não havia espaços.

Niemeyer também contou que, uma vez, o Partido Comunista Francês recomendou que ele não fosse prestigiar uma conferência do Sartre. Um dirigente do PCF disse que o Picasso era muito indisciplinado e não acatava o Partido. Niemeyer conta que não foi à conferência, mas mandou uma carta a Sartre para dizer que concordava com suas idéias.

Niemeyer diz que casou com a secretária Vera, aos 99 anos, porque é sempre importante estar ao lado da mulher que se ama. Ele concluiu a entrevista ao dizer que chegava de falar de arquitetura, porque o importante mesmo é mulher.

A entrevista se travou na biblioteca de Niemeyer e diante da cadeira dele há uma fotografia de um amigo francês e três mulheres nuas, numa praia no Sul da França. Duas de barriga para cima e uma de barriga para baixo. Quando Paulo Henrique lhe perguntou sobre a foto, Niemeyer falou: "é uma beleza".

Veja abaixo outros pontos dessa entrevista:
Paulo Henrique Amorim – Devo chamá-lo como?

Oscar Niemayer – Oscar.
Paulo Henrique Amorim – Oscar, a nossa conversa tem como propósito celebrar, no dia 15 de dezembro, os seus cem anos.
Oscar Niemayer – Você sabe que eu fiz um artigo na IstoÉ em que eu contava uma conversa que eu tive comigo mesmo, com esse ser misterioso que tem dentro de nós. Então eu dizia para mim mesmo: "Oscar, não vai nessa conversa de cem anos, isso é ridículo, não tem interesse nenhum, não cai nessa..." e eu sou obrigado, às vezes, a participar da conversa.
Paulo Henrique Amorim – Mas o senhor tem uma frase muito bonita que diz que "a vida é um sopro". Mas o seu sopro já dura, pelo menos, cem anos.

Oscar Niemayer – É o destino... não sei. Eu olho para trás, não sou como os outros que dizem que fariam tudo igual, eu faria muita coisa diferente. A vida é difícil, a vida nos leva nas coisas que às vezes a gente não quer. Eu me lembro do Jorge Saldanha que vinha aqui quase todos os sábados e dizia, se queixava, "a gente não pode fazer plano nenhum que o destino muda, não é? A vida é cheia de surpresas". A própria situação internacional depende do inesperado, acontece qualquer coisa e muda tudo. De modo como vive assim uma posição muito precária e que vindo de baixo do universo e achando que é importante, na realidade pouca coisa é importante. A vida é um sopro, a gente vem, conta uma história e todo mundo esquece depois.

Paulo Henrique Amorim – Mas não no seu caso. As suas histórias são de concreto, ficam para sempre.

Oscar Niemayer – É, enfim. Trabalhei, não posso me queixar. O primeiro trabalho que eu fiz em Pampulha foi tendo sucesso, eu trabalhei para JK naquela ocasião, eu me lembro que Pampulha foi o início de Brasília, não é? A mesma correria, a mesma angústia, a mesma preocupação com prazo, e tudo correu bem, Pampulha com a Igreja assim diferente, coberta de curvas, ele ficou satisfeito. Tudo isso eu acredito, deu ao JK um ânimo assim para tocar para Brasília. Eu me lembro que ele me procurou e disse, "Oscar, fizemos Pampulha, agora vamos fazer a nova capital". E começou essa aventura que durou alguns anos e que deu, pelo menos, ao povo brasileiro a sensação de um pouco de otimismo diante do futuro que agora a gente vê com um certo prazer. A gente sentindo que o Brasil está bem conduzido, que o presidente é operário e está, pela própria origem, ligado ao povo, que o Brasil está crescendo para ser um país importante, a América Latina está se unindo contra essa aventura do império do Bush.
Paulo Henrique Amorim – O senhor não gosta do Bush?
Oscar Niemayer – Eu acho que ele é um merda, sabe.
Paulo Henrique Amorim – (risos) é muito simples. Mas deixa eu voltar um pouquinho aos cem anos. Os cem anos, a gente pode enumerar uma série de defeitos dos cem anos, mas tem vantagens nos cem anos também, não tem?
Oscar Niemayer – O pessoal fica mais condescendente, tratando a gente melhor.
Paulo Henrique Amorim – Mais generoso... não é?
Oscar Niemayer - ...com pena. Cem anos dá pena não dá prazer. Eu ia passar os cem anos sem muita alegria. A vida passou, eu procurei ser correto, trabalhar, mas não estou contente, na verdade não traz nenhum prazer.
Paulo Henrique Amorim – Nada?
Oscar Niemayer – Não. Só se o sujeito pensar que é importante, e eu acho isso tão ridículo, se ele pensar que é importante ele está fora do mundo.
Paulo Henrique Amorim – Mas nem o Oscar Niemayer é importante?
Oscar Niemayer – A nossa política agora é um pouco diferente, é ligada à arquitetura, mas sempre procurando resolver o problema do jovem. Nós estamos pensando no Brasil, no sujeito que entra para a escola sem ler um livro e depois é formado, sai da escola como um especialista só falando da sua profissão e o mundo pede gente diferente, que se interesse, que converse, saiba alguma coisa. Nós, por exemplo, aqui no escritório nós temos um professor de filosofia há cinco anos. Ninguém quer ser um intelectual...
Paulo Henrique Amorim – O senhor estuda filosofia?
Oscar Niemayer – Há cinco anos. Mas ninguém tem esse interesse agora.
Paulo Henrique Amorim – Mas, qual é esse seu interesse por filosofia agora?
Oscar Niemayer – A gente quer se informar melhor sobre tudo, aprender outras coisas. O importante é a pessoa ser curiosa. Não é um interesse de um intelectual, é um interesse de um sujeito normal que sente a vida, que é solidário, que acha que o mundo pode ser melhor, que um dia o homem possa ter prazer em ajudar o outro, é isso que é a generosidade num certo sentido. E o ser - humano, é verdade, a perspectiva dele é muito pouco.
Paulo Henrique Amorim – É muito pouco?
Oscar Niemayer – A própria natureza está começando a evoluir, já falam que o sol pode crescer, pode queimar tudo, essas teorias todas, a gente tem que querer, ter vontade de participar, ter uma idéia também, para onde nós vamos... não é? De modo que o que eu acho importante é o jovem ler, se informar, ter uma base patriótica, saber que o Brasil é importante. Antigamente não era preciso falar muito em pátria não, mas hoje tem que falar. A América Latina está ameaçada, nós temos que nos unir, o que eu acho que é importante é ter uma visão geral do mundo.
Paulo Henrique Amorim – Você se considera um patriota?
Oscar Niemayer – Entre nós, geralmente os nossos irmãos militares, a gente traz a idéia da pátria no peito, porque a própria profissão obriga. Quando precisamos dessas autoridades, eles são indispensáveis. É lógico que eu penso o Brasil, penso o povo brasileiro, satisfeito, porque eu estou sentindo que o Brasil está caminhando melhor, vai ser um grande país. A juventude começa a compreender que a vida não é um passeio, que tem que se informar, o jovem tem que ler, participar da vida, se informar, não pode se transformar num especialista que só fala em arquitetura, que só fala em teoria, em medicina...
Paulo Henrique Amorim – O senhor não gosta de falar muito em arquitetura, não é?
Oscar Niemayer – Quando vêm estrangeiros aqui, repórteres estrangeiros, eles realmente querem que eu fale o que eu fiz, os projetos, me dá uma preguiça de falar. A Arquitetura é importante, é a minha profissão, passei a vida debruçado na prancheta. Mas o importante é a vida, fazer a vida mais justa, isso é o que é importante e eles ficam assim e logo para eles sentirem bem o meu ponto de vista eu digo: "vocês sabem, quando eu vejo os estudantes na rua protestando, acho que o trabalho deles é mais importante do que o meu".
Paulo Henrique Amorim – Você soube que foi feita uma enquete agora para localizar os cem maiores gênios vivos.
Oscar Niemayer – Eles se enganaram, eu não tenho que estar nisso não...
Paulo Henrique Amorim – E você está entre os dez maiores dos cem. Isso não é uma coisa que te dá alegria?
Oscar Niemayer – Não... quem é que julgou? Quem é que procedeu? Tem tanta gente mais importante.
Paulo Henrique Amorim – Por exemplo?
Oscar Niemayer – Ah... tem tanta gente... são tão importante. A vida é ingrata, é injusta. Eu acho que a gente tem é que... não devemos manter uma posição assim, de falar das coisas, mas por agir. Por exemplo, tem um colega meu aí, ele queria ser arquiteto, mas era muito humilde, ele não podia ser. Então eu estou pagando a escola dele, no fim do ano ele vai ser arquiteto. Mas ele tem um compromisso comigo, ele tem que ler. Então ele já sabe, tem que ler Machado de Assis, tem que ler Graciliano Ramos, tem que ter uma idéia da vida. É preciso, a leitura é indispensável. Eu me lembro que teve um período que eu já muito li muito o Simenon, escritor francês de contos policiais. O pessoal do escritório falava, "para quem ler isso, esse negócio não tem conteúdo nenhum". Mas, um dia eu li um livro do Sartre, onde ele dizia, "hoje li três livros de Simenon". Então, se Sartre leu três livros de Simenon, a leitura é necessária, qualquer leitura é necessária.
Paulo Henrique Amorim – Mas Oscar, por mais que você tenha resistência em falar de arquitetura, um grande amigo seu, que é meu amigo também, o Ítalo Campofiorito deu uma entrevista dizendo assim, "Que o Oscar, ele faz obras tão grandes que acabam se tornando a marca, a cara, a personalidade de uma cidade".

Oscar Niemayer – É um amigo que está falando, não é? Mas é bom, é verdade, eu procuro fazer uma arquitetura diferente. Acho que a arquitetura tem que criar espanto, criar surpresa, é feito a obra de arte, a obra de arte se caracteriza quando ela provoca emoção e surpresa. Então, a arquitetura, ter uma arquitetura diferente, é importante, é a prova da criação. De modo que eu trabalho nisso, eu tenho um projeto para fazer, eu estou nesse caminho, eu tiro metade dos apoios, a arquitetura se faz mais audaciosa, não é, com espaços mais generosos, aí eu posso atuar de uma forma diferente, o que ocorre sem nenhum preconceito antes. Um dia perguntaram ao André Malraux uma pergunta semelhante e ele disse, "eu tenho dentro de mim tudo o que eu amei na vida", isso às vezes me ocorre, de modo que a coisa é espontânea, eu acho que a arquitetura está na cabeça, eu posso, sentado aqui, pensar dois dias num projeto levantar e desenhar. Agora, o desenho é importante também porque surge uma idéia... mas a arquitetura não tem nada de especial. Hoje o concreto permite tudo, no período da renascença, por exemplo, sujeito queria fazer uma cúpula, não passava de quarenta metros de vão. Eu fiz agora o museu de Brasília, tem 80 metros de vão, eu podia ter feito de 150 metros de vão. O arquiteto hoje tem à disposição dele uma técnica fantástica. Ele pode usar como bem entender. Agora, alguns arquitetos procuram fazer alguma coisa mais simples, como se fosse estrutura metálica, outros, como eu, procuram uma forma diferente, a surpresa, e faz parte da arquitetura.
Paulo Henrique Amorim – Por que é que os brasileiros, por exemplo, não se dão conta de que um dos prédios mais lindos de Nova York é de sua autoria, o prédio da ONU?

Oscar Niemayer – Foi da minha autoria. Um dia houve um concurso e escolheram o meu projeto. Nesse projeto eu criava a Praça das Nações Unidas. Tinha um prédio alto no centro, uma grande Assembléia de um lado, outro prédio do outro, então era muito bonito. E foi por unanimidade que escolheram esse projeto. Mas depois, eu mesmo permiti mudar a posição da Assembléia e o projeto mudou, o projeto com a Assembléia grudada em um prédio alto, não é de boa arquitetura.
Paulo Henrique Amorim – Você próprio não gosta muito.
Oscar Niemayer – Eu me arrependo de ter aceitado mudar a posição da assembléia.
Paulo Henrique Amorim – Foi um pedido do Corbusier, não foi?
Oscar Niemayer – Eu era jovem e ele era um mestre e eu atendi, mas foi péssimo, o projeto original era muito melhor.
Paulo Henrique Amorim – A sua memória é perfeita, não é isso? Com cem anos a sua memória está ótima.
Oscar Niemayer – Para algumas coisas sim, para outras não. As coisas ruins eu procuro esquecer.
Paulo Henrique Amorim – Mas, uma vez você estava com um amigo, num restaurante aqui da Avenida Atlântica, o Lucas, e eu estava com a minha filha, que tinha acabado de chegar de Brasília, eu fui mostrar a ela a capital do Brasil. Eu disse para ela, "minha filha, quem está ali é o Oscar Niemayer", e ela, "Ah, aquele da catedral, do Palácio da Alvorada", eu digo, "pois é, vamos lá conhecê-lo?", e eu levei a minha filha para conhecê-lo. Você foi muito gentil, muito simpático e ela perguntou, "como veio à sua cabeça a idéia de fazer aquelas duas bolas do Congresso?". Aí você pegou uma laranja... lembra disso?
Oscar Niemayer – Não.
Paulo Henrique Amorim – Pegou uma laranja, cortou ao meio e disse, "assim ó".
Oscar Niemayer – Realmente, o projeto do Congresso é o que eu gosto mais. Fui um pouco corajoso fazer aquilo, aquilo deu mais trabalho do que parece, não era feito cortar uma laranja. Eu me lembro que tempos depois o engenheiro que calculou, o Joaquim Cardoso, me telefonou e disse, "Oscar, encontrei a tangente que vai permitir que a cúpula da Câmara pareça apenas posada." De modo que fazer uma forma assim, já conhecida, tem problemas de estrutura, enfim, não é fácil de fazer. Eu gosto, o espaço entre elas é bom, o espaço faz parte da arquitetura.
Paulo Henrique Amorim – Mas e aquelas curvas do Palácio da Alvorada, o mundo inteiro copia as suas curvas.
Oscar Niemayer – Você vê que nós estamos com a idéia do prazo na cabeça, tinha que correr. Mas isso não me levou, felizmente, a procurar a solução mais simples, repetida. Em cada caso eu queria uma solução nova. Então eu cheguei àquela solução, dos apoios em curva que eu vi publicado pelo mundo e sem mágoa nenhuma. Quando o sujeito copia uma coisa minha eu acho que ele é gentil, ele gostou daquilo. Há pouco tempo saiu nos Estados Unidos uma nota dizendo que um arquiteto lá tinha copiado um arco que eu fiz ali num projeto. Eu disse logo que não, que não estava zangado não, ele gostou do arco, ele foi gentil.
Paulo Henrique Amorim – É um elogio, o plágio é uma forma de elogio.
Oscar Niemayer – O difícil no mundo, é uma prática que eu faço e realmente é útil, é sempre procurar viver tranqüilo, aceitar as coisas, aceitar a burrice, até a burrice ativa que incomoda.
Paulo Henrique Amorim – A burrice ativa? E tem muito burro ativo, não é? Tem burros dinâmicos.
Oscar Niemayer – Pois é, é respeitar os amigos. Eu sou incapaz de criticar algum arquiteto. Eu acho que ele teve trabalho, procurou fazer, a solução que ele pensou é aquela. Mas o importante na arquitetura é o arquiteto fazer o que ele gosta e não o que os outros gostariam que ele fizesse, esse é o ponto de partida.
Paulo Henrique Amorim – O JK foi o homem público que você mais admira?
Oscar Niemeyer – Não, tem tantos homens públicos... Eu admiro ele, eu admiro a coragem dele, o espírito de empreendedor, de fazer Brasília. tem tanto brasileiro importante. Importante como ele. Por exemplo, uma pessoa que eu admiro muito é o Capanema, que eu lhe dei durante muito tempo.
Paulo Henrique Amorim – Gustavo Capanema, o ministro da Educação.
Oscar Niemeyer – Ministro da Educação, chamou Drummond, foi Capanema que me chamou para Brasília.
Paulo Henrique Amorim – E foi para fazer o prédio do MEC, o primeiro prédio do Ministério da Educação.
Oscar Niemeyer – Não, o prédio é do Corbusier, nós melhoramos. Agora, o trabalho que ele me chamou para fazer Brasília. O Juscelino apareceu e ele me indicou. Essa história mostra que as coisas surgem naturalmente. Eu trabalhava numa universidade e não gostei da universidade, pedi demissão, Capanema não aceitou a minha demissão e deixou para mim um bilhete. Eu fiquei um ano lá, ajudando, uma coisa e outra ligada a arte, com o Drummond, aquela turma do gabinete dele e ficamos muito amigos. Então, quando veio o Juscelino, ele me indicou. Quer dizer, se eu não tivesse brigado na universidade e saído e o Capanema me chamado para o gabinete, não aceitando a minha demissão, eu não tinha ficado amigo dele, e ele não me indicaria. Capanema foi fundamental na minha vida de arquiteto.
Paulo Henrique Amorim – Como está a encomenda que o Chávez fez, de fazer um Memorial para o Bolívar?
Oscar Niemeyer – Não, não tem encomenda. Ele esteve aqui, muito simpático, falou muito em Bolívar. Eu tinha idéia de um monumento e mandei para ele como presente. E admiro, é um sujeito patriota, ele quer melhorar o país, ele acha que um bom governo pode continuar mais tempo...
Paulo Henrique Amorim – Isso para você não é uma coisa grave?
Oscar Niemeyer – Não, acho que ele tem o direito, ele está no clima de revolução, ele tem que defender a revolução e lutar contra tudo. Me lembro, por exemplo, uma vez eu fiz uma mesquita em Argel. E o presidente da República, (Houari) Boumedienne, foi um grande general lá. Eu levei a mesquita para ele e eu me lembro que ele disse assim: "Mas essa é uma mesquita revolucionária". Eu disse: "A revolução não deve parar". Eu estava tão certo. A revolução não deve parar. A revolução tem que continuar brigando, senão ela acaba, se as forças contrárias fossem crescendo. De modo que a Revolução Cubana ainda existe. Qualquer revolução dessas – o Chávez também –, os inimigos da revolução estão lá. A revolução está em curso, não sumiu ainda. E quando sumir tem que continuar testando a continuidade.

Paulo Henrique Amorim – Você diria que hoje você é politicamente mais radical do que 50 anos atrás?
Oscar Niemeyer – Não. Eu desculpo muito as pessoas. Eu custo muito a ter raiva de uma pessoa. Acho que toda pessoa tem um lado bom. Eu sou incapaz de criticar o trabalho de um arquiteto, mesmo que eu não esteja de acordo. A gente tem que procurar o equilíbrio, isso é que faz bem inclusive para a saúde.
Paulo Henrique Amorim – Como é que está a saúde?
Oscar Niemeyer – Eu nunca tive doente.
Paulo Henrique Amorim – Nada?
Oscar Niemeyer – Nada.
Paulo Henrique Amorim – Como é que é a sua dieta?
Oscar Niemeyer – Vida normal, como de tudo.
Paulo Henrique Amorim – Come de tudo?
Oscar Niemeyer – Como muito pouco, não gosto de comer muito. Tomo meu vinho de tarde.
Paulo Henrique Amorim – Vinho tinto?
Oscar Niemeyer – É. Os amigos que batem papo, isso ajuda.
Paulo Henrique Amorim – Fuma?
Oscar Niemeyer – Fumo. Agora estou fumando mais.
Paulo Henrique Amorim – Mais?
Oscar Niemeyer – É, porque eu fico meio sozinho, aí sou obrigado a fumar.
Paulo Henrique Amorim – Mas o médico não reclama? O coração, essas coisas.
Oscar Niemeyer – O médico vem aqui de vez em quando, eu chamo ele para bater papo, para dizer que está tudo bem, me sinto à vontade.
Paulo Henrique Amorim – E fuma na frente dele?
Oscar Niemeyer – Ele diz que posso fumar.
Paulo Henrique Amorim – E qual é a sua rotina de trabalho?
Oscar Niemeyer – Eu chego aqui, tenho que atender a imprensa. Tem gente de fora, gente do Brasil, gente que tem vontade de me conhecer. Então, meus dias são ocupados. Às vezes tem um dia mais folgado e eu chamo os amigos e começamos a trabalhar. Aí trabalho o que for preciso.
Paulo Henrique Amorim – Noite a dentro, se for preciso?
Oscar Niemeyer – Não, não tenho trabalhado de noite.
Paulo Henrique Amorim – Mas nesse momento você faz o que, por exemplo?
Oscar Niemeyer – O último trabalho – estou com ele na prancheta – é um museu para a Espanha. É um museu que me agrada muito, que é uma praça grande e tem um auditório para mil pessoas e o museu do outro lado. Então, é feito um monumento para ser criado na Espanha. O museu é uma coisa nova, diferente e o auditório também, o teatro. De modo que interessa muito. Mas tem esse trabalho que eu estou fazendo para o governador de Brasília que é importante. Eu inventei uma cúpula que é uma placa solta no ar com cem metros por oitenta. Essa placa podia abrigar um campo de futebol.
Paulo Henrique Amorim – E isso vai ser o que?
Oscar Niemayer – Isso vai ser para as grandes festas populares. Embaixo dessa placa ele vai poder convocar de trinta a quarenta mil pessoas. De modo é um trabalho assim que me anima mais. E, além disso tem um circo e um auditório. Então, uma obra para Brasília é muito importante.
Paulo Henrique Amorim – É uma praça do povo.
Oscar Niemayer – Também estou fazendo para Minas um projeto que está dando trabalho. Eu quero substituir aqueles prédios antigos, como é que chamava aquilo? No lugar daquelas construções antigas vou fazer um novo centro administrativo.
Paulo Henrique Amorim – Ah, o novo centro administrativo do Governo de Minas, em Belo Horizonte. É você que vai fazer?

Oscar Niemayer – Já está entregue tudo...
Paulo Henrique Amorim – Já está andando? Já está entregue?
Oscar Niemayer – Então, com isso, adotei nesse caso uma arquitetura mais em altura, invés de fazer quarenta secretarias, ou trinta e tantas, eu fiz só duas.
Paulo Henrique Amorim – Duas?!
Oscar Niemayer – Dois prédios de duzentos metros com vinte andares. Então, com essa solução, o terreno pareceu que tinha crescido. Os planos ficaram mais generosos. É engraçado que o prédio do Palácio (do Governador), que eu projetei também, é direta. Então, é uma solução tão esclarecida, sob o ponto de vista da arquitetura, que eu rejeitei e nunca fiz isso, projetei uma ruazinha defronte para depois de construir o conjunto o pessoal passar e sentir que foi uma obra bem pensada. A arquitetura deve ser usada com coragem, assim, sem medo de espantar as pessoas.
Paulo Henrique Amorim – Você está construindo uma nova cidade em Belo Horizonte. Eu pergunto, olhando para trás, 50 anos para trás, você acha que Brasília deu certo?
Oscar Niemayer – Eu acho, Brasília deu certo, é isso que ele (JK) queria, levar o progresso para o interior e eu acho que ele levou. Tem problemas em Brasília, por exemplo, tem as cidades satélites que tem mais gente que em Brasília.
Paulo Henrique Amorim – Do que em Brasília propriamente dito.
Oscar Niemayer – Brasília é aquilo. Eu gosto mesmo é do Rio. Do Rio da praia, dos amigos, de olhar para o mar, de sentir que a natureza é fantástica.
Paulo Henrique Amorim – E São Paulo?
Oscar Niemayer – São Paulo é isso, as ruas eram estreitas, os prédios subiram, as ruas continuaram da mesma largura, ficou um prédio contra o outro. O único lugar do mundo que eu conheço que arquitetura e altura são tão bem aplicadas é na França, na Île-de-France. Île-de-France, os prédios grandes, mas os espaços horizontais acompanham os prédios também, são mais generosos, mostram essa relação de volume e espaço livre tão bem cuidada. Então é muito bonita, a Île-de-France. Agora, usar arquitetura e altura sem esse sentimento de compreensão dos espaços, como Nova York por exemplo, é uma merda.
Paulo Henrique Amorim – Mas São Paulo é Nova York multiplicada por dez.
Oscar Niemayer – Pois é, eu estou dizendo. Estou dizendo que São Paulo é ruim também porque é o mesmo espírito. Não há essa relação de volume e espaço livre que a boa arquitetura exige.

Paulo Henrique Amorim – Você conhece essa frase do Chico Buarque, "a música do Tom é uma casa desenhada pelo Niemayer".


Oscar Niemayer – Nós estamos fazendo uma revista de arquitetura, (como a que) tivemos uma há tempos atrás.
Paulo Henrique Amorim – A Modulo?  
Oscar Niemayer – Agora é outra. O nome da revista é Nosso Caminho. A idéia que dá é o nosso caminho para frente. Então, nessa revista, a arquitetura tem uma terça parte, o resto artigos variados, filosofia, história, letras. Mas essa revista, nós já estamos pensando no meio da revista uma página com um retrato do Chico e um textozinho. É uma homenagem da revista, desse primeiro número para o Chico.
Paulo Henrique Amorim – E quem é que dirige a revista, é você?
Oscar Niemayer – Não, quem dirige é a minha mulher. Eu cuido assim das coisas de organização das páginas.
Paulo Henrique Amorim – Da paginação, a parte gráfica.
Oscar Niemayer – É.

Paulo Henrique Amorim – Que legal, quando sai essa revista?

Oscar Niemayer – Está pronta, estamos acertando os textos e tudo. É uma revista assim, aberta para o conhecimento. São artigos, tem artigos do Ferreira Gullar, tem artigo do...
Paulo Henrique Amorim – Do Gullar deve ser sobre artes plásticas.
Oscar Niemayer – Artes plásticas, tem artigo do Fiori.
Paulo Henrique Amorim – José Luiz Fiori.
Oscar Niemayer – São cinco artigos, os mais variados.
Paulo Henrique Amorim – E seu não tem nenhum?
Oscar Niemayer – Tem meu também.

Paulo Henrique Amorim – Sobre o que?

Oscar Niemayer – Eu estou querendo usar um artigo que eu falei sobre arquitetura também. Mas sem fugir do assunto da vida.
Paulo Henrique Amorim – Mas você roda, roda, roda e volta para a arquitetura.
Oscar Niemeyer – Se você concordar que nós fazemos arquitetura para o poder, a arquitetura não chega aos barracos. Então, a arquitetura que deve crescer em função da técnica e da sociedade, está faltando essa parte. Ela evoluiu, a arquitetura hoje é mais rica, imensamente mais rica, como solução técnica do que antigamente. Mas continua voltada para os que têm direitos à arquitetura, às classes mais favorecidas. O pobre está na favela olhando os palácios.
Paulo Henrique Amorim – Você diria que seria, em resumo, o seguinte: eis o que lhes devia dizer sobre a minha arquitetura, feita com coragem e idealismo, mas consciente de que o importante é a vida. Os amigos e esse mundo injusto que precisamos melhorar.

Oscar Niemeyer – Exatamente.
Paulo Henrique Amorim – Mas isso é seu.
Oscar Niemeyer – É, é o que eu penso.

Oscar Niemeyer, Belo Horizonte, Brasília e o mundo!

Publicado no Blog do Chico Maia - 06 de dezembro de 2012 às 07:07 
 
Com tristeza vi a notícia da morte do Oscar Niemeyer, lúcido, ainda trabalhando, entre uma internação e outra, mesmo perto de completar 105 anos de idade, que seria dia 15.
Mas fiquei feliz ao abrir a caixa de mensagens e ver uma nota oficial do prefeito Marcio Lacerda falando dessa figura genial, tão importante em nossa história.


Um dos brasileiros que eu mais admiro é Oscar Niemeyer, não só por tudo que ele representa, mas principalmente pela ligação conosco, mineiros, por causa do maior político que o país já teve, Juscelino Kubitschek.
Quando prefeito, JK trouxe o recém formado arquiteto para fazer de Beagá um laboratório do que seria Brasília. Dali em diante o mundo todo passou a contratar obras do Niemeyer, sempre com referências a Belo Horizonte e Brasília.
Durante a Copa de 1998, numa livraria em Paris, peguei um livro que tinha Brasília na capa. Um senhora perguntou se eu era brasileiro e eu disse que era de Belo Horizonte, ela se empolgou e começou a falar coisas da nossa capital que nem eu sabia. Era uma professora, fã de Oscar Niemeyer e sabia tudo sobre a origem dele. E disse que passaria as próximas férias dela no Brasil, com prioridade para o Rio, Brasília e Belo Horizonte.
Ano passado, em Guadalajara, durante os jogos Pan-Americanos, ocorreu fato parecido, porém, numa loja de DVDs e artigos eletrônicos. No telão era exibido um documentário sobre arquitetura, com destaque para Niemeyer. Fui tratado como uma sub-celebridade quando as pessoas viram em minha credencial, pendurada no peito, que eu era de Belo Horizonte.

A nota oficial do prefeito:
* “Prefeito Marcio Lacerda lamenta morte de arquiteto Oscar Niemeyer”
  “Não há outra definição para Oscar Niemeyer senão a de que ele é, sempre será, um dos grandes gênios da humanidade. Dono de uma personalidade criativa e cativante, marcou a arquitetura brasileira do século 20, da qual é, certamente, o maior representante. Surpreendeu o mundo com as linhas curvas e ousadas dos seus projetos. Como prefeito de Belo Horizonte, só posso dizer, e afirmo com certeza, que todos os belo-horizontinos sentem-se muito honrados com o fato da nossa capital ter sido o berço do trabalho de Oscar Niemeyer, com o Conjunto Arquitetônico da Pampulha. Falar da perda desse grande brasileiro é muito triste, mas ele deixou, para nós, a alegria de contemplarmos as suas obras e o privilégio de constatarmos, em cada uma delas, a marca da sua genialidade” 
Marcio Lacerda
Prefeito de Belo Horizonte

Na primeira foto, no início deste texto, Niemeyer, Israel Pinheiro, outro grande nome da história de Minas, Lúcio Costa e JK.

Oscar Niemeyer, expoente internacional da arquitetura moderna, morre aos 104

Publicação: UOL, em São Paulo
Tuca Vieira/Folha Imagem
  • O arquiteto Oscar Niemeyer em seu escritório em Copacabana, no Rio, em dezembro de 2004 O arquiteto Oscar Niemeyer em seu escritório em Copacabana, no Rio, em dezembro de 2004
O arquiteto Oscar Niemeyer, ícone da arquitetura moderna e um dos brasileiros mais reconhecidos no mundo, morreu nesta quarta-feira (5), aos 104 anos. Ele estava internado há 33 dias no Hospital Samaritano, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro, por causa de uma infecção urinária. Ele também teve uma infecção respiratória e respirava com a ajuda de aparelhos.
Niemeyer foi um dos principais expoentes da arquitetura moderna e projetou o Brasil internacionalmente. O carioca ganhou reconhecimento a partir da exploração das possibilidades plásticas e construtivas do concreto armado, produzindo obras grandiosas e inventivas, marcadas pelo abuso de curvas em detrimento das linhas e ângulos retos.
Suas obras --prédios públicos e privados, monumentos, esculturas e igrejas-- marcam a paisagem das principais cidades brasileiras e espalham-se por vários países do mundo, como Estados Unidos, França, Espanha, Alemanha, Itália, Argélia, Israel e Cuba, entre outros.
Niemeyer projetou grande parte das obras de Brasília, entre elas a praça dos Três Poderes, os prédios do Congresso Nacional, do STF (Supremo Tribunal Federal) e o Palácio do Planalto.

Oscar Niemeyer: qual é a sua obra favorita do arquiteto?

Foto 10 de 22 - O Auditório Ibirapuera, um dos prédios integrantes do Parque Ibirapuera, em São Paulo (SP). O edifício, projetado em 1999, já estava previsto por Oscar Niemeyer na época da construção do parque. Sua inauguração ocorreu em 2005 Divulgação
Em São Paulo, projetou o Memorial da América Latina, o edifício Copan e as construções do Parque do Ibirapuera; no Rio, concebeu o Museu de Arte Contemporânea de Niterói e a Marquês de Sapucaí; em Belo Horizonte, projetou todo o Conjunto Arquitetônico da Pampulha.
Gostava de desenhar, e o desenho levou-me à arquitetura. Lembro-me que ficava com o dedo no ar desenhando. Minha mãe perguntava: 'o que está fazendo menino?' 'Desenhando', respondia com a maior naturalidade.
O arquiteto desenhou também esculturas e mobílias, escreveu livros e, depois do centenário, lançou até um disco de samba. Marxista convicto, militou no PCB (Partido Comunista Brasileiro) durante várias décadas, mudou-se para a França durante a ditadura militar e manteve amizade com Luís Carlos Prestes e Fidel Castro.

Juventude e começo da carreira

Niemeyer nasce em 15 de dezembro de 1907 no Rio, filho de Oscar Niemeyer Soares e Delfina Ribeiro da Almeida. Sua família tinha ascendência portuguesa, árabe e alemã. Cresceu no bairro de Laranjeiras, onde se casou com Annita Baldo em 1928.
Em 1929, iniciou os estudos na Escola Nacional de Belas Artes, dirigida pelo também arquiteto Lucio Costa, com quem Niemeyer começou a trabalhar em 1932.
"Gostava de desenhar, e o desenho levou-me à arquitetura. Lembro-me que ficava com o dedo no ar desenhando. Minha mãe perguntava: 'o que está fazendo menino?' 'Desenhando', respondia com a maior naturalidade. Realmente, fazia formas no espaço, formas que guardava de memória, corrigia e ampliava, como se as tivesse mesmo a desenhar", afirmou o arquiteto, em declaração publicada na página do Instituto Oscar Niemeyer.
Em 1934, obteve diploma de engenheiro e arquiteto. Dois anos depois, conheceu o arquiteto modernista Le Corbusier. A obra do francês o influenciou de forma decisiva.

Especial Oscar Niemeyer: Trajetória do arquiteto

Foto 16 de 62 - Niemeyer autografa seu livro de memórias "As Curvas do Tempo", em 1998 AFP
Viajou aos Estados Unidos em 1938 e elaborou o projeto do Pavilhão do Brasil na Feira Mundial de Nova York.
Em 1945, ingressou no PCB e iniciou sua amizade com Prestes, a quem na velhice ajudaria a sustentar. "Fui sempre um revoltado. Da família católica eu esquecera os velhos preconceitos, e o mundo parecia-me injusto, inaceitável. A miséria a se multiplicar como se fosse coisa natural e aceitável. Entrei para o Partido Comunista abraçado pelo pensamento de Marx."
Regressou a Nova York em 1947, onde participou, ao lado de arquitetos do mundo todo, do projeto da sede da ONU (Organização das Nações Unidas).
Em 1950, foi publicada a obra "The Work of Oscar Niemeyer" ("O Trabalho de Oscar Niemeyer"), do arquiteto e historiador grego Stamo Papadaki, que ajudou a divulgar o arquitetura de Niemeyer no exterior.
Fui sempre um revoltado. Da família católica eu esquecera os velhos preconceitos, e o mundo parecia-me injusto, inaceitável. A miséria a se multiplicar como se fosse coisa natural e aceitável. Entrei para o Partido Comunista abraçado pelo pensamento de Marx
Em 1954, fez sua primeira viagem à Europa, onde conheceu França, Itália, Alemanha, República Tcheca e a União Soviética.
No ano seguinte, fundou a revista "Módulo", que circulou, em edições mensais, até 1965, quando sua publicação foi interrompida pelo governo militar "a revista foi retomada em 1975 e editada até 1987.

Brasília e golpe militar

Em 1956, Niemeyer foi convidado pelo presidente e amigo Juscelino Kubitschek para projetar a nova capital do país e organizar o concurso para a escolha do plano piloto, vencido por Lucio Costa. Dois anos depois, Niemeyer mudou-se para Brasília.
"E ali ficamos durante vários anos. Longe de tudo. Cobertos dessa poeira vermelha que durante os períodos de seca se incrustava na pele e, na estação das chuvas, paralisados pelas águas torrenciais que caíam sem controle sobre essa terra sem defesa."
Em 1962, foi nomeado coordenador da Escola de Arquitetura da recém-fundada UnB (Universidade de Brasília), após convite do reitor Darcy Ribeiro. No ano seguinte, ganhou o Prêmio Lênin da Paz, concedido pela União Soviética.
Em 1964, quando estava em Lisboa, recebeu a notícia do golpe que instaurou a ditadura militar. Retornou ao país no final do ano, após passagem por Israel. "Levei um grande susto com a notícia do golpe. Durante três dias, não descolava o ouvido do rádio, na expectativa de uma boa notícia qualquer. Nada se passava e nós estávamos aflitos, temendo um novo período de opressão e obscurantismo. Foi em abril de 1964", recordou Niemeyer.
Em 1965, demitiu-se da UnB assim como outros 200 professores, em protesto contra a influência militar na universidade. Na época, a sede da revista "Módulo" foi parcialmente destruída, e o escritório de Niemeyer, saqueado.

Vida no exterior

No ano seguinte, Niemeyer viajou a Paris para acompanhar exposição da sua obra no Museu do Louvre. Dois anos depois, impedido de trabalhar no Brasil e depois de os militares embargarem seu projeto para o aeroporto de Brasília, mudou-se para a capital francesa.
Em 1968, mudou-se para a Argélia para dedicar-se a vários projetos, a convite do presidente do Conselho Revolucionário Argelino, Houari Boumediène, líder da independência do país. Quatro anos depois, Niemeyer voltou a Paris, abrindo um escritório na famosa avenida Champs-Élysées.
No ano de 1975, publicou, em Milão, na Itália, seu primeiro livro ("Oscar Niemeyer"), que traz uma retrospectiva de sua obra e trajetória. Em 1978, de volta ao Brasil, participou da fundação e foi eleito presidente do Cebrade (Centro Brasil Democrático). Em 1988, recebeu o Prêmio Pritzker de arquitetura, e, no ano seguinte, foi condecorado na Espanha com o prêmio Príncipe de Astúrias.
Levei um grande susto com a notícia do golpe [militar no Brasil]. Durante três dias, não descolava o ouvido do rádio, na expectativa de uma boa notícia qualquer. Nada se passava e nós estávamos aflitos, temendo um novo período de opressão e obscurantismo. Foi em abril de 1964
Na década de 90, Niemeyer foi premiado com a medalha do Colégio de Arquitetos de Catalunha (em 90), com o Prêmio Leão de Ouro da Bienal de Veneza (em 96) e com a tradicional Royal Gold Medal (em 98), concedida pelo Instituto Real dos Arquitetos Britânicos. No mesmo ano, publicou um livro de memórias: ?As Curvas do Tempo?. Em 1999, lançou sua primeira obra de ficção, "Diante do Nada".

Últimos anos

A mulher do arquiteto, Annita, morreu em 2004; dois anos depois, Niemeyer casou-se com Vera Lúcia, que era sua secretária.
Em 2007, ao completar cem anos de idade, Niemeyer recebeu diversas homenagens e foi tema de muitas exposições e eventos. No ano seguinte, fundou no Rio a revista "Nosso Caminho". Dois anos depois, aventurou-se no mundo da música, com o disco de samba de raiz "Tranquilo com a Vida", gravado em parceria com seu enfermeiro Caio Almeida e com o músico Edu Krieger.
Também em 2008 foi inaugurada uma escultura do brasileiro em homenagem ao povo cubano na Universidade de Ciências Informáticas de Havana; um presente de Niemeyer ao líder Fidel Castro.

Conheça as principais obras de Niemeyer e escolha a sua preferida

Foto 27 de 50 - Fachada iluminada do Palácio Itamaraty, sede do Ministério da Relações Exteriores projetada por Niemeyer Sergio Lima/Folhapress
Em 25 de março de 2011 foi inaugurado em Avilés, na Espanha, o Centro Cultural Oscar Niemeyer, mas o espaço foi fechado nove meses depois, por determinação do governador da província. O fechamento irritou Niemeyer e provocou protestos na cidade.
No dia 8 de fevereiro de 2012, em sua última grande aparição em público, o arquiteto acompanhou a inauguração do sambódromo do Rio, que havia passado por reformas de ampliação e adequação da obra ao projeto original.
Na ocasião, Niemeyer foi aplaudido por operários da obra e agradeceu: "Estou muito feliz. Essa obra não é só minha, é do grupo que trabalha comigo. Estou muito contente e entusiasmado em ver um trabalho como esse, que foi feito para alegrar o povo."
Niemeyer deixa uma filha netos, bisnetos e trinetos. Sua filha, Anna Maria, morreu em junho, aos 82 anos, por complicações decorrentes de um enfisema pulmonar.

Morre no Rio o arquiteto Oscar Niemeyer


Morre, aos 104 anos, o arquiteto Oscar Niemeyer Artista faleceu às 21h55 desta quarta-feira, dez dias antes de completar 105 anos, em decorrência de uma infecção respiratória. Mulher e sobrinho estavam ao lado dele

Daniel Silveira
Publicação: 05/12/2012 22:01 Atualização: 06/12/2012 07:00


A causa morte do centenário gênio ainda não foi informada pela equipe médica (Wanderlei Almeida)
A causa morte do centenário gênio ainda não foi informada pela equipe médica

Ele deixou o mundo mais bonito. Comunista inveterado, queria ser lembrado como um homem qualquer - pedido que jamais será atendido. Sua genialidade está materializada em 124 cidades espalhadas por 27 países. E não é só por ter revolucionado a arquitetura que ele será lembrado por gerações. Oscar Niemeyer é exemplo de talento, simplicidade, simpatia e longevidade. Aos 104 anos, ele fechou os olhos para sempre, às 21h55 desta quarta-feira, 5 de dezembro, no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, onde estava internado desde o dia 2 do mês passado. Mas o olhar do gênio carioca jamais se apagará.

Foi no mesmo hospital que em 6 de junho deste ano morreu, aos 82 anos, Anna Maria Niemeyer, única filha do arquiteto, fruto do casamento com Anita Baldo, que lhe deu cinco netos, treze bisnetos e quatro trinetos. Anna Maria trabalhava na área de design de mobiliário e design gráfico e chegou a colaborar em alguns projetos do pai.

Infecção respiratória foi a causa morte do centenário gênio, conforme divulgado pela equipe médica que o assistiu nas últimas semanas. O arquiteto estava acompanhado nesta noite pela mulher Vera e pelo sobrinho Cadu. Esta foi a terceira internação de Niemeyer nos últimos dois meses. Em 13 e em 28 de outubro ele passou pelo Hospital Samaritano para se tratar de um quadro de desidratação. Na derradeira ida à unidade médica, ele apresentava complicações renais e receberia uma sonda gástrica. De acordo com os médicos, ele se manteve lúcido até o final.

Nascido em 15 de dezembro de 1907 no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, Oscar Niemeyer Ribeiro de Almeida Soares é filho de Oscar de Niemeyer Soares e Delfina Ribeiro de Almeida. A rua em que nasceu, anos mais tarde, recebeu o nome de seu avô Ribeiro de Almeida, ministro do Supremo Tribunal Federal, de quem o arquiteto exaltava a lisura na vida pública. Niemeyer se casou aos 21 anos, em 1928, com Anita Baldo, 18 anos, filha de imigrantes italianos da província de Pádua. Seu ingresso no mundo da arquitetura ocorreu no mesmo ano, quando se matriculou na Escola Nacional de Belas-Artes, no Rio de Janeiro. Formado engenheiro-arquiteto em outubro de 1934, ele iniciou sua trajetória profissional no ano seguinte e em 1936 apresentou o projeto da Obra do Berço, na capital fluminense, primeiro exclusivamente seu a ser construído.

Trabalho incessante


 (Wanderlei Almeida)
Na penúltima internação, em outubro deste ano, o arquiteto foi enfático com a equipe médica: queria alta hospitalar para continuar o trabalho, ou melhor, os trabalhos. Seria um equívoco dizer que ele queria voltar a trabalhar, pois nunca parou. Durante oito décadas, ele projetou mais de 400 obras, das quais pouco mais de 50 foram executadas com vivo. Mas, certamente, muitas construções com a rubrica do grande mestre ainda serão erguidas.

Uma das obras que Oscar Niemeyer não viu pronta é a Catedral Cristo Rei, que está sendo erguida no Bairro Juliana, em frente à Estação BHBus Vilarinho, na Avenida Cristiano Machado, Região Norte de Belo Horizonte e ocupará 22 mil metros quadrados. A capacidade é para 5 mil pessoas sentadas, com mil vagas de estacionamento.

Quando o projeto da nova catedral foi apresentado, em 2011, o arquiteto disse que ela seria sua última obra. “A Catedral Cristo Rei muito me encanta. É especial. Tenho grande satisfação e realização por esse projeto, tanto que foi escolhido para ser a capa do livro sobre as catedrais que eu e minha equipe projetamos. É um projeto que me gratifica. A Catedral Cristo Rei é a última que faço”, declarou.

De Beagá para o mundo
Foi justamente em Belo Horizonte que Niemeyer se tornou símbolo da vanguarda. A convite de Juscelino Kubitscheck, então prefeito da cidade, o arquiteto projetou o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, considerado o marco da arquitetura moderna no país. Inaugurado em 1943, ele é composto pelo Cassino, que hoje funciona como Museu de Arte, a Casa do Baile, o Iate Golf Clube e a Igreja São Francisco de Assis, conhecida como a Igrejinha da Pampulha, com traços abstratos e um mural pintado por Cândido Portinari.

Além da Pampulha, a capital mineira tem as curvas do gênio também na Praça da Liberdade. Lá estão o prédio que leva o nome do autor que o concebeu, o Edifício Niemeyer, e a Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa. No Centro de BH há ainda o Conjunto JK, inicialmente projetado para ser um museu de arte moderna, mas se tornou um complexo residencial de dois blocos, com 1086 apartamentos, onde moram cerca de 5 mil pessoas, erguido sobre um terminal rodoviário.

Há ainda, também na região central da cidade, a Escola Estadual Governador Milton Campos, mais conhecida como Estadual Central, cujo prédio foi construído no formato de uma régua T, com um teatro em forma de mata-borrão, a caixa-d’água com a forma de um giz de cera e o anexo simulando uma borracha.

BH se consolidou como referência da arquitetura de Niemeyer em 2010, quando foi inaugurada a Cidade Administrativa, sede do governo estadual. Trata-se de uma obra monumental, com curvas mais que audaciosas formando o Palácio Tiradentes, erguida sobre apenas quatro colunas de concreto.

Sobre as curvas, marca inconfundível de toda a sua criação, Oscar Niemeyer celebrava a vida, o Brasil e a ciência. “Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein”, declarou o gênio.



Cronologia de Niemeyer pela Revista Veja: http://veja.abril.com.br/cronologia/niemeyer/


Especiais pelo Portal UOL:
Album de fotos: Qual sua obra favorita do arquiteto Oscar Niemeyer?
Album de fotos: Trajetória do Arquiteto
  Saiba mais sobre Oscar Niemeyer

"Foi um privilégio ter a presença de Niemeyer nas nossas vidas", diz Ziraldo
 Oscar Niemeyer "mudou a arquitetura do mundo", diz o poeta Ferreira Gullar
 Dilma, Cabral, ministra da Cultura e políticos homenageiam Oscar Niemeyer

Especiais pelo Jornal O Globo

Especiais pelo Jornal Estado de Minas:



Corpo de Niemeyer será velado hoje no Palácio do Planalto 
Vídeo: Oscar Niemeyer fala sobre o Memorial da América Latina, em São Paulo 
Vídeo: Aos 100 anos, Niemeyer fala sobre vida e arquitetura. Veja a entrevista 
Vídeo: Oscar Niemeyer e a Casa do Baile, na Pampulha 
Para Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Niemeyer é "ícone da arquitetura moderna" 
Estilo de Niemeyer marcou rupturas e dialogou com o movimento modernista 
Médico afirma que Niemeyer só perdeu a lucidez na manhã da véspera de sua morte