Magazine Luiza

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Acompanhando a CPI do Futebol XI - Os Panamá Papers - Os dribles do Romário - CPI II na Câmara. Vai que dá Zebra...

===== CPI na Câmara =====



Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, investigar e apurar as denúncias noticiadas no dia 27 de maio de 2015, sobre sete dirigentes da FIFA acusados de vários crimes, incluindo fraude, suborno e formação de quadrilha, e presos na Suíça (há o envolvimento de três brasileiros, conforme o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, sendo um deles José Maria Marin, ex-presidente da CBF e atual vice-presidente da instituição) – Máfia do Futebol - Reunião de Instalação e Eleição - - Instalação da Comissão e Eleição do Presidente e dos Vice-Presidentes.


Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, investigar e apurar as denúncias noticiadas no dia 27 de maio de 2015, sobre sete dirigentes da FIFA acusados de vários crimes, incluindo fraude, suborno e formação de quadrilha, e presos na Suíça (há o envolvimento de três brasileiros, conforme o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, sendo um deles José Maria Marin, ex-presidente da CBF e atual vice-presidente da instituição) – Máfia do Futebol - Reunião Deliberativa - - Deliberação de Requerimentos.

Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, investigar e apurar as denúncias noticiadas no dia 27 de maio de 2015, sobre sete dirigentes da FIFA acusados de vários crimes, incluindo fraude, suborno e formação de quadrilha, e presos na Suíça (há o envolvimento de três brasileiros, conforme o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, sendo um deles José Maria Marin, ex-presidente da CBF e atual vice-presidente da instituição) – Máfia do Futebol - Reunião Deliberativa - - Deliberação de Requerimentos.

===== CPI no Senado =====





16/03/2016 - CPI do Futebol - Amparado por habeas corpus, presidente em exercício da CBF responde a poucas perguntas

 Reunião da CPI do Futebol 22/03/2016




Na sessão plenária do dia 07 de abril de 2016, o presidente do Senado, Renan Calheiros, suspendeu as convocações de testemunhas aprovadas na CPI do Futebol. Mesmo os requerimentos de convocação tendo sido aprovados dentro da legalidade. Imediatamente senadores que estavam no plenário questionaram a decisão de Renan e lembraram que uma atitude como aquela abriria um precedente gravíssimo contra as decisões de comissões de inquérito.


Quando comecei a acompanhar a CPI do futebol eu avisei que o assunto não era futebol e que o Romário  não teria vida fácil. (Acompanhando a CPI do Futebol - Será lúdico... mas espero que seja sério...)

O assunto é sonegação, propinas, enriquecimento ilícito,  lavagem de dinheiro, desvio de dinheiro público,  manipulação da opinião pública,  obstrução da justiça;  Pois é: não é impeachment da Dilma. Estou falando da CPI do Futebol.

O mesmo futebol que na ditadura militar aproveitou a grande geração nascida espontaneamente no Brasil (com Pelé,  Garrincha, Tostão e Rivelino) para dar circo ao povo que precisava muito mais de pão. Era uma ferramenta de ópio popular.  Hoje transformou-se em forma de financiamento para o oligopólio cartelizado da mídia ter fôlego para continuar dando ópio ao povo e manipulando sua opinião.

O blog  do Fernando Rodrigues, que pertence ao Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês) e nos proporcionou as reportagem investigativas que mostrou 1% quase 2% dos nomes presentes no SwissLeaks, agora está mostrando uma sequência de reportagens de um escândalo financeiro tão grande quanto.  Os Panamá papers, (A apuração baseia-se num acervo de cerca de 11,5 milhões de arquivos do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca, obtidos pelo jornal alemão “Süddeutsche Zeitung” e compartilhado com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos ). Mossack Fonseca é aquele mesmo que ao investigar o apartamento do Guarujá do Ex-presidente e quase ministro Lula, o juiz de primeira instância de maior poder midiático do Brasil Sergio Moro encontrou mas não quis aprofundar as investigações. (Depoimento do Lula: "Nunca antes nesse país..." (O país da piada pronta))

Nessas investigações do Fernando Rodrigues (e mais alguns repórteres do UOL, RedeTV e Estadão) o futebol está muito presente. Incluindo jogadores atuais ( como o Dudu do palmeiras, Cruzeirense de base) e também do passado como Sony Anderson. Mas com o que mais chama atenção são os contratos de direitos de transmissão e patrocínio dos grandes eventos.

(No final do post vou colocar os links de todas as reportagens do Panamá Papers que foram a público até agora.)

Jamil Chade, quando deu um belo depoimento na CPI do Futebol,  avisou que as investigações ajudadas pela delação de José Hawilla estavam em curso e que muita coisa apareceria. Essas investigações desaguam nos Panamá papers. A Lava jato também chegou no Panamá papers. Se quiser investigar o ex-presidente da TeleRJ Eduardo Cunha, também vai chegar no Panamá Papers.

O modus-operandis para a sonegação fiscal e lavagem de dinheiro usada para a compra de direitos de transmissão da copa do mundo é o mesmo usado para privatizar uma praia pública.

Vamos lembrar que o Pedro Barusco em seu acordo de delação devolveu U$90 milhões de dolares roubados através de propina da Petrobrás, no maior caso de repatriação de verba da história da justiça brasileira.  E que José Awilla devolveu US$ 151 milhões, mais que 50% a mais (quase meio bilhão de reais, Bilhão, com B de Bobocas) para a justiça americana (nesse caso nós perdemos essa repatriação, não fizemos o trabalho direito e deixamos os americanos fazerem)!  Futebol dá mais dinheiro aos bandidos que o petróleo. (ou não sei se é os bandidos do futebol são mais competentes que os bandidos do petróleo). A sonegação mostrada pelo Panamá papers é aquela que o estado brasileiro ainda não viu. Pois quando ela percebe e manda cobrança os sonegadores recorrem a outros bandidos, esses com curso superior e doutorado, pagam uns milhõesinhos para esses bandidos advogados para não precisar pagar vários milhõesões para a educação saúde e infraestrutura brasileira. (Acompanhando a Operação Zelotes IX (CPI do CARF): R$1,4 Trilhões + R$0,6 Trilhões = R$2,0Trilhões. Sabe do que eu estou falando?)

Mais duas lembranças sobre o J Awilla.
1) Em seu acordo além de devolver os quase meio bilhão de reais para a FBI, ele se declarou culpado pelos crimes de extorsão, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução da justiça...
Espero que você não seja conivente com esses crimes.

2) Enquanto ele cometia esses crimes ele era dono de re-transmissoras da Rede Globo no interior de São Paulo (A TV TEM ) e um dos altos dirigentes da companhia que negociava direito de transmissão e patrocínio para nosso futebol. Era sócio dos filhos de Roberto Marinho. Ele mesmo sócio de Paulo Daudt Marinho na TV TEM de São José do Rio Preto (SP).  E dois de seus filhos sócios de João Roberto Marinho TV TEM de Sorocaba (SP). A produtora da Traffic produzia programas como Auto Esporte e  Pequenas Empresas Grandes Negócios (Vejam vocês!!!).Um ou outro o considerava rei do futebol nacional, como atesta essa reportagem da BBC Brasil.
A Traffic já patrocinou o Palmeiras, apartir de 2007. O Marco Polo Del Nero veio do Palmeiras e seu filho concorreu ao cargo de conselheiro vitalício do Palmeiras(e perdeu).
Vai ver que é coincidência.

Repetindo o que eu escrevi no ítem 1: Espero que você não seja conivente com os crimes de extorsão, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução da justiça... 

Sim Romário, você não está lidando apenas com caras feias.
Você está lidando com uma máfia .
Máfia é crime muito bem organizado e com braços no poder, aí do seu lado...
Não adianta aqueles dribles desconcertantes que você dava em zagueiro corintiano e que continua dando até hoje como atesta esse post do Blog do Juca Kfouri no dia 09/03/2016: Romário dribla a bancada da bola.  O  Juca postou esse comentário 30 minutos depois do ocorrido, refere-se à 21ª reunião da CPI, que em seu inteiro teor é a seguinte:
(reproduzo no fina todas as reuniões desde o último post "Acompanhando a CPI do Futebol")

"Havendo número regimental, declaro aberta a 21ª  Reunião. (Pausa.)
Não havendo número regimental para deliberação, comunico que está encerrada a reunião.

O drible do Romário funcionou na parte de manter a convocação do então presidente em exercício coronel Nunes, que prestou novo depoimento na sessão seguinte, mas não funcionou para a parte de tentar parar as investigações negando a quebra de sigilo fiscal a pessoas ligadas ao caso. O relator Romero Jucá, PMDBista desde sempre, aquele mesmo que vociferou quando o PMDB finalmente rompeu com o governo federal em uma rápida reunião de quatro minutos, esse mesmo que prega a investigação até o fim quando os réus são vermelhos, esse convocou todos os senadores do seu lado para obstruir as investigações do futebol... que cai nos Panamá papers... que cai no SwissLeaks...  (Acompanhando o Caso HSBC X - Hervé Falciani desnuda "Modus-Operandis" da Lavagem de dinheiro da corrupção.) que cai na privataria tucana...  (Acompanhando a CPI do Futebol III - Está escancarado: É tudo um assunto só!) 

Na 22ª reunião, o Coronel foi, o Romário deu uma de Dunga, só bateu na canela e da barriga para cima, chamou o coronel de indisciplinado, falou que ele dorme em reunião, falou que a CBF é corrupta várias vezes, perguntou como ele sente-se como presidente de uma instituição tão corrupta assim. Foi legal de se ver, mas aí eu sou obrigado a concordar com o discurso do Leonardo Quintão(PMDB/MG) na CPI do CARF II, que critiquei tão duramente no meu último post sobre essa CPI (Acompanhando a Operação Zelotes XX (CPI do CARF II):Vamos poupar nossos empregos): Não adianta chamar o bandido e esperar que ele confesse ou ficar chamando ele de bandido.... Temos que com as provas na mão manda-los para a cadeia.
Como disse nesse Post que indiquei, o discurso do Quintão foi emocionante de chorar, não consigo criticar nada. Concordo plenamente, 110%!

Mas o Romário fez isso com raiva, pois antes o Romero Jucá(PMDB/RR) chamou a sua tropa para negar as investigações para vários personagens, alegando falta de embasamento jurídico (veja vocês, a mesma justificativa da defesa do impeachment da Dilma), então o Romário mandou essa:

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – E só para o conhecimento de todos, inclusive dos Senadores e de todos que estão aqui presentes e que nos ouvem, V. Exª nunca se cadastrou para fazer algum tipo de pesquisa e ver o que realmente acontece em relação à CPI.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Quem faz a pesquisa são meus assessores, Senador Romário, não sou eu que faço a pesquisa.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Seus assessores não se cadastraram. O gabinete não se cadastrou. 

Enquanto os dois discutiam, e discutiram por um bom tempo, tinha um senador que a todo tempo pedia a palavra por questão de ordem. Era o João Alberto Souza (PMDB/MA). Apesar da idade avançada parecia aquelas crianças que ficam puxando a calça do pai pedindo atenção. Quando finalmente teve a palavra disse o óbvio: Estava alí para dar apoio ao Romero Jucá e o Romário nem deixou terminar de falar: -Claro que está!! Também sei disso!!

E antes de começar chutar de bico a canela do Coronel presidente da CBF ele ainda emendou:
- Eu não tenho medo de cara feia 

A fala do RRR "Está em todas" (Randolfe Rodrigues da REDE/AP) na 24ª reunião foi pesada:

"está claro e é importante registrar isso para todos que estão assistindo esta Comissão Parlamentar de Inquérito: esta CPI está sendo hoje vítima de um processo de boicote e sabotagem, porque não querem aprofundar as investigações e não querem que o Brasil tenha conhecimento do conjunto de documentos que já chegou a esta CPI."

Esse boicote está sendo acompanhada pelo Juca Kfouri, que envolveu até cancelamento de aprovação de convocação, como aconteceu na CPI do HSBC (Acompanhando o Caso HSBC IX  - A CPI sangra de morte e está agonizando...)

Acompanhamento dos post do Juca:
16/03/2016 : A CPI do Futebol ouve hoje o presidente da CBF
17/03/2016: Quem entende Jucá?
18/03/2016: A comissão do impeachment e a bancada da bola
18/03/2016: A cara da social-democracia brasileira
23/03/2016:  De Del Nero para Jérôme Valcke
23/03/2016: O coronel dorme à tarde
31/03/2016: COL movimentou milhões irregularmente
05/04/2016: Novo presidente da Fifa é citado nos  “Panama Papers”
06/04/2016: As marchas e contramarchas da sabotada CPI do Futebol
07/04/2016: Senadores alagoanos se unem contra a CPI do Futebol
07/04/2016: Romário responde a Renan
08/04/2016: Tabelinha alagoana atua contra Romário
11/04/2016: Quem, afinal, preside a CBF?
14/04/2016: Surpresa no Senado! Gol de Romário

Não Romário, você não está enfrentando caras feias... Você está enfrentando uma máfia.
E aí eu tenho que concordar com a mudança de nome da CPI do Futebol II aberto recentemente na câmara de deputados(e que a partir desse post passarei a acompanhar também... UFA!!...).

Assim como ocorreu com a CPI do CARF(Acompanhando a Operação Zelotes XIX (CPI do CARF II): Melancólico fim da CPI do CARF. Início da CPI do CARF II), o senado saiu na frente, não quiseram esperar os deputados para este ano para dar início a uma CPMI.

Então a câmara abriu agora a CPI da FIFA/CBF, que na sua segunda sessão mudou de nome para CPI da máfia do futebol.

Tudo o que falei aqui sobre diferença entre CPI do Senado e CPI na  Câmara (naquele post da CPI do CARF II) vale agora para a CPI do Futebol II, portanto não vou repetir.

O que eu falei sobre as dificuldades que o Romário teria nessa empreitada contra o oligopólio cartelizado da mídia repito agora para o Laudivio Carvalho (SD/MG), presidente da CPI do Futebol II, CPI da máfia do futebol.

Todo mundo conhece o Romário, não precisa de apresentações.
Já o Laudivio Carvalho é bem conhecido em seu estado natal, Minas Gerais,  e nem tão conhecido nacionalmente. Como mineiro então sinto–me na obrigação de apresenta–lo.

Laudivio Carvalho foi eleito pelo PMDB, numa chapa coligada com o PT em Minas Gerais.
Porém, como boa parte do PMDB, ele não tem e nunca teve admiração pelo governo PTsta.
Saiu do PMDB, hoje está no Solidariedade e é a favor do impeachment, como declarou seu voto recentemente na comissão.

Ele faz parte da bancada da bala, aqueles deputados que são eleitos por serem contra a violência urbana. Conseguiu seus votos por trabalhar na principal rádio mineira: a rádio Itatiaia,  que possui mais de 70% da audiência do rádio mineiro. A rádio foi finalista do prêmio Caboré 2015, como veículo de comunicação (produtora de conteúdo), as outras duas finalistas foram Rede globo e The Walt Disney Company. Veja: http://cabore.com.br/eventos/2015/cabore/indicados.html


RáDIO ITATIAIA

Vai que dá zebra.

A zebra é um animal peculiar. Em vez de ser lembrada por sua beleza ou por suas listras exóticas, é sempre sinônimo do inesperado.

Daquele resultado improvável, mas possível. Desta vez, a zebra somos nós. Não por termos chegado até aqui. Ninguém é indicado ao Caboré por acaso.

Somos hoje a principal emissora de rádio de Minas, com 92% de cobertura no estado, e uma das cinco mais importantes do país. Temos o maior parque de transmissão do Brasil. Cobrimos as 13 últimas Copas do Mundo e 7 Olimpíadas. Nas Jornadas Esportivas, conseguimos alcançar mais de 450 mil ouvintes por minuto, segundo o Ibope. Mais do que a soma das três primeiras colocadas de São Paulo.

Pra chegar até aqui, a Itatiaia não contou com a sorte. Mas, pra ganhar o Caboré, conta com você. Quem sabe o inesperado faz uma surpresa e a zebra aparece.

Vote na Rádio Itatiaia, no Prêmio Caboré 2015. Vai que dá zebra.

===

Na página da rádio lemos o seguinte:
Com 64 anos de existência, a Rádio Itatiaia é a principal emissora do estado de Minas Gerais e uma das cinco mais sólidas do país. Pautada em uma programação voltada para o jornalismo, esportes e prestação de serviços, a emissora, transmitida nas frequências 610 AM e 95,7 FM, detém as principais lideranças de Ibope, com uma média superior a 1.700.000 ouvintes diferentes por mês.
Além da capital e Região Metropolitana, a Rádio Itatiaia está presente em mais de 800 municípios mineiros por meio de suas afiliadas e retransmissoras, cobrindo cerca de 95% do estado, formando a Rede Itasat. A rádio é transmitida também pela internet (www.itatiaia.com.br), pelo canal 411 da Sky, 174 da Claro TV, além dos aplicativos da Itatiaia para iPhone, iPod iTouch, iPad e celulares tradicionais.
Os altos índices de audiência da Itatiaia podem ser somados a projetos arrojados e personalizados pela agência de promoção Itatiaia No Ponto, que, a cada dia, se consolida como a maior e mais estruturada agência de Minas Gerais. São mais de 550 ações diferenciadas por ano, além de contar com mais de 70 grandes clientes locais e nacionais."

===

A rádio é forte no futebol, jornalismo e prestação de serviços,  muito mais do que na música...
Ele é da bancada da bala, com um pé na bancada da bola.

Com essa audiência fabulosa seus apresentadores e repórteres tem bastante sucesso político:
O narrador dos jogos do Cruzeiro Alberto Rodrigues foi eleito vereador em Belo Horizonte pelo PV. O narrador dos jogos do Atlético Mário Henrique, "o caixa" ficou na primeira suplência com deputado estadual e dois anos depois tomou posse como deputado pois o eleito venceu a prefeitura de contagem e ele herdou a vaga. ele era do PCdoB e depois transferiu-se para o PV também.
João Vitor Xávier repórter esportivo que ganhou um programa a noite após a hora do Brasil foi eleito primeiro vereador pelo PRP, depois deputado estadual pelo PSDB.

Percebem que a rádio é um arco-ires político ,  tem tudo quanto é tendência política.

Apesar da rádio ter todo esse sucesso e audiência principalmente pelo futebol, não é esse o caso do Laudivio Carvalho, não tem origens no futebol (em uma das primeiras sessões ele declarou ter origem no karatê).

Ele tem um daqueles programas policialescos que os repórteres acompanham as operações da PM e noticiam os assassinatos, prisão de drogados/traficantes, estupros, assaltos com violência ou agressões feito por bêbados... enfim, exploram a audiência da necessidade humana de sede de sangue, ódio, vontade de vingança, o interesse pela violência que existe na raça humana desde as arenas romanas... ou antes disto...

Em resumo, só a título de comparação, o Laudivio é tipo um Luis Datena da rádio mineira, porém não começou a carreira como repórter esportivo como o paulista,  estou falando do atual papel que o Luis Datena exerce.

Com seu principal slogan “Se não quiser aparecer, não deixe que o fato aconteça” ele conquista a empatia do seu público com discursos moralistas fortes, ele fala muito grosso ( tanto no timbre quanto no conteúdo ) com os assassinos, traficantes,  estupradores e todo tipo de bandidos do baixo clero (baixíssimo clero) que dão entrevistas algemados em seu programa.
Cumpre muito bem o seu papel.
Tanto é assim que ganhou o mandato.

Em seu site pessoal http://www.laudiviocarvalho.com.br/ encontramos um resumo de sua biografia.
 Laudivio Carvalho por ele mesmo:

" Iniciei minha carreira em Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, em 1977, como repórter do "Diário de Montes Claros" e como locutor da Rádio Educadora. Posteriormente, fui apresentador dos jornais “Aqui Agora”, “Agora” e “Alterosa Urgente”, da TV Alterosa, "Minas Urgente", da Band, e, durante dois anos, participei do “Programa Sílvio Santos'”, no SBT, entregando prêmios da Telesena. Trabalho na Rede Itatiaia de rádio desde 1980, como repórter e apresentador. Atualmente, comando o programa "Itatiaia Patrulha", noticiário policial com a resenha do dia, que vai ao ar de segunda a sábado ás 17h. "

E agora preside a CPI da FIFA CBF... Ops!  Foi mal, trocou de nome: CPI da Máfia do futebol.
Ele lida bem e fala grosso quando lida com guanguezinhas da periferia.
Vamos ver se falará tão grosso assim quando o buraco for mais em cima, quando o que está em jogo não são vidas humanas da classe D e E, e sim o dinheiro da classe A e B.

Há muito tempo nesse mundo capitalista o dinheiro da Classe A e B tem muito mais poder político jurídico e legislativo que qualquer outra coisa, incluindo aí vidas humanas da classe D e E.

Se ele precisar de aconselhamentos esportivos ele poderá recorrer aos companheiros de rádio (políticos ou não) onde ele trabalha(trabalhou) por mais de trinta e cinco anos.

Boa sorte Laudívio Carvalho!!
Talvez seja os bandidos mais difíceis de por na cadeia esses que você vai começar a lidar agora.

E vou avisar agora no início da CPI, para depois não falar que não avisei, para depois eu poder falar "eu te disse, eu te disse, eu te disse", como o trio KKK: Kalil,  Kfouri e Kajuru.

KKK Lembra daquele desenho da motinha?! Kajuru, Kfouri, Kalil:
Eu te disse! Eu te disse! Mas eu te disse! Eu te disse! K K K


O Kalil tentou atuar por dentro , levou uma rasteira e foi impedido. (veja aqui: companhando a CPI do Futebol X - A primeira Liga começa hoje... um natimorto...)

O Kajuru tentou uma cadeira aí onde você está, conseguiu muito mais votos que você conseguiu, mas não conseguiu driblar a regra de proporcionalidade que dá cadeiras ao legislativo às coligações e não aos candidatos (a lei está correta, o que não está correto são nossos partidos que junta votos sem a menor coerência politica.)

O Kfouri está acompanhando a CPI de lá muito de perto... a ao que tudo indica tão de perto que dá até palpites.

Meu aviso Laudivio é o seguinte:

Esses bandidos são os mais difíceis de por na cadeia que qualquer outro que você ou um dos seus repórteres já encararam nesses 35 anos de rádio Itatiaia!
Você enfrentará um dos três oligopólio cartelizados mais maléficos ao País.
Na minha opinião é o segundo mais maléfico. Uma visão liberal sobre as grandes manifestações pelo país. (Os Oligopólios cartelizados)

A rádio Itatiaia que nas eleições do prêmio Caboré 2015 enfrentou desproporcionalmente gigantes e considerou a si próprio uma zebra, agora Laudívio, a guerra é de verdade.

A desproporcionalidade continua gigante.

Esse oligopólio cartelizado tem braços e pernas no judiciário, legislativo e controlam a décadas órgãos do executivo como a Abert.

Assim como o Romário foi alvo de calunias e mentiras no inicio da CPI de lá, você começa a ver sinais que isso pode acontecer por aqui:

Nesse início da sua  CPI, que está só no início, nada fez ainda além de apresentar seus membros, o plano de trabalho, aprovou o compartilhamento da documentação existente no senado, polícia federal,  ministério público, da CBF, FIFA, FBI, os antigos relatório das últimas CPIs e (pasmem!) contratos do Vitória da Bahia com uma indústria de tintas!... Tudo isso, com um ou outro protesto, foi aprovado sem problemas... 

Mas...
A Vênus platinada...
Aí não...

Plagiando a resposta que o ex-quase-primeiro-presidente-pós-renascimento-da-democracia Tancredo Neves deu a Ulysses Guimarães, pai da nossa constituição cidadã de 1988, vítima de acidente aéreo como vários outros (Trechos do Livro "Confissões de um Assassino Econômico" de John Perkins )
que o jornalista e escritor Paulo Henrique Amorim tem divulgado onde ele lança livros
(veja aqui: A mídia é o 4° ou o 1° poder da república? (Caso Panair, CPI Times-Life))

-Vocês peçam contratos para CBF, para a FIFA, para o FBI, para a Polícia Federal, para o Senado, para o ministério público, para as Tintas Iquini! Só não peçam contratos para a Globo! 

Sabe o que agente faz se você tentar pedir?
Pedimos verificação eletrônica dos votos, não registramos nossos votos e a sessão termina por falta de quorum!... Isso não é piada. Não é ameaça. É fato ocorrido, à luz do dia, na frente de todo mundo.
Contrato da Globo só vai conseguir através de roubos de dados sigilosos em bancos suíços ou através de busca e apreensão em paraísos fiscais.

Te desejo sorte não é por bondade, é por necessidade .

Muitas dessas documentações está  no senado e o presidente de lá (que não faz parte da comissão, e é citado na Lava Jato) juntou–se a membros da CPI (que entraram lá para sabotar as investigações) estão tentando sabotar o presidente da CPI de lá, que assim como você, está no primeiro mandato na casa.

O presidente da sua casa (tão ou mais enrolado na lava jato que o do senado) é um dos braços desse oligopólio cartelizado.
Casado com uma de suas funcionárias, no próximo domingo ganhou tempo no horário nobre para sabotar a democracia brasileira. Sabotar a sua CPI vai ser fichinha... Agora ele está sem tempo, mas potencialmente ele tem muito mais força para sabotar a sua  CPI... tenha cuidado com ele ou algum de seus enviados. Para reconhecer seus enviados pode ler aqui: Eduardo Cunha - Como o Brasil chegou a esse ponto?

Eles fazem tudo isso em plena luz do dia.
Na frente de todo mundo.
Transmitido em HD para o mundo inteiro pelo YouTube.






Romário no Facebook, narrando as sabotagens na CPI do Senado.


Só uma palavra define meu sentimento neste momento: PERPLEXIDADE.
Estou absolutamente perplexo com a decisão do presidente do Senado, Renan Calheiros, de refazer a votação de requerimentos na sessão de ontem da CPI do Futebol, que aprovou a convocação de testemunhas fundamentais para o andamento dos trabalhos.
A validade da sessão foi colocada sob suspeita depois que o senador Ciro Nogueira alegou, ontem à noite em Plenário, que não havia quórum necessário para a votação. Em sua decisão, Renan Calheiros afirma que tomou o cuidado de verificar todos os procedimentos da votação e pode atestar a legalidade dos procedimentos ao conferir, não só o vídeo da sessão, como também a autenticidade das assinaturas dos senadores que registraram presença. Diante disso, PASMEM, ele tornou sem efeito as deliberações da sessão e mandou refazer a votação.
Para vocês entenderem como foi o jogo, vou explicar como chegamos até aqui. Marquei uma sessão para votar a convocação de Del Nero e seu filho, de Ricardo Teixeira, do empresário Wagner Abrahão e do prefeito do município de Boca da Mata, Gustavo Feijó. Os aliados da CBF decidiram boicotar a sessão para que os requerimentos não pudessem ser aprovados. Mas eles calcularam mal, além de mim, outros cinco senadores registraram presença e conseguimos o quórum necessário para colocar as convocações em votação e aprová-las. Eles perderam, mas não aceitaram a derrota e apelaram.
O “juiz” Renan Calheiros, presidente do Senado e profundo conhecedor do regimento interno desta Casa, anulou a jogada e mandou que ela fosse refeita. O problema é que ele não mencionou uma única norma interna ou artigo da Constituição que respaldasse sua decisão monocrática.
Ouço vaias da torcida!
Diferentemente da população, o presidente Renan sabe que maior parte das votações no Congresso são simbólicas, com isso, precisamos da assinatura dos senadores e do voto da maioria presente para aprovarmos requerimentos. Invalidar uma sessão sob este argumento é mais que esdrúxulo, é inventar uma decisão ao arrepio da lei. E pior, para beneficiar um grupo aliado à corrupta Confederação Brasileira de Futebol.
O fato é tão absurdo que, imediatamente após o anúncio de sua decisão, vários senadores se revezaram ao microfone para contestar a determinação e pediram que a decisão fosse submetida ao Plenário. Isso é o que será feito.
Que fique claro: a decisão de Renan NÃO É DEFINITIVA, TODOS OS SENADORES SERÃO CHAMADOS a opinar, depois de uma primeira análise na Comissão de Constituição e Justiça.
Durante sua fala, hoje à tarde, o presidente do Senado chegou a afirmar que a votação foi um “gol de mão”. Tenho certeza que o senador Renan não conhece nada de futebol para afirmar uma barbaridade dessa. Gol de mão, com ou sem intenção, é ilegal. Muito diferente da votação de ontem.
Renan Calheiros admitiu hoje que integra o time do 7x1 e acaba de marcar mais um gol, contra o nosso futebol, é claro. O placar já marca 8x1 e contando... porque o jogo ainda não acabou.
Descrição da Imagem ‪#‎PraCegoVer‬: foto-montagem em que aparece o Congresso Nacional visto de fora. A imagem mostra a cúpula do Senado indo às alturas e, em sua substituição, está o brasão da CBF. Abaixo da imagem, está escrito "Presidente do Senado abaixa a cabeça para a CBF".



----

Ontem comentei aqui que havíamos aprovado importantes convocações na CPI do Futebol, apesar de a maioria dos membros da comissão não comparecerem à sessão para evitar a aprovação dos requerimentos em pauta.
No entanto, mesmo com o jogo sujo do lobista da CBF, que instruía parlamentares pelos corredores do Senado a não ir à sala de reunião, conseguimos o número necessário de assinaturas para abrir a sessão e aprovar as convocações de Teixeira, de Del Nero e seu filho, do empresário Wagner Abrahão e do prefeito de Boca da Mata, Gustavo Dantas Feijó.
No momento da votação, estavam na sala apenas eu e os senadoresRandolfe Rodrigues e Zezé Perrela. Foi uma votação simbólica, conforme autoriza o regimento da Casa.
Dentro das regras, sem jogo sujo, fizemos tudo que foi possível para termos os depoimentos de personagens fundamentais das falcatruas do futebol. No vídeo, vocês podem conferir a fala do senador Randolfe, indignado com obstrução dos trabalhos da CPI.
Porém, diante da nossa vitória. O senador Ciro Nogueira, um dos que não compareceu ontem, foi ao Plenário pedir a anulação da referida sessão, com a alegação da ausência dos senadores que assinaram presença.
Estamos aguardando um pronunciamento da Presidência do Senado confirmando a legalidade da sessão. Todos os seis senadores que assinaram a lista de presença, estiveram na sala de CPI.
Sabemos que o jogo da CBF é pesado e nós, diferente deles, agimos dentro da Lei.
-- 
Acabei de formular questão de ordem no Plenário do Senado, onde questionei a decisão do presidente do Senado, senador Renan Calheiros, de suspender as convocações aprovadas, com total legalidade, na CPI do Futebol na semana passada.
A decisão de Renan pegou a mim e vários outros senadores de surpresa, pois não houve fundamento legal que justificasse sua decisão.
Diante da postura, o senador Randolfe Rodrigues impetrou recurso pedindo que o Plenário, logo, todos os senadores, fossem consultados sobre a questão. O regimento interno do Senado diz que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) deve proferir um parecer em até dois dias úteis. Fato que, até o momento, não aconteceu.
Pedi urgência na análise do recurso. A CPI tem prazo de funcionamento e não pode ficar paralisada. Também lembrei ao senador Renan Calheiros que, até uma decisão final do Plenário, as convocações de Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, dentre outras, devem ser mantidas.
Minha fala no plenário, agora há pouco, foi reforçada pelos senadores Randolfe, Magno Malta e pela senadora Lídice da Mata. Todos manifestaram preocupação com a deliberação, que põe sob suspeita todas as votações simbólicas do Senado, quando os senadores assinam lista de presença para garantir o quórum.
O senador Renan Calheiros encaminhou o recurso do Randolfe para a CCJ e garantiu que, até quinta-feira, dará uma resposta às questões levantadas. Assim todos esperamos.

Para a galera que não acompanhou o assunto, na tarde de ontem, o presidente do Senado, Renan Calheiros, suspendeu as convocações de testemunhas aprovadas na CPI do Futebol. Mesmo os requerimentos de convocação tendo sido aprovados dentro da legalidade.
Imediatamente, senadores que estavam no plenário questionaram a decisão de Renan e lembraram que uma atitude como aquela abriria um precedente gravíssimo contra as decisões de comissões de inquérito.
O primeiro a se manifestar foi o senador Randolfe Rodrigues, que pediu que a questão de ordem fosse analisada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, permitindo que a decisão de Renan pudesse ser revertida. Em seguida, os senadores Ronaldo Caiado, Alvaro Dias, Cristovam Buarque e Vanessa Grazziottin também se pronunciaram.
Meu agradecimento especial ao Randolfe Rodrigues, que tem se empenhado e ajudado muito na CPI do Fuebol, e a todos esses senadores que invocaram a razoabilidade do presidente do Senado e pediram que a decisão fosse analisada pelo Plenário, meu muito obrigado!
----
Galera!
Importante vitória. As convocações de Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero devem ser mantidas. Este é o voto do relator Benedito de Lira na Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Uma decisão definitiva sairá na próxima semana.
As convocações haviam sido suspensas porque alegaram que a votação foi ilegal. Porém, mais uma vez, provamos que agimos dentro da lei.
Descrição da Imagem ‪#‎PraCegoVer‬: Foto de Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero brindando. Sobre a imagem, está escrito "Relator confirma convocação de cartolas na CPI do Futebol".

Leia tudo sobre os Panama Papers no Brasil

Logo-ICIJ-Brazil-JPEG
A seguir, a relação das reportagens publicadas por este Blog sobre o caso Panama Papers [depois de sua publicação, este post continuou sendo atualizado periodicamente para incluir todos textos da série]:
13.abr.2016Conheça 22 milionários brasileiros nos Panama Papers
Milionários negam irregularidades ou não comentam
11.abr.2016
Empresários investigados utilizaram serviços da Mossack Fonseca
Investigado no tríplex do Guarujá era intermediário profissional da Mossack
9.abr.2016
Panama Papers revelam novas offshores em esquema do futebol sul-americano
Jogadores de futebol e empresário operaram com offshores da Mossack
Offshore controlava até mesmo escalação de equipes na Libertadores
Argentino-brasileiro da Conmebol negocia delação premiada com EUA
Panama Papers revelam elo de ex-advogado de Cunha com rede de offshores
8.abr.2016
Offshore recebeu comissões milionárias em venda de óleo da Petrobras
7.abr.2016Documentos do Panamá mostram ligação de Robson Marinho com offshore
Servidores públicos de alto escalão estão nos arquivos da Mossack
6.abr.2016Delator da Lava Jato abriu offshore para dono da Caoa e montadora Hyundai
Empresários de transportes negam irregularidades ou não comentam
Empresários do setor de transporte controlam 10 empresas offshores
Eike controlava estrutura com 22 offshores da Mossack Fonseca
Roberto Carlos tem offshore e o nome é Happy Song
5.abr.2016Mossack pagava comissão para advogados que conseguissem clientes no Brasil
4.abr.2016
PDT, PMDB, PP, PSB, PSD, PSDB e PTB têm políticos e parentes com offshores
Políticos citados na Panama Papers negam irregularidades ou não comentam
3.abr.2016Panama Papers revelam 107 offshores ligadas a personagens da Lava Jato
Empresas e empresários citados negam irregularidades ou não comentam
Saiba como foi feita a série Panama Papers
O que é e quando é legal possuir uma empresa offshore 
Mesmo banqueiro operava offshore atribuída a Cunha e a de lobista do PMDB
Operador do PMDB teve offshore com “amigo” de Edison Lobão
Lobista investigado na Lava Jato teve offshore não declarada
Minuta de contrato indica comissão de 3% da Queiroz Galvão na Venezuela
Dono da Queiroz Galvão abriu novas offshores após deflagração da Lava Jato
Idalécio de Oliveira controlava pelo menos 14 empresas offshores
Registros nos EUA indicam que Joaquim Barbosa não pagou imposto em Miami

REPORTAGENS INTERNACIONAIS
7.abr.2016Mossack ajudou a esconder bilhões de dólares em obras de arte 
6.abr.2016China é a maior cliente de offshores da Mossack Fonseca
5.abr.2016Mossack operou para pessoas ligadas à CIA e outras agências 
4.abr.2016Presidente do Azerbaijão criou offshore para filho de 6 anos
Mais de 500 bancos registraram 15.600 offshores com a Mossack
Mossack operou 33 empresas da “lista negra” dos EUA
3.abr.201611,5 milhões de registros financeiros expõem corrupção global

Mossack Fonseca é a porta de entrada para o fluxo de segredos das offshores
Mossack ajudou a esconder patrimônio de casais prestes a se divorciar
Registros secretos revelam rede de fundos ligada a Vladimir Putin
Documentos ligam comitê de ética a 3 acusados no escândalo da Fifa
Premiê da Islândia e sua mulher mantinham offshore durante crise do país



Comissão Parlamentar de Inquérito destinada a, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, investigar e apurar as denúncias noticiadas no dia 27 de maio de 2015, sobre sete dirigentes da FIFA acusados de vários crimes, incluindo fraude, suborno e formação de quadrilha, e presos na Suíça (há o envolvimento de três brasileiros, conforme o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, sendo um deles José Maria Marin, ex-presidente da CBF e atual vice-presidente da instituição) – Máfia do Futebol - CPIMAFUT
Presidente: Laudivio Carvalho (SD/MG)
1º Vice-Presidente: Rogério Marinho (PSDB/RN)
2º Vice-Presidente: Hélio Leite (DEM/PA)
3º Vice-Presidente: Washington Reis (PMDB/RJ)
Relator: Fernando Monteiro (PP/PE) 
TITULARESSUPLENTES
PMDB/PP/PTB/DEM/PRB/SD/PSC/PHS/PTN/PMN/PRP/
PSDC/PEN/PRTB
Andre Moura PSC/SE (Gab. 846-IV)Adalberto Cavalcanti PTB/PE (Gab. 402-IV)- vaga do PMB
Antônio Jácome PTN/RN (Gab. 230-IV)Arnaldo Faria de Sá PTB/SP (Gab. 929-IV) - vaga do PT/PSD/PR/PROS/PCdoB
Carlos Henrique Gaguim PTN/TO (Gab. 222-IV) - vaga do PMBCésar Halum PRB/TO (Gab. 422-IV)
Fernando Monteiro PP/PE (Gab. 282-III)Deley PTB/RJ (Gab. 742-IV)
Hélio Leite DEM/PA (Gab. 403-IV)Fernando Jordão PMDB/RJ (Gab. 626-IV)
João Marcelo Souza PMDB/MA (Gab. 639-IV)Iracema Portella PP/PI (Gab. 924-IV)
Laudivio Carvalho SD/MG (Gab. 717-IV)Jerônimo Goergen PP/RS (Gab. 316-IV)
Márcio Marinho PRB/BA (Gab. 326-IV)Major Olimpio SD/SP (Gab. 279-III)
Mário Negromonte Jr. PP/BA (Gab. 517-IV)- vaga do PT/PSD/PR/PROS/PCdoBPedro Chaves PMDB/GO (Gab. 406-IV)
Newton Cardoso Jr PMDB/MG (Gab. 932-IV)Professor Victório Galli PSC/MT (Gab. 539-IV)
Washington Reis PMDB/RJ (Gab. 856-IV)3 vagas
Wilson Filho PTB/PB (Gab. 534-IV)
1 vaga
PT/PSD/PR/PROS/PCdoB
Beto Faro PT/PA (Gab. 723-IV)Jaime Martins PSD/MG (Gab. 904-IV)
Delegado Edson Moreira PR/MG (Gab. 933-IV)João Carlos Bacelar PR/BA (Gab. 928-IV)
Evandro Roman PSD/PR (Gab. 303-IV)João Rodrigues PSD/SC (Gab. 503-IV)
Goulart PSD/SP (Gab. 533-IV)Zé Geraldo PT/PA (Gab. 266-III)
José Rocha PR/BA (Gab. 908-IV)(Deputado do PMDB/PP/PTB/DEM/PRB/SD/PSC/PHS/PTN/
PMN/PRP/PSDC/PEN/PRTB ocupa a vaga)
Sibá Machado PT/AC (Gab. 421-IV)3 vagas
Wadson Ribeiro PCdoB/MG (Gab. 556-IV)
(Deputado do PMDB/PP/PTB/DEM/PRB/SD/PSC/PHS/PTN/
PMN/PRP/PSDC/PEN/PRTB ocupa a vaga)
PSDB/PSB/PPS/PV
Arnaldo Jordy PPS/PA (Gab. 506-IV)Evandro Gussi PV/SP (Gab. 433-IV)
Otavio Leite PSDB/RJ (Gab. 225-IV)Fábio Sousa PSDB/GO (Gab. 271-III)
Rogério Marinho PSDB/RN (Gab. 446-IV)Júlio Delgado PSB/MG (Gab. 323-IV)
Silvio Torres PSDB/SP (Gab. 404-IV)3 vagas
Valadares Filho PSB/SE (Gab. 660-IV)
(Deputado do REDE ocupa a vaga)
PMB
(Deputado do PMDB/PP/PTB/DEM/PRB/SD/PSC/PHS/PTN/
PMN/PRP/PSDC/PEN/PRTB ocupa a vaga)
(Deputado do PMDB/PP/PTB/DEM/PRB/SD/PSC/PHS/PTN/
PMN/PRP/PSDC/PEN/PRTB ocupa a vaga)
PDT
Roberto Góes PDT/AP (Gab. 462-IV)Damião Feliciano PDT/PB (Gab. 938-IV)
PSOL
Chico Alencar PSOL/RJ (Gab. 848-IV)1 vaga
REDE
João Derly REDE/RS (Gab. 901-IV) - vaga do PSDB/PSB/PPS/PV


ATA DA 19ª REUNIÃO  17/02/2016 CPI SENADO
  
Ata Circunstanciada da 19ª Reunião, realizada em 17 de fevereiro de 2016, às 15 horas e 14 minutos, no Plenário nº 15 - Ala Senador Alexandre Costa do Senado Federal, sob a presidência do Senador Romário e com a presença dos Senadores: Zeze Perrela, Donizeti Nogueira, Romero Jucá, Omar Aziz, Paulo Bauer, Randolfe Rodrigues e Roberto Rocha. Deixaram de comparecer os Senadores: Humberto Costa, Ciro Nogueira, João Alberto Souza, Davi Alcolumbre e Fernando Collor. Na oportunidade, foram aprovados os seguintes requerimentos:

(Texto com revisão.)

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Boa tarde.
Havendo número regimental, declaro aberta a 19ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Requerimento nº 616, de 2015, com a finalidade de investigar a situação do futebol brasileiro.
Conforme convocação, a presente reunião destina-se à apreciação de requerimentos.
Votação pelo processo simbólico.
Passamos agora à votação do item 16, mediante votação pelo processo ostensivo simbólico.

ITEM 16
Requerimento Nº 125/2015
Retifica o número de CPF de Rita de Cássia Rodrigues Moreira, administradora da empresa ZAYD EMPREENDIMENTOS 2025 LTDA., para viabilizar a transferência das suas informações bancárias e fiscais, no período de 1º de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012, conforme Requerimento nº 95/2015, já aprovado por esta Comissão.
Autoria: Senador Romário

Coloco em votação o item 16 mencionado.
Os Senadores que o aprovam permaneçam como se encontram. (Pausa.)
O requerimento está aprovado.
Votação de requerimento extrapauta, incluído com base no art. 121, do Regimento Interno.

ITEM 17
Requerimento Nº 128/2016
Requer seja convidado, na condição de testemunha, o Sr. Antonio Carlos Nunes de Lima, coronel reformado da Polícia Militar do Pará e Presidente em exercício da Confederação Brasileira de Futebol.
Autoria: Senador Romário

Consulto o Plenário se há algum Senador que deseja encaminhar a votação. (Pausa.)
Sem nenhum Senador, passamos à votação do requerimento extrapauta.
Os Srs. Senadores que o aprovam permaneçam como se encontram. (Pausa.)
Aprovado.
Antes de darmos prosseguimento aos requerimentos, faltando um colega para a votação nominal, eu gostaria de ler aqui uma carta que já enviei para todos. Inclusive, ontem essa carta saiu na imprensa, pelo blogue do Juca.

Meus caros colegas e distintos membros da CPI do Futebol, ao tempo em que cumprimento respeitosamente V. Exªs, tomo a liberdade de escrever acerca do andamento dos trabalhos da CPI do Futebol, a qual tenho a honra de presidir.
Há cerca de três meses, em meados do mês de novembro, apresentei a todos os senhores, em reunião interna, os primeiros resultados do exaustivo trabalho de nossa equipe de investigação, extraídos, sobretudo, das transferências de informações bancárias e fiscais de dois dos principais investigados, os Srs. Marco Polo Del Nero e Wagner Abrahão.
Desses resultados preliminares, ficou evidente a necessidade de avanço nas quebras de sigilo dos demais envolvidos em negócios escusos e falcatruas envolvendo a CBF. Algumas foram aprovadas ainda em dezembro, mas a maior parte e as mais importantes ficaram acordadas para serem aprovadas agora, no recomeço dos trabalhos deste ano, com o aprofundamento das investigações e a retomada dos trabalhos da CPI do Futebol.
Eu gostaria, portanto, de lembrar-lhes o acordo firmado e ressaltar, mais uma vez, a fundamental importância dessas quebras de sigilos para o andamento das investigações, já que se mostraram bastante frutíferas e reveladoras, como ficou comprovado na oitiva do Sr. Marco Polo Del Nero.
Estou profundamente convicto do compromisso de V. Exªs com o desenvolvimento do nosso futebol e a transparência em sua gestão, assim como no esclarecimento e nas denúncias que envolvem a sua entidade máxima.
O noticiário continua a nos bombardear com relatos desses desmandos, alguns de maneira continuada. A opinião pública exige resultados da nossa CPI, assim como o aprofundamento da nossa investigação. A próxima sessão administrativa da CPI terá esse objetivo.
A bola está com V. Exªs.

Srs. Senadores...
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Presidente, para discutir.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Por favor, Senador.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Sr. Presidente, eu quero cumprimentar V. Exª por essa carta bem oportuna enviada a todos os membros desta CPI. V. Exª aqui destaca que ela já se tornou de conhecimento público. É fundamental compreendermos que nós atuamos aqui sob o olhar vigilante da sociedade brasileira. Essas reuniões da CPI têm sido corretamente acompanhadas pela imprensa e existe, de fato, uma enorme expectativa, principalmente dos amantes do futebol, neste País, de que esta CPI modifique o rumo do futebol brasileiro.
Nós já tivemos, nesta CPI, uma prova inconteste de que a nossa entidade máxima do futebol se tornou um covil de ladrões, um dos maiores esquemas de corrupção de que já se teve notícia. O 7 a 1 que a nossa Seleção sofreu na última Copa do Mundo tem consonância, tem diálogo direto com a forma como o futebol brasileiro tem sido administrado.
O Sr. Marco Polo Del Nero, no triste depoimento que prestou a esta CPI, não só não esclareceu nada, como aqui, diante dos Senadores, em vários momentos, faltou escandalosamente com a verdade. Isso contrasta, Sr. Presidente, com os dados que o senhor já apresentou aos membros desta CPI em reunião reservada, em reunião administrativa. Os dados e o que essa investigação já tem por onde avançar já provam que esta Comissão tem a necessidade de aprofundar as investigações, não somente em relação ao Sr. Del Nero, mas também em relação a todos aqueles que estabeleceram diálogo ou relação com o Sr. Del Nero.
Não se trata aqui somente de verificarmos como a Confederação Brasileira de Futebol utilizou-se dos recursos que tinham estreita relação com recursos públicos durante a Copa do Mundo. Trata-se mais do que isso. A sociedade brasileira exige isso. Os que amam o futebol brasileiro, que digo serem todos os brasileiros e brasileiras, exigem de nós que esclareçamos como atuou esse esquema de corrupção na CBF, como atuam os esquemas de cumplicidade na CBF, com organismos, sejam do Estado brasileiro, sejam de fora do Estado brasileiro; como o recurso, o dinheiro do futebol brasileiro, em nome do futebol brasileiro, em nome de símbolos nacionais representados pela Seleção Brasileira – a Bandeira e o Hino Nacional – tem levado à condução do nosso esporte máximo.
Então, eu diria, Sr. Presidente, que esta Comissão tem um dever a mais do que simplesmente fazer o acompanhamento da inter-relação, da correlação com os recursos que tiveram diálogo com a Copa do Mundo de Futebol. Esta Comissão tem uma atribuição maior. Esta Comissão tem a atribuição também de esclarecer o funcionamento do futebol e por que o nosso futebol continua sofrendo outros 7 a 1 dentro de campo e também fora dele.
Cumprimento V. Exª pela carta que aqui apresenta. Destaco que é um apelo aos membros desta Comissão, para que nós todos estejamos à altura das responsabilidades colocadas no trabalho desta Comissão Parlamentar de Inquérito.
Subscrevo e apoio a carta de V. Exª. Estou mais convicto de que temos de fazer as quebras de sigilo necessárias de todos aqueles que tiveram relação com esta máfia que se apoderou do futebol brasileiro.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito obrigado, Senador Randolfe, pelo que acaba de dizer. É mais uma prova realmente de que nós, pelos trabalhos realizados aqui nesta CPI, estamos no caminho certo.
Coloco em votação a Ata da 18ª Reunião da Comissão, solicitando a dispensa de sua leitura.
Os Srs. Senadores que a aprovam permaneçam como se encontram. (Pausa.)
A ata está aprovada.
Vamos, agora, à votação nominal.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Sr. Presidente, apenas para fazer aqui um registro.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Relator, por favor.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Quero dizer, aqui, como Relator, que encaminho favoravelmente e voto favoravelmente a todos os requerimentos apresentados nessa pauta específica de V. Exª.
Portanto, é a minha posição.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito bem, Senador.
Votação nominal. Transferência de sigilo. Podemos votar todos em bloco, desde que por votação nominal.

ITEM 1
Requerimento Nº 104/2015
Requer a transferência de informações bancárias e fiscais, incluindo RIF, do período de 17/5/2007 a 27/5/2015, de Antônio Osório Ribeiro Lopes da Costa
Autoria: Senador Romário


ITEM 4
Requerimento Nº 109/2015
Requer a transferência das informações bancárias, fiscais, e do contrato social da ATENA OPERADORA TURÍSTICA LTDA., bem como a transferência dos sigilos telefônico e telemático vinculados aos seus dirigentes, no período de 1 de janeiro de 2010 a 27 de maio de 2015.
Autoria: Senador Romário


ITEM 5
Requerimento Nº 110/2015
Requer o contrato social e a transferência das informações bancárias e fiscais, incluído o RIF, de JAT IMÓVEIS ADMINISTRADORA DE BENS LTDA., no período de 1 de janeiro de 2012 até a presente data.
Autoria: Senador Romário


ITEM 7
Requerimento Nº 112/2015
Requer a transferências dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de LILIAN CRISTINA MARTINS MAIA, no período de 1º de janeiro de 2011 até a presente data.
Autoria: Senador Romário


ITEM 8
Requerimento Nº 113/2015
Requer a transferências dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de CAROLINA GALAN DOS SANTOS, no período de 1º de janeiro de 2013 até a presente data.
Autoria: Senador Romário


ITEM 9
Requerimento Nº 114/2015
Requer a transferência dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de ROGÉRIO LANGANKE CABOCLO, no período de 1º de janeiro de 2013 até a 27 de maio de 2015.
Autoria: Senador Romário


ITEM 11
Requerimento Nº 116/2015
Requer a transferência dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de ARIBERTO PEREIRA DOS SANTOS, no período de 1º de janeiro de 2010 a 13 de maio de 2015.
Autoria: Senador Romário

V. Exªs já têm todos os requerimentos na mão, para a gente adiantar isso aqui. Vou ler.

ITEM 12
Requerimento Nº 117/2015
Requer a transferência dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de JÚLIO CÉSAR AVELLEDA, no período de 1º de janeiro de 2010 a 13 de maio de 2015.
Autoria: Senador Romário

ITEM 13
Requerimento Nº 122/2015
Requer que essa Comissão Parlamentar de Inquérito solicite aos órgãos cabíveis, em aditamento ao Requerimento Nº 39/2015, a transferência das informações telefônicas e telemáticas no período de 17 de maio de 2007 a 31 de maio de 2015, inclusive as de natureza sigilosa, do Senhor WAGNER JOSÉ ABRAHÃO
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues

ITEM 14
Requerimento Nº 123/2015
Requer que essa Comissão Parlamentar de Inquérito solicite aos órgãos cabíveis, em aditamento ao Requerimento Nº 95/2015, a transferência das informações telefônicas e telemáticas no período de 1º de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012, inclusive as de natureza sigilosa, da administradora, Srª RITA DE CÁSSIA RODRIGUES MOREIRA
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues

ITEM 15
Requerimento Nº 124/2015
Requer que essa Comissão Parlamentar de Inquérito solicite aos órgãos cabíveis, em aditamento ao Requerimento Nº 97/2015, a transferência das informações telefônicas e telemáticas no período de 1º de janeiro de 2012 a 31 de dezembro de 2012, inclusive as de natureza sigilosa, do sócio administrador, Sr. FERNANDO JALES OLIVEIRA
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues

Coloco em votação nominal os requerimentos mencionados.
Como vota o Senador Zeze Perrella?  (Pausa.)
Senador Donizeti Nogueira.  (Pausa.)
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Senador, só para registrar que nós estamos votando em bloco.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Em bloco, todos os itens que foram citados.
O SR. DONIZETI NOGUEIRA (Bloco Apoio Governo/PT - TO) – Só sobrou um, só tem um requerimento.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Mas nós vamos fazer votação nominal, já que vamos votar em conjunto, votamos nominalmente o bloco todo.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Todas votações nominais. Alguns foram tirados da pauta, de acordo com conversas que serão feitas futuramente.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM. Fora do microfone.) – Sr. Presidente, eu queria que V. Exª retirasse o item 6, para a gente analisar direito. Eu já tinha até discutido isso com V. Exªs, nada que não possamos votar na próxima reunião, mas eu queria só que fosse retirado isso, por favor. O item 10 foi retirado, não é?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador, Senadores?
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Sr. Presidente, só um esclarecimento do personagem. Por que um requerimento em relação a ele?
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM. Fora do microfone.) – De todos né, porque tem personagem aqui que é namorada de fulano...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Na verdade, nenhum desses que estão aí entraram por acaso.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Eu queria só fazer uma ponderação.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Só um minuto, Senador.
Dentro das nossas investigações, que estão sendo feitas por pessoas bem capacitadas e profissionais – e têm sido investigações bem exaustivas –, foram detectadas ligações dessas pessoas, cujos nomes já foram investigados, através das quebras de sigilo de suas contas bancárias e fiscais. Por isso, nós chegamos exatamente a esses nomes.
Aqui foram retirados dois nomes, que são o Kleber Leite e a Klefer. O outro é o Mário...
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – ...Rosa.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – É o Mário Rosa.
Agora, será retirado o nome do Sr. Verospi.
Mas quero deixar bem claro que isso não significa que não colocarei futuramente em votação os requerimentos referentes aos nomes dessas pessoas.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM. Fora do microfone.) – Eu também faço questão disso.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Quero só dar esse esclarecimento. Nada aqui é feito por acaso, pelo simples fato de o Presidente achar que aquela pessoa deva ser investigada. Eu, aqui, não acho nada. Eu tenho sempre certeza das coisas que eu presido nesta Comissão. Então, para isso, temos dados, e tudo o que vem acontecendo, todas as coisas que estão acontecendo nesta CPI têm uma lógica.
Por favor, com a palavra o Relator.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Eu queria só fazer uma ponderação. Quero dizer o seguinte: a solicitação do Senador Omar, em tese, não causa nenhum prejuízo, porque, eventualmente, essa matéria pode voltar aqui na próxima reunião ou na seguinte. Portanto, acho que, numa questão de harmonia e até de entendimento, nós poderíamos retirar o nome e votar em bloco os restantes.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Está retirado o item 6, Senador. É isso?

(É o seguinte o item retirado de pauta:

ITEM 6
Requerimento Nº 111/2015
Requer a transferência dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de ÂNGELO FREDERICO GAVOTTI VEROSPI, no período de 1 de janeiro de 2013 até a presente data.
Autoria: Senador Romário)

O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Isso!
Eu também faço questão, Presidente Romário, de dizer que não estou protegendo ninguém. Tenho de ter minha consciência tranquila, porque estou fazendo o melhor, para que, mais tarde, a gente não possa também cometer um equívoco ou uma injustiça aqui. Não é nada que, amanhã ou na quarta-feira que vem, a gente não possa rever, para convocar não só ele, como também outras pessoas que teriam de ser convocadas, cujo sigilo bancário teriam de ser quebrados. Eu queria dizer isso.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito bem!
Com a palavra o Senador Zeze Perrella.
O SR. ZEZE PERRELLA (Bloco Apoio Governo/PDT - MG) – Acho que aqui não cabe a gente proteger A ou B. Não é esse o nosso intuito. A única preocupação que temos – acho que já coloquei isto aqui algumas vezes – é que, quando se chama uma empresa para uma CPI, temos de ter dados mais concretos, porque, na verdade, podemos fazer, de repente, um estrago na imagem de uma empresa. Digo isso porque também sou empresário e sei o que proporciona uma CPI, pela exposição de mídia que ela tem. Então, para convocarmos as pessoas, temos de ter um mínimo de embasamento, para que não exponhamos, principalmente, as empresas. Digo isso não quanto à pessoa física. A empresa fornece empregos, gera receita. Sabemos do estrago que uma CPI pode fazer, ao convocar uma pessoa sem ter dados realmente concretos.
Então, não se trata aqui de proteger ninguém. A partir do momento em que a CPI vai caminhar, se tivermos dados concretos e indícios fortes que nos levem a essa conclusão, acho que temos de chamar todo mundo. Mas, no momento, temos de ter a cautela que esta CPI está tendo.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito bem!
Senador Donizeti Nogueira, como vota V. Exª?
O SR. DONIZETI NOGUEIRA (Bloco Apoio Governo/PT - TO) – Voto pela aprovação dos requerimentos.
Também quero dizer, Sr. Presidente, que estou votando, neste caso, orientado pelo que o senhor tem nos informado. Então, não tenho as informações todas. Preciso ir lá. Inclusive, marquei para, na terça-feira, pegar novamente a minha senha, para ter acesso à documentação que o senhor e o Relator estão administrando tão bem.
Então, voto "sim" ao requerimento de convocação dessas pessoas.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito obrigado.
Senador Romero Jucá.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Voto "sim", Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Omar Aziz.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM. Fora do microfone.) – "Sim".
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Paulo Bauer.
O SR. PAULO BAUER (Bloco Oposição/PSDB - SC) – "Sim".
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Randolfe Rodrigues.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – "Sim", Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Roberto Rocha.
O SR. ROBERTO ROCHA (Bloco Socialismo e Democracia/PSB - MA) – "Sim".
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Os requerimentos estão aprovados.
Nada mais havendo a tratar, agradeço a presença de todos os presentes aqui e declaro encerrada esta reunião.

ATA DA 20ª REUNIÃO 02/03/2016 CPI SENADO


Ata Circunstanciada da 20ª Reunião, realizada em 2 de março de 2016, às 14 horas e 15 minutos, no Plenário nº 19 - Ala Senador Alexandre Costa do Senado Federal, sob a presidência do Senador Romário e com a presença do Senador Donizeti Nogueira. Deixaram de comparecer os Senadores: Humberto Costa, Zeze Perrela, Ciro Nogueira, João Alberto Souza, Romero Jucá, Omar Aziz, Paulo Bauer, Randolfe Rodrigues, Davi Alcolumbre e Fernando Collor.

(Texto com revisão.)

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Boa tarde a todos.
Havendo número regimental, declaro aberta a 20ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Requerimento nº 616, de 2015, com a finalidade de investigar a situação no futebol brasileiro.
Conforme convocação, a presente reunião destina-se a oitiva, na condição de testemunha, do Sr. Antônio Carlos Nunes de Lima, Presidente licenciado da Federação Paraense de Futebol e Presidente em exercício da Confederação Brasileira de Futebol.
Nos termos do Requerimento nº 98, de 2015, aprovado por este Colegiado em 7 de outubro de 2015, quero aproveitar a oportunidade de dar aqui alguns esclarecimentos sobre a convocação – acabou sendo convocação – desse senhor.
1) No dia 17 de fevereiro, o Plenário desta CPI aprovou, por unanimidade, o Requerimento nº 128, por meio do qual o Coronel Antônio Carlos Nunes de Lima, Presidente interino da CBF, foi convidado a prestar depoimento na condição de testemunha.
2) É muito importante esclarecer que o convite para depoimento em CPI se constitui mera cordialidade do Senado Federal, estabelecido somente por praxe parlamentar, todavia sem qualquer disposição expressa na Lei nº 1.579, de 1952, ou nos arts. 145 a 153 do Regimento Interno desta Casa.
3) Sabedor da eleição para a direção da FIFA na semana passada, este Presidente agendou convite para hoje, ou seja, dando ao depoente o intervalo de duas semanas entre a apreciação do requerimento e sua concretização.
4) No dia 25 de fevereiro, o Coronel Nunes comunicou à Secretaria da CPI que não poderia comparecer antes da semana que se inicia em 14 de março. Nas explicações do Coronel, ficou óbvio que ele apenas queria protelar o depoimento, atrasando as atividades desta Comissão. O único compromisso importante para a semana informado por ele será realizado somente amanhã: a convocação da Seleção para jogos do final do mês.
5) Todos nós desta Comissão sabemos das dificuldades que os dirigentes da CBF e da parte das federações estaduais têm posto aos trabalhos deste inquérito parlamentar. Há uma tentativa notória de dificultar as investigações. Eu, como Presidente, porém, não meço esforços para que a investigação seja plena, doa a quem doer.
6) Para relembrar a todos: quando esta CPI convidou os presidentes das federações estaduais para aqui comparecerem, houve uma orquestrada movimentação das diretorias da CBF para que não viessem. Somente aceitaram o convite os Presidentes das Federações de Futebol do Estado do Estado do Rio de Janeiro e de Minas Gerais.
7) Por isso, ato contínuo, esta CPI teve que aprovar, no dia 5 de outubro, o Requerimento nº 98, de 2015, a fim de intimar os demais presidentes das federações estaduais, que aqui compareceram.
8) Este Requerimento nº 98, uma vez aprovado, permite que a CPI chame determinado presidente quantas vezes julgar necessário, se assim entender que ele ainda tem informações relevantes a prestar.
9) Considerando que o Coronel Nunes, sem motivação razoável, não aceitou o convite para comparecer no dia de hoje, este Presidente, cônscio de que o inquérito parlamentar tem prazo curto para ser concluído, bem como informado pelo próprio Coronel de que o compromisso importante dele será somente no dia 3, quinta-feira, manteve a reunião para hoje, expedindo convocação ao Presidente interino da CBF, com base no já mencionado Requerimento nº 98, uma vez que ele é Presidente licenciado da Federação Paraense de Futebol.
10) Numa atitude bem ao feito do grupo dos sete a um, que se apoderou da CBF, que só pensa em ganhar salários milionários, sem qualquer contrapartida relevante para o futebol brasileiro, o Coronel sorrateiramente fugiu da convocação. Desde segunda-feira, o Secretário da CPI telefona para a sede da CBF, mas, como o número do telefone é identificado, nem sequer uma ligação foi atendida pelos empregados da CBF.
Essa é a transparência do Coronel e do seu chefe, Marco Polo Del Nero, perseguido internacionalmente da Justiça dos Estados Unidos da América.
11) Tendo ocorrido o descumprimento da convocação, como agora se confirma, este Presidente lançará mão do que dispõe o art. 218 do Código de Processo Penal e solicitará a colaboração da área criminal do Poder Judiciário das cidades do Rio de Janeiro e de Belém do Pará, para que o Coronel aqui compareça no dia 16 de março.
E para finalizar, para a próxima semana, a pauta da CPI já previa a apreciação de requerimentos. A reunião está agendada para quarta-feira, dia 9.
Essas foram algumas coisas que nós escrevemos aqui durante a primeira vez que convidamos o Coronel, e infelizmente – ou felizmente, não sei – acabamos chegando a essa situação.
Eu quero dizer que esta é uma CPI séria. Eu, particularmente, não falo pelos outros, mas eu posso dizer que a maioria também entende que, através desta CPI, nós Parlamentares, nós Senadores, podemos, sim, dar uma grande contribuição ao futebol brasileiro. Não posso aceitar, como Presidente desta CPI, um indivíduo como esse Coronel achar que pode fazer o que quiser, o que bem quiser e na hora que quiser.
Era isso que eu tinha a dizer.
Senador, quer dizer alguma palavra?
O SR. DONIZETI NOGUEIRA (Bloco Apoio Governo/PT - TO) – Sr. Presidente, senhoras e senhores, quero colaborar e ser signatário nessa ideia da convocação, uma vez que o convite não deu o resultado que necessitávamos.
Infelizmente, eu não estarei aqui dia 16 porque estarei em viagem internacional, mas quero parabenizar V. Exª pela atitude de cobrar respeito à CPI, que está fazendo um trabalho sério e não tem outro objetivo a não ser ajudar e contribuir para a melhoria do nosso futebol brasileiro, para a política do futebol brasileiro, para a gestão do futebol brasileiro, que é patrimônio da sociedade brasileira.
Então, Presidente, parabéns pela atitude! Conte com a gente. Um abraço!
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito obrigado, Senador.
Nada mais havendo a tratar, agradeço a presença de todos e declaro encerrada a presente reunião.

ATA DA 21ª REUNIÃO 09/03/2016 CPI SENADO


Ata Circunstanciada da 21ª Reunião, realizada em 9 de março de 2016, às 14 horas e 52 minutos, no Plenário nº 13 - Ala Senador Alexandre Costa do Senado Federal, sob a presidência do Senador Romário e com a presença dos Senadores Ciro Nogueira e Hélio José. Deixaram de comparecer os Senadores: Gladson Cameli, Zeze Perrela, Donizeti Nogueira, João Alberto Souza, Romero Jucá, Omar Aziz, Paulo Bauer, Davi Alcolumbre e Fernando Collor.

(Texto com revisão.)

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Havendo número regimental, declaro aberta a 21ª  Reunião. (Pausa.)
Não havendo número regimental para deliberação, comunico que está encerrada a reunião.

ATA DA 22ª REUNIÃO


Ata Circunstanciada da 22ª Reunião, realizada em 16 de março, às 14 horas e 25 minutos, no Plenário nº 3 - Ala Senador Alexandre Costa do Senado Federal, sob a presidência do Senador Romário - PSB e com a presença dos Senadores Gladson Cameli, Ciro Nogueira, João Alberto Souza, Davi Alcolumbre, Romero Jucá, Paulo Bauer, Hélio José, Randolfe Rodrigues e Wellington Fagundes. Deixaram de comparecer os Senadores: Zeze Perrela, Donizeti Nogueira, Omar Aziz e Fernando Collor. Na ocasião, foi realizada a oitiva do Sr. Antônio Carlos Nunes de Lima, Presidente em exercício da Confederação Brasileira de Futebol e Presidente licenciado da Federação Paraense de Futebol, nos termos do Requerimento aprovado nº 98/2015 – CPIDFDQ. Além disso, foram apreciados os seguintes requerimentos:

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Boa tarde a todos!
Havendo número regimental, declaro aberta a 22ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Requerimento nº 616, de 2015, com a finalidade de investigar a situação do futebol brasileiro.
Conforme convocação, a presente reunião constitui-se de duas partes. Na primeira parte será realizada a oitiva do Sr. Antônio Carlos Nunes de Lima e na segunda parte apreciaremos os requerimentos pautados.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Pela ordem, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Sim.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Sr. Presidente, eu queria propor a V. Exª e ao Plenário que, já que vamos ter a oitiva e vamos ter a votação de requerimentos, como hoje é um dia importante no Senado por conta da votação do Conselho de Ética e alguns membros da Comissão, como eu, o Senador João Alberto e o Senador Davi, são membros também do Conselho de Ética, nós invertêssemos a pauta e votássemos primeiro os requerimentos e fizéssemos, então, depois, a oitiva, porque a oitiva independe de quórum e independe de votação.
Portanto, ao se manter a ordem atual, nós teremos a oitiva e, ao final, não teremos a presença dos membros para fazermos a votação dos requerimentos. Então, solicito a inversão de pauta para votarmos primeiro os requerimentos.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Consulto os Srs. Senadores...
(Intervenção fora do microfone.)
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Então, assim faremos.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Sr. Presidente, invertida a pauta, eu apresento também um requerimento verbal para que possamos votar em conjunto todos os requerimentos constantes do item 1 ao item 12.
(Intervenção fora do microfone.)
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Romero, o Presidente desta Comissão aceita sua sugestão.
Se os Senadores estiverem de acordo...
(Intervenção fora do microfone.)
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Apenas o item 3 terá que ter votação nominal.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – O item 3 trata de quebra de sigilo.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Isso.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Certo.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Então, vamos ao item 3.

ITEM 3
Requerimento Nº 111/2015
Requer a transferência dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático, incluído o RIF, de ÂNGELO FREDERICO GAVOTTI VEROSPI, no período de 1 de janeiro de 2013 até a presente data.
Autoria: Senador Romário
Votação nominal.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Sr. Presidente, eu quero, como Relator, explicar o que vou fazer, para que fique bem claro. Eu vou encaminhar contrariamente a esse requerimento e a todos os outros requerimentos por uma razão muito simples: nós já tivemos quatro decisões do Supremo Tribunal Federal rejeitando determinações tomadas aqui, no plenário, exatamente por falta de fundamentação, e acho que esta CPI não pode ficar exposta a esse tipo de questão.
Eu não sou contra convocar ninguém, não sou contra quebrar o sigilo de ninguém, desde que a gente, efetivamente, tenha uma formulação que dê margem a que a gente vá até o Supremo e ganhe lá essa pendenga, porque, senão, estaremos aqui tomando posições e o Supremo estará, a cada ato de ministro, porque são ministros diferentes.... Não é um ministro só que está tomando essa decisão. Cada vez, um ministro, de certa forma, dá uma "canetada" desconstruindo o posicionamento da CPI.
Então, minha posição, como Relator, é contrária ao item 3 na votação nominal.
Voto contra, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador, eu gostaria que V. Exª dissesse para mim e para esta Comissão, por favor, quais foram os quatro que não foram aceitos.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Digo.
Mandado de Segurança nº 34.036. Rogério Caboclo, Diretor Executivo. Liminar deferida pela Ministra Rosa Weber suspendendo os efeitos do requerimento que aprovou a quebra do sigilo do Sr. Rogério Caboclo.
Mandado de Segurança nº 33.750. Medida Cautelar. Ministro Marco Aurélio. Suspendendo os efeitos da aprovação do Requerimento nº 31, de 2015, no âmbito da CPI, destinado à obtenção de contratos relacionados a patrocínio e publicidade.
Mandado de Segurança nº 33.772. Confederação Brasileira de Futebol. Ministro Marco Aurélio. Deferiu a liminar suspendendo a relação impetrante, os efeitos e a aprovação do Requerimento nº 43 da Comissão Parlamentar de Inquérito. Envio de dados relativos à movimentação de recursos financeiros da CBF.
HC 133.341. Antônio Carlos Nunes de Lima, Presidente da CBF. Ministro Teori Zavascki. Deferiu para garantir ao paciente o direito de ser assistido por um advogado não obrigado a assinar termo.
Então, só aqui são quatro pontos, sem falar que nós tomamos conhecimento, pela imprensa, de que haveria uma convocação, com medida coercitiva, do atual Presidente da CBF, que já veio atendendo a convocação e a convite como Presidente da Federação do Pará, que já esteve aqui prestando informações. Portanto, haveria uma medida coercitiva que não foi aprovada pelo Plenário da Comissão.
Portanto, no sentido de ajudar V. Exª a organizar o trabalho e, talvez, no futuro, fazer uma reunião administrativa em que possamos tratar dessa questão, eu gostaria de pontuar esse posicionamento.
Portanto, voto contra o requerimento do item 3 e, depois, na votação em globo, encaminharei contra todos os outros requerimentos.
Esta é a minha posição como Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – V. Exª tem consciência de que todos esses requerimentos aqui são requerimentos, fora o do item 3, relativos a pessoas que já tiveram quebrados seus sigilos bancários, telefônicos e telemáticos, inclusive o RIF. Então, os profissionais que nos acompanham – V. Exª sabe disto muito bem – entendem que, para um melhor encaminhamento desta Comissão, para que esta Comissão continue seguindo com os êxitos que tem tido até o momento, esses requerimentos são de grande importância e relevância.
Assim como eu, sei que V. Exª também tem o pensamento de que nós, principalmente depois do que foi colocado pela FIFA hoje, temos a obrigação, sim, de dar ao nosso País uma satisfação e, principalmente, uma solução. V. Exª tem acompanhado tudo que vem acontecendo no nosso futebol brasileiro, assim como, acredito, os nossos Senadores presentes, mas, definitivamente, e acredito que este entendimento seja compartilhado com todos, esta CPI, definitivamente, pode dar uma cara diferente ao nosso futebol.
Para isso, a rejeição desses requerimentos aqui colocados, de minha autoria e de autoria do Senador Randolfe, pode atrapalhar o andamento desta Comissão, que vem, até o momento, na minha avaliação, tendo bastante êxito, principalmente tendo-se em vista as outras 21 ações impetradas por pessoas em relação às quais nós conseguimos quebrar o sigilo bancário, telefônico e telemático, por outros requerimentos que foram aprovados aqui por unanimidade.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (PMDB - MA) – Questão de ordem.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Quero só fazer um comentário aqui.
O Senador Romário sabe do apreço e do carinho que temos por ele.
Nós temos o mesmo objetivo: reformular o futebol brasileiro, averiguar irregularidades, punir quem tiver feito errado. Só que nós já quebramos muitos sigilos aqui; agora está vindo pedido de convocação e nós não temos as informações das quebras de sigilo.
V. Exª disse: "os técnicos da Comissão entendem que é importante chamar. O importante é que não são os técnicos da Comissão que têm que saber que é importante chamar; são os membros Senadores da Comissão que precisam estar conscientes e informados de quem é preciso chamar. Quem for preciso chamar e convocar, nós vamos chamar. Agora, não pode ser algo que não tenha embasamento. Votamos no escuro e somos desmoralizados pelo Supremo Tribunal Federal a cada medida.
Então, no intuito exatamente de construir o relatório... e V. Exª pode ter certeza de que o relatório que nós vamos apresentar vai sacudir o futebol brasileiro para melhor, eu tenho certeza, com a participação de todos os Senadores que fazem parte desta Comissão. Agora, sem conhecer com profundidade, saber como foi a quebra do sigilo, receber quebra de sigilo, convocar aqui A, B ou C por conta de qualquer tipo de questão, eu não vou me prestar a esse tipo de posição.
Eu sei que há alguns jornalistas que acompanham, que ficam fazendo pressão – eu acho isso legítimo –, mas vou agir aqui na CPI com isenção e com responsabilidade. Não vou expor aqui ninguém que, efetivamente, não tenha culpa no cartório, para ser feita aqui qualquer tipo de acareação, de convocação, de qualquer coisa.
Portanto, mantenho minha posição. Eu sou contrário ao Requerimento nº 3 e encaminharei contrário também a todos os outros requerimentos, até que...
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (Bloco Maioria/PMDB - MA) – Pela ordem, Sr.Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador, primeiro, eu já vivo com pressão desde os 18 anos da minha vida.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Eu também.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Então, quero dizer para V. Exª que as minhas atitudes aqui podem ser por vários motivos, menos por pressão, principalmente da imprensa, que sabe e conhece muito bem a minha atitude.
A segunda coisa é que se V. Exª não tem conhecimento do que eu tenho é porque V. Exª não procurou para ter, e qualquer outro também. O trabalho dos profissionais está sendo feito. Eu não sou aqui babá de ninguém para ficar chamando todo mundo para fazer o papel que tem que fazer, que é obrigação de todo mundo. Então, se V. Exª, infelizmente, não tomou conhecimento dos resultados das quebras de sigilo...
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Acho que ninguém tomou aqui, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O problema não é meu.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Ninguém tomou.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Mas o problema não é meu.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (Bloco Maioria/PMDB - MA) – Presidente, pela ordem.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Os assessores trabalham para a Comissão, não é para o Presidente da Comissão.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O senhor aqui conhece muito mais regras, Regimento, do que eu. Não estamos discutindo. Agora, já está no site há duas semanas. Eu não tenho que ficar ligando para ninguém para avisar isso também.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Quebra de sigilo está no site? Resultado de quebra de sigilo está no site?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Todas as coisas estão no site.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (Bloco Maioria/PMDB - MA) – Pela ordem, Presidente. Eu posso falar, Presidente?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Eu posso terminar?
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (Bloco Maioria/PMDB - MA) – Pela ordem, por gentileza.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Depois é a sua vez. Posso terminar? Eu não terminei.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (Bloco Maioria/PMDB - MA) – Pois não. Presidente, eu vou presidir uma Comissão agora e eu preciso sair.
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – E eu estou presidindo uma agora. V. Exª pode esperar um minuto?
Então, eu gostaria de dizer que a falta de conhecimento de V. Exª em relação a tudo que acontece aqui na CPI é porque V. Exª não quer ter esse conhecimento, e assim serve para os outros que não tiverem também.
Eu quero dizer, voltando ao assunto da imprensa, que realmente a imprensa tem sido muito importante nessa nossa luta contra a corrupção no futebol. Agradeço à imprensa pelo trabalho que vem fazendo. Eu não pauto aqui esta reunião da CPI pelo que sai na imprensa. Pelo contrário, temos aqui profissionais bastante competentes, de todas as áreas, e V. Exª sabe de onde são, que me dão argumentos suficientes, legais, para eu fazer o que tenho feito.
Eu só posso dizer que discordo 100% de tudo que foi dito por V. Exª aqui, desde a primeira palavra à última, e que eu sou a favor da moralização, sou a favor da regulamentação e sou a favor de um futebol decente, justo e honesto. Se V. Exª...
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Nós somos.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Se V. Exª não pensa como eu, eu não posso fazer nada. E não adianta...
Senador, V. Exª deu a sua opinião, eu vou dar a minha. Não adianta a gente falar aqui teoricamente. O que vale é a prática. Na prática, essas ações não são a favor do futebol. Desculpe-me, isso é o que eu penso, eu sempre vou falar aquilo que eu penso.
E só para o conhecimento de todos, inclusive dos Senadores e de todos que estão aqui presentes e que nos ouvem, V. Exª nunca se cadastrou para fazer algum tipo de pesquisa e ver o que realmente acontece em relação à CPI.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Quem faz a pesquisa são meus assessores, Senador Romário, não sou eu que faço a pesquisa.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Seus assessores não se cadastraram. O gabinete não se cadastrou. Então, o que quero dizer para o senhor é: se o senhor entende que está fazendo um bem para o futebol, minha opinião é contrária.
Por favor, Senador...
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Vamos esperar o resultado do relatório.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O resultado a gente já sabe, pode ficar tranquilo. Eu já sei qual é o resultado.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (PMDB - MA) – Presidente, eu tenho que sair para presidir uma comissão e eu gostaria de dar meu voto, saindo. Estou plenamente de acordo com o Sr. Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Claro que está. Também sei disso.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (PMDB - MA) – Vamos botar em votação.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Votação nominal.
Senador Gladson Cameli.
O SR. GLADSON CAMELI (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PP - AC) – Sr. Presidente, voto com o Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Ciro Nogueira.
O SR. CIRO NOGUEIRA (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PP - PI. Fora do microfone.) – Com o Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador João Alberto Souza.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (PMDB - MA. Fora do microfone.) – Voto conhecido, com o Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Romero Jucá...
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Com o Relator, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – ... Relator.
Senador Davi Alcolumbre.
O SR. DAVI ALCOLUMBRE (Bloco Oposição/DEM - AP) – Com o Senador Romero Jucá, Relator da matéria.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Hélio José.
O SR. HÉLIO JOSÉ (PMDB - DF) – Com o Relator, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Foi rejeitado o requerimento, em bloco.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Agora vamos votar os outros itens, em conjunto também, como foi aprovado aqui. A votação é simbólica, mas pode ser nominal, se V. Exª quiser.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Faremos essa votação nominal, claro.
Como vota o Senador Gladson Cameli?
O SR. GLADSON CAMELI (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PP - AC) – Com o Relator, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Ciro Nogueira.
O SR. CIRO NOGUEIRA (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PP - PI. Fora do microfone.) – Com o Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador João Alberto Souza.
O SR. JOÃO ALBERTO SOUZA (PMDB - MA) – Com o Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Davi Alcolumbre.
O SR. DAVI ALCOLUMBRE (Bloco Oposição/DEM - AP) – Com o Relator.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Hélio José.
O SR. HÉLIO JOSÉ (PMDB - DF) – Com o Relator, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Há uma outra colocação que tenho para fazer a V. Exªs. Eu não tenho medo de cara feia e nem de grito. Se V. Exªs que estão há muito tempo acharem que tempo e experiência significam muitas coisas, sim, para o bem, sim, para o mal, não. Então, não adianta gritar, não adianta fazer bico, que isso para mim não vai mudar minha conduta. Continuo na minha luta em relação à moralização desse futebol escrachado que nós temos.
E como V. Exª, Senador Romero Jucá, falou, vamos ver como será o relatório de V. Exª, como todos nós esperamos que seja um relatório...
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Garanto que V. Exª vai gostar do relatório.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Tenho certeza; espero.
Solicito à Secretaria imediatamente acompanhar a testemunha, Sr. Antonio Carlos Nunes de Lima, Presidente licenciado da Federação Paraense de Futebol e Presidente em exercício da Confederação Brasileira de Futebol, ao local no qual prestará depoimento. (Pausa.)
Comunico a todos que esta Comissão recebeu a decisão do Ministro Teori Zavascki no Habeas Corpus nº 133.341, que defere parcialmente pedido liminar para garantir ao paciente Antonio de Lima nesta reunião o direito de:
(a) ser assistido por advogado e de, com este, comunicar-se; (b) não ser obrigado a assinar o termo de compromisso de dizer a verdade, sem sofrer com isso qualquer medida privativa de liberdade; (c) não se autoincriminar [...]
Registro que a testemunha está acompanhada de seu advogado, o Dr. José Mauro Couto, e poderá com ele se comunicar.
Agradeço aqui a presença do presidente em exercício da CBF, juntamente com o Dr. José Mauro Couto. Espero que a presença do senhor possa trazer aqui o que nós todos esperamos: respostas. Se assim for, que sejam respostas que deem um pouco de noção, principalmente para aqueles que são amantes do futebol, do que está realmente acontecendo hoje no nosso futebol e, principalmente, na nossa CBF.
Antes de iniciarmos o depoimento, indago à testemunha, o Sr. Antonio Carlos Nunes de Lima: V. Sª, apesar de não ser obrigado, assinará o termo de compromisso? (Pausa.)
Sim? Não.
Na forma do art. 203 do Código de Processo Penal, pergunto à testemunha, o Sr. Antonio Carlos Nunes Lima: V. Sª faz, sob palavra de honra, a promessa de dizer a verdade do que souber e for perguntado?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Sim.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Lembro que o Requerimento nº 98, de 2015, aprovado por este Colegiado em 7 de outubro 2015, base para a convocação de V. Sª, é claro ao indicar seu comparecimento na condição de testemunha.
Presidente, aqui vamos dar início à oitiva do senhor. Como manda o Regimento, eu, como Presidente desta Comissão, tenho por prerrogativa a ser o primeiro a fazer as perguntas e gostaria que o senhor respondesse a todas as perguntas, e assim, seguidamente, farei a próxima.
Coronel Nunes, no dia 3 de março, numa atitude desrespeitosa, o senhor respondeu à jornalista que viria a esta CPI quando fosse elaborado um requerimento certinho. Por decisão do Ministro Teori Zavascki, o requerimento está correto e o senhor está aqui hoje como convocado. O senhor foi orientado por quem o questionou publicamente à convocação desta CPI?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Senador, nós temos o assessoramento de praxe, como qualquer presidente de uma empresa. Tanto que nos colocamos à disposição desta CPI, a data a partir de 10 de março, o que está acontecendo agora, e nós fomos convocados e aqui estamos.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Esta CPI tem poderes de investigação própria de autoridades judiciais.
Na condição de coronel, o senhor ainda não aprendeu a obedecer às autoridades judiciais ou deve mais obediência aos homens fortes da CBF? O senhor não tem vergonha de estar protegendo bandidos em vez de prendê-los? Não acha que isso desonra a farda que vestiu?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Senador, eu me reservo o direito de não me manifestar com relação à pergunta.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Na imprensa, temos visto o Secretário-Geral Walter Feldman e o diretor de gestão Rogério Caboclo, homem de inteira confiança de Marco Polo Del Nero, falando em nome do senhor e da CBF. Há inúmeros relatos de que o senhor, embora seja formalmente Presidente, não participa das decisões administrativas da entidade. Dizem que o senhor até dorme durante as reuniões.
Marco Polo Del Nero continua dando as cartas em sua gestão? E o que senhor está fazendo lá?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Digo a V. Exª que nós administramos a CBF. V. Exª acabou de falar como militar, e digo que, durante a carreira que fiz na gloriosa Polícia Militar do Pará, eu aprendi a comandar e a mandar.
Hoje, qualquer empresa que tenha seu presidente.... Nós comparamos, já que o assunto foi comentado aqui por eu ser militar.... Então, nós administramos como se administram também as nossas unidades militares, que têm um comandante e tem o seu Estado-Maior.
Na CBF, o presidente, que sou eu.... Eu mando, aprendi a mandar como Coronel da Polícia Militar do meu Estado do Pará, e ninguém vai mandar mais do que o Presidente. As minhas decisões, sim.... Temos que trabalhar em decisões colegiadas. Talvez por isso, por eu ser de uma federação pequena do Norte do País, muitos comentários surgem no sentido de que eu não sei mandar. Mas eu aprendi, Senador, a mandar e a comandar, ao longo da minha vida, depois de 42 anos dedicados ao esporte.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Sua resposta foi muito bonita, Coronel. Parabéns.
A FIFA divulgou hoje em seu site que o novo Presidente da FIFA, Gianni Infantino, está processando Del Nero, Marin e Ricardo Teixeira, nos Estados Unidos. A FIFA afirma que os três ex-presidentes da CBF mancharam a imagem da instituição, e está cobrando o ressarcimento de valores que eles desviaram da FIFA, no total de R$20 milhões.
O presidente da Fifa está afirmando que os três ex-presidentes roubaram a entidade. O senhor concorda com o presidente da Fifa ou acha que ele está mentindo?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência, eu assumi a presidência interina da nossa CBF no dia 8 de janeiro. Então, estou a 60 dias no cargo. Estou aqui em Brasília desde segunda-feira atendendo ao chamado desta Comissão. Então, não me situei ainda em relação ao que a FIFA decidiu. E outra: nós esperamos que a FIFA faça o comunicado oficial à nossa Confederação Brasileira de Futebol.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O senhor é sabedor de que a CBF é uma entidade corrupta, hoje mais do que nunca, principalmente por essa declaração da FIFA? O que o senhor pensa em fazer em relação a isso?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência, eu me reservo o direito de não responder pergunta que faz referência a "entidade corrupta".
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O senhor entende que a CBF não é corrupta?
O SR. WELLINGTON FAGUNDES (Bloco União e Força/PR - MT) – Pela ordem.
Tudo bem, o senhor não precisa falar sobre essa questão, mas acho que a pergunta é mais ampla, alcança a sua gestão. O senhor entrou agora, é Presidente de confiança daqueles que lá estão, e nós temos que pensar no Brasil de hoje e de amanhã, no futuro do futebol. Eu acho que o senhor poderia contextualizar a questão. Apesar de ter assumido agora, pode falar sobre sua experiência, sobre o que o senhor acha que pode ser feito. Esta CPI tem a prerrogativa de investigar, mas também pode projetar, trabalhar para melhorar o futebol no Brasil.
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Ainda não tenho nenhum fato concreto em minhas mãos que comprove corrupção na CBF.
O SR. WELLINGTON FAGUNDES (Bloco União e Força/PR - MT) – Não estou me referindo a corrupção. Eu disse que a pergunta do Presidente lhe deu também a possibilidade de, de forma mais ampla, colocar o que pensa em relação ao seu trabalho. A não ser que eu esteja equivocado, Sr. Presidente...
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Eu até digo o seguinte. Eu vou dizer a V. Exª que entendi a pergunta em duas partes, e a segunda foi o que V. Exª comentou.
Eu quero dizer à Comissão que, mesmo com 60 dias administrando, nós estamos dando continuidade àquilo que já foi programado, dentro do projeto, dentro dos programas.
A CBF acaba de instituir, e nós assinamos, uma resolução criando um projeto de reforma dentro da CBF; há até um conselho de ética.
Esse nosso comitê de reformas, que foi criado aqui, vai mostrar tudo o que se pode fazer pela melhoria da administração do futebol brasileiro em termos de transparência, de organização, modernização, gestão e melhoria no próprio sistema, tanto que nós temos, nesse comitê de gestão, como primeiro item, a reforma do Estatuto da CBF, implementação do Código de Ética e do Comitê Disciplinar do Futebol, transparência, disponibilização de informações, documentos da CBF, tais como demonstrativos financeiros, políticos, patrocínio, Estatuto e Código de Ética.
Desenvolvimento do Regulamento Nacional de Concessão de Licenças de Clubes, seus licenciamentos para funcionarem.
Fomento de ações de responsabilidade social.
Internacionalização do futebol brasileiro.
Elaboração de agenda propositiva para aprimoramento da legislação desportiva.
Desenvolvimento do futebol feminino do Brasil.
Desenvolvimento e fomento das categorias de base do futebol brasileiro.
Tecnologia e inovação do futebol.
Direito dos atletas e demais profissionais do futebol.
Avaliação de alternativas em relação aos direitos de transmissão das competições.
Estudo e proposição de alternativas para aprimoramento da arbitragem do Brasil.
Proposta de alternativas no calendário do futebol brasileiro.
Desenvolvimento de programa de formação, capacitação e de intercâmbio para profissionais de futebol.
Democratização e engajamento da torcida brasileira.
Esse nosso Comitê de Reformas, instituído por essa portaria assinada por mim, será constituído dos seguintes membros: Álvaro Melo, advogado especialista em Direito do Esporte; Ana Paula Oliveira, diretora/secretária da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Presidente, só para que o senhor possa ter um pouco de entendimento sobre o Regimento, o senhor não pode ler a resposta, mas, como o senhor não sabe responder, tem que ler, o senhor pode continuar.
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – André Ramos Tavares, advogado especialista em esporte; Caio César Rocha, Presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva; Carlos Alberto Parreira, ex-treinador da Seleção Brasileira de Futebol; Carlos Alberto Torres, ex-jogador da Seleção Brasileira de Futebol; Carlos Augusto de Barros e Silva, Presidente do São Paulo Futebol Clube; Carlos Eduardo Pereira, Presidente do Botafogo de Futebol e Regatas; Castellar Modesto Guimarães Neto, Presidente da Federação Mineira de Futebol; Ednaldo Rodrigues Gomes, Presidente Federação Bahiana de Futebol; José Edmílson Gomes de Moraes, ex-jogador da Seleção Brasileira de Futebol; Leomar Quintanilha, Presidente da Federação Tocantinense de Futebol; Luiz Felipe Santoro, advogado especialista em esporte; Miraildes Maciel Mota (essa é a jogadora “Formiga”), jogadora da Seleção Brasileira de Futebol Feminino; Ricardo Roberto Barreto da Rocha, ex-jogador da Seleção Brasileira de Futebol; Rogério Langanke Caboclo, Diretor Executivo de Gestão da Confederação Brasileira de Futebol; Walter Feldman, Secretário-Geral da Confederação Brasileira de Futebol.
Esse comitê de gestão é, inclusive, aberto para todos os desportistas, todos os torcedores do Brasil apresentarem suas sugestões ao nosso site da CBF. E pode fazer a consulta, que lá está a minuta do anteprojeto de tudo aquilo que possa receber contribuições, que nós chamamos até emendas ao projeto, Excelência.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Presidente, o senhor se sente absolutamente tranquilo e bem presidindo uma entidade, hoje, como a CBF, com tudo isso que a gente vê? O senhor consegue dormir tranquilo, sem problema nenhum? Para onde o senhor olhe tem ladrão, para a frente, para o lado, para trás, embaixo, em cima. Como é o sentimento?
Queria só que o senhor pudesse me explicar: quando o senhor chega em casa, ou no seu Estado ou nos aeroportos, como é isso?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência, eu vou exercer o meu direito de não me manifestar.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O senhor sabe que Ricardo Teixeira, José Maria Marin e o Marco Polo Del Nero são ladrões, corruptos, e que a CBF terá que devolver R$20 milhões aos cofres da Fifa. Qual é a atitude do senhor daqui para frente? O que o senhor fará como presidente dessa entidade?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Nada, não é?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – ...eu me reservo o direito de não me manifestar, porque não tenho contribuição a dar com relação a esse aspecto.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O que o senhor pode responder? Vamos combinar uma pergunta aqui que o senhor possa responder?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Não, Excelência, eu estou aqui para ser inquirido.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Estou vendo!
Coronel, não tenho mais perguntas a fazer, mas quero deixar bem claro para o senhor que esse papel não é digno de um presidente. Esse papel que o senhor faz não respondendo às perguntas feitas aqui é um papel que não condiz com a posição que o senhor hoje ocupa no futebol brasileiro; o senhor é o mandatário de uma confederação.
Eu entendo, até por satisfação ao povo brasileiro, que tem no futebol a sua pátria amada, que fica até feio – a palavra é essa – para o senhor esse comportamento. Entendo que o senhor, com o pouco que aconteceu aqui, não tem nenhum tipo de autonomia, o senhor realmente não manda, o senhor não tem capacidade para mandar e não tem coragem, diferentemente de coronéis que eu conheço. É lamentável, triste. Fazer o quê? Eu continuo aqui, com o meu trabalho, e o senhor continua fazendo essa vergonha que acabou de fazer aqui.
Passo a palavra agora para o Senador Romero Jucá.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Eu queria perguntar ao Coronel Nunes... Ele já esteve aqui prestando informações como Presidente da Federação Paraense e, portanto, com a ótica de quem estava numa pequena federação de futebol, vivendo os problemas para fazer com que essa federação e o futebol do Pará pudessem funcionar.
Agora V. Sª está presidindo a CBF. Na sua visão agora, do outro lado, pergunto primeiro: que ações é possível adotar e que providências a CBF está tomando no sentido de melhorar e poder implementar um processo de transparência de informações que possa realmente fazer com que a sociedade brasileira tenha as informações necessárias e tenha um quadro do futebol brasileiro de forma explícita e de forma que possa ser convincentemente entendido? Que providências V. Sª toma hoje, na direção da CBF, relativamente à transparência do organismo?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Presidente, o senhor não vai poder ler. Se o senhor não souber responder, diga que não sabe, mas ler está proibido.
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Quero dizer ao nosso Senador Romero Jucá que venho, sim, de uma federação pequena, do Norte, para dar minha contribuição ao futebol brasileiro. Assumimos no dia 8 de janeiro, interinamente, a presidência da Confederação Brasileira de Futebol.
Encontrei, sim, dificuldades, como tenho lá no meu Estado do Pará, para administrar o futebol, mas há o trabalho de quatro décadas já vivendo no futebol, de uma maneira geral. Quando cheguei, pela primeira vez, como dirigente de futebol, era um humilde presidente de liga esportiva do interior, mais precisamente na cidade de Santarém, região oeste do Pará.
Depois, já na capital, passei a trabalhar também na administração de clubes profissionais, como foi o caso do Paysandu, como Diretor de Futebol e Presidente do Conselho Deliberativo. Participei também, por ser advogado, do nosso Tribunal de Justiça Desportiva do Estado do Pará, como Procurador. Chegando à Federação de Futebol, nós procuramos aprender alguma coisa. Acho que surtiu efeito. Nós temos o nome do futebol do Pará participando de todas as competições em nível do Brasil. O futebol tem um sobe e desce, ascenso e descenso. Então, tudo isso acontece, como é muito natural.
Hoje cheguei à Presidência da nossa Confederação Brasileira de Futebol. Senador, aí eu passei a viver o outro lado da administração do futebol brasileiro. O outro lado, sim, porque é a entidade maior, a entidade mater do futebol brasileiro. E eu, que vim do Norte, sabia que ia encontrar muitas dificuldades, sabia que era difícil aplicar aquilo com que, às vezes, nós sonhávamos lá no Norte, sabia das dificuldades de competições em nível nacional.
Hoje, mesmo com o pouco tempo em que estou administrando, já vi que nós temos condições de apresentar alguma coisa pela transparência, moralidade, administração, enfim, tudo aquilo para o bem do futebol brasileiro. E dou o exemplo, Excelência, do nosso Comitê de Gestão. Já li aqui. Eu tinha que ler para todos tomarem conhecimento, os que não conseguiram mais alguma coisa podem acessar o site da CBF.
Acho que, nesse patamar, nós já poderemos pensar, sim, daqui para frente, com o trabalho de todos, porque está aberto, inclusive, para a torcida brasileira se manifestar e apresentar sugestões. Há um grupo de trabalho encarregado de receber todas as manifestações, as sugestões, as emendas que queiram que sejam apresentadas, para dar a sua contribuição para o futebol brasileiro.
Eu me sinto orgulhoso de participar deste momento, de ter esse trabalho para ser desenvolvido em nível do futebol brasileiro. Então, eu acho que isso aí será uma grande contribuição que todas as classes sociais, todos nós aqui poderemos contribuir para o futebol brasileiro. Então, nesse trabalho, dentro de 60 dias, a nossa pretensão é modificar muita coisa, aprimorar aquilo para o bem do futebol brasileiro.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Eu gostaria de registrar a V. Sª que, na proposta que vamos fazer de relatório – já estamos discutindo isso –, nós vamos propor algumas leis, nós vamos efetivamente tentar mudar a estrutura e setores importantes da condução do futebol brasileiro. Mas eu queria já registrar – e V. Exª talvez não possa responder agora, mas já queria que a própria CBF começasse a internalizar isso – que, junto com a proposição de lei, nós vamos propor um termo de ajustamento de conduta para que possa ser pactuado entre a CPI e a CBF.
Enquanto esses projetos não são votados, enquanto ações efetivamente não são tomadas de forma legal, na base da lei, acho que é possível que já possamos pactuar uma série de procedimentos e de entendimentos que já possam efetivamente começar, de imediato, a mostrar o resultado desta CPI na prática, não só quanto à gestão, mas também quanto a regras, a termos de funcionamento do futebol, à questão da Lei do Passe, a novas implementações que estão sendo feitas no futebol em nível mundial, com o banimento de intermediários na questão de jogadores. Ou seja, há uma vasta mudança que nós estamos discutindo. Isso será colocado para os membros da Comissão. Mas, independentemente da aprovação da lei, nós já vamos propor – eu queria anunciar aqui – que a CBF possa assinar um Termo de Ajustamento de Conduta, com uma série de providências de gestão, de transparência e também de funcionamento e de fortalecimento do futebol, no momento em que esta Comissão discutir e aprovar o relatório.
Portanto, eu queria ouvir de V. Sª se isso é possível. Qual é a visão de V. Sª sobre isso?
Também quero registrar que essa será pelo menos uma das proposições do nosso relatório, no trabalho que vamos apresentar.
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência, esperamos, sim, que essa seja uma contribuição – assim entendo – que nos seja proposta, remetida. Teremos o maior prazer em reunir a nossa Diretoria para tomar conhecimento disso e para discutir.
E se adianta V. Exª. O Termo de Ajustamento de Conduta muita gente o pratica hoje. É o TAC. Eu já fiz isso até no meu Estado, Excelência, com relação aos campos de futebol, junto com o Ministério Público. E isso deu certo, porque muitas providências foram tomadas. Quando paralisava alguma coisa, era dito: "Olha, você só vai continuar se fizer isso." E estava no TAC, assinado pela Federação, pelo Ministério e pelo próprio clube, quando, vamos dizer assim, tinha um problema que não sabia resolver.
Invoco – não sei se é permitido, Senador Romário – o testemunho aqui do Deputado Federal Hélio Leite, que já foi Presidente de clube profissional.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Neste momento, não é, não.
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Não?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Não.
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Muito bem!
Então, é isso, Senador Romero Jucá. Nós esperamos isso, sim. Nós recebemos com bons olhos essa proposição de V. Exª de fazer um TAC, um ajustamento de várias providências a serem tomadas, o que sei que acelera, inclusive, esse processo de desenvolvimento e de transparência, que, como nós esperamos, sim, pode contribuir para o futebol brasileiro.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Agradeço a V. Sª.
Estou satisfeito, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Presidente, antes de passar a palavra para os Senadores, quero dizer que Ricardo Teixeira é ladrão e corrupto, José Maria Marin é ladrão e corrupto, Marco Polo Del Nero é ladrão e corrupto. O senhor é ladrão e corrupto?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência, eu não lhe vou responder, porque eu vou me dar o direito de...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – É engraçado, o senhor acabou de responder cinco perguntas. Eu lhe faço uma, e o senhor não pode responder?
O SR. ANTONIO CARLOS NUNES LIMA – Excelência, isso não é pergunta, isso é ofensa.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Esse é um direito seu.
Não, não o estou ofendendo. Estou perguntando ao senhor. Já que só há ladrão, quero saber se o senhor também faz parte disso.
Coloco em votação as Atas da 19ª Reunião, da 20ª Reunião e da 21ª Reunião da Comissão, solicitando a dispensa da leitura.
Os Srs. Senadores que as aprovam permaneçam como se encontram. (Pausa.)
Aprovadas.
Muito obrigado a todos pela presença.
Está encerrada esta reunião.

ATA DA 23ª REUNIÃO


Ata Circunstanciada da 23ª Reunião, realizada em 22 de março de 2016, às 14 horas e 57 minutos, no Plenário nº 15 - Ala Senador Alexandre Costa do Senado Federal, sob a presidência do Senador Romário e com a presença dos Senadores Romero Jucá, Omar Aziz, Paulo Bauer, Randolfe Rodrigues e Wellington Fagundes. Deixaram de comparecer os Senadores: Gladson Cameli, Zeze Perrela, Ciro Nogueira, Donizeti Nogueira, João Alberto Souza, Davi Alcolumbre e Fernando Collor. Na ocasião, discutiu-se sobre o acervo de documentos sigilos da Comissão, bem como a Presidência encaminhou, a cada membro presente, uma síntese da documentação de acesso restrito em poder da CPI, em especial a relacionada à Operação Durkheim. Conforme esclarecido durante a 24ª Reunião, realizada em 6 de abril de 2016, na qual se aprovou esta ata, não serão publicados os trechos que eventualmente façam referência à documentação sigilosa recebida por esta Comissão, que serão autuados em apartado, como documentação de acesso restrito.

(Texto com revisão.)

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Boa tarde a todos.
Havendo número regimental, declaro aberta a 23ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito, criada pelo Requerimento nº 616, de 2015, com a finalidade de investigar a situação do futebol brasileiro.
Conforme convocação, a presente reunião destina-se à apresentação de uma síntese de toda a documentação de caráter sigiloso em poder desta Comissão Parlamentar de Inquérito.
A Comissão já conta com mais de 100 arquivos, incluindo informações de sigilo fiscal e o Relatório de Inteligência Financeira, do Coaf, além do sigilo bancário e telefônico relativo a pelo menos 15 pessoas físicas e jurídicas.
Até o presente momento, dos 16 membros da Comissão, apenas seis se candidataram para obter acesso ao banco de dados. São eles o Senador Donizeti Nogueira, o Senador Paulo Bauer, o Senador Humberto Costa, o Senador Hélio José, o Senador Randolfe Rodrigues e o Senador e Relator Romero Jucá, que se cadastrou hoje.
Por fim, registro que o Senador Hélio José enviou ofício a esta Presidência, justificando a sua ausência na presente reunião, decorrente de missão oficial.
Senador Randolfe Rodrigues com a palavra.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito bem, Senador, eu acredito que assim que os Senadores estiverem de posse... A partir de agora estarão com todos os documentos que foram levantados no que se refere a sigilo bancário, enfim, todo o trabalho que foi feito da equipe que compõe esta CPI, a gente vai ter a oportunidade de rever essa decisão, e quem sabe, por meio de novos requerimentos, a gente possa dar seguimento ao trabalho que tem sido feito, de grande qualidade, principalmente no que se refere às pessoas que estão trabalhando conosco.
Senador Romero, tem alguma palavra?
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Eu estou recebendo o material e acho que nessa discussão interna que nós vamos fazer aqui é importante ouvir todos os Srs. Senadores, e a partir daí traçar uma programação de trabalho com os dados que estão sendo levantados e os requerimentos que forem apresentados, com fundamentação, para que possam ser apreciados.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito bem.
Senador Omar, quer falar alguma coisa?
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Senador Romário, eu também recebi esse documento, e na semana que vem nós já teremos lido esse documento, eu acho, e a gente poderia fazer uma reunião secreta para tomar as decisões. Seria hoje essa reunião? Eu estava informado de que nós teríamos uma reunião secreta...
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – Não, hoje, hoje...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Não, na verdade hoje ficou só para...
O SR. ROMERO JUCÁ (Bloco Maioria/PMDB - RR) – É uma reunião interna.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – ...entregar...
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Ah, está bom. O.k.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – ... a documentação, para que V. Exªs tenham...
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – E a gente ainda pode convocar alguns membros, se quisermos, ainda, não é, Senador Romário?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Acredito que sim.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Porque conforme os dados aqui, a gente chamar para dar explicações para a gente, correto?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Esse é o objetivo.
Senador, tem alguma palavra?
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Presidente, V. Exª me permite?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Por favor, Senador Randolfe.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Eu acho que nós todos estamos recebendo a síntese desse material no dia de hoje. As informações, os primeiros documentos que começam a ser folheados aqui mostram que há elementos gravíssimos para o aprofundamento de investigações. Eu queria sugerir a V. Exª, quero logo antecipar aqui, pelo que aqui já vejo, eu acho urgente e necessário, por exemplo, convocar o Sr. Gustavo Dantas Feijó, que hoje é Prefeito do Município de Boca da Mata, em Alagoas, para prestar explicações a esta Comissão Parlamentar de Inquérito, pela documentação que aqui está, que, no meu entender, leva a entre outros, termos requerimentos para ouvir esse senhor e ainda termos a quebra de sigilo bancário da campanha desse senhor.
Então, já antecipo que vou apresentar requerimento nesse sentido para a semana que vem. E sugiro, isso aqui é um requerimento que já sugiro, diante das informações que aqui há. Acho que daqui decorrerão vários outros sigilos a serem quebrados. Encontro aqui contradições entre o que o Sr. Del Nero falou nesta CPI e o que de fato está aqui nesta documentação, como, por exemplo, a movimentação financeira da CBF e da FIFA.
Então, eu queria sugerir a V. Exª, Sr. Relator, que, na próxima quarta, ou melhor, na próxima terça, realizássemos aqui uma reunião deliberativa desta CPI com requerimentos a serem apreciados.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Uma questão de ordem, aqui, Senador Randolfe, sem querer ser estraga prazer, mas só me atendo, por exemplo, a esse tema que V. Exª levantou. Acho que, antes de convocar esse senhor que não sei quem é, se se elegeu Prefeito, primeira coisa que determino a minha assessoria: entre no sistema do TSE e verifique se ele foi candidato, se recebeu doação, como é que foi a prestação de conta. Então, acho que temos algumas informações e algumas averiguações que podem ser feitas sem necessariamente partir de pronto para uma convocação de algo que a gente não sabe efetivamente, porque isso aqui é um e-mail, tem que verificar como ocorreu tudo isso.
Então, acho que é mais prudente analisarmos a documentação, na quarta-feira – até porque não há membros aqui, nem para decidir –, fazer uma reunião interna, para definirmos que diligência vamos fazer, quem vamos convidar. Se convidarmos e não vier, quem vamos convocar, ou seja, fazermos, efetivamente, um plano de atuação checando dados e pegando informações. Acho a posição do Senador Omar mais operacional e prudente.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – E não querendo protelar, mas, com essa decisão, daríamos mais agilidade às coisas.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB - RR) – Claro, exatamente.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Presidente, outro dado aqui que me chama atenção e que acho que nos leva a chamar novamente o Sr. Del Nero. Veja, está cristalino na memória de todos, quando o Sr. Del Nero esteve aqui, interroguei-o sobre a existência de contas no exterior, ipsis litteris, fiz o seguinte questionamento:
– O senhor tem contas no exterior?
O Sr. Del Nero respondeu:
– Não, senhor.
Perguntei novamente:
– Com certeza, o senhor não tem?
Ele novamente respondeu:
– Com certeza que não.
Eu insisti:
– Esta CPI não chegará na sua quebra de sigilo, esta CPI não chegará na sua quebra de sigilo a nenhuma conta no exterior, com certeza?
Ele respondeu, inclusive já em tom irônico:
– Nem truste.
Reiterei a pergunta:
– Nenhuma conta?
Ele respondeu:
– Nada, nada, nada.
E, ao que me parece, há indícios aqui pela quebra de sigilo, da existência de contas dele.
Depois da veemência, Senador Paulo, com que ele disse que não tinha contas no exterior, a quebra do sigilo dele nos traz a existência de contas no exterior. Parece-me que isso é elemento suficiente para, novamente, convocar o Sr. Del Nero aqui, porque ele incorreu em uma insistente falsidade testemunhal aqui na CPI. Esse documento que chega aqui me parece que é cabal nesse sentido, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Eu acredito que cabe a V. Exª, com certeza, fazer o requerimento.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Assim o farei.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – E nós faremos nosso papel aqui de colocar para votar. A partir do momento em que haja um entendimento por parte desta Comissão, em que a maioria seja a favor, eu acredito que seria de vital importância, neste momento, só por esses dados aí que foram citados por V. Exª, a presença mais uma vez aqui do Sr. Marco Polo Del Nero e do Sr. Feijó também.
E só para antecipar, estão chegando – talvez já estejam aqui – todos os dados dos Srs. Ricardo Teixeira, do COL, Wagner Abrahão e Carolina Galan. Eu espero e acredito que até a próxima semana, quando será feita nossa reunião, esses dados estejam aqui em nossas mãos para que possamos discutir e decidir o que faremos.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Omar.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Eu concordo com tudo o que o Senador Randolfe está colocando. Eu acho que não podemos ir contra os fatos e o que aparece. Já existe uma investigação por parte do Juiz Federal Márcio Ferro Catapani, que repassou as informações para V. Exª. O senhor está repassando as informações que a Justiça e a Receita Federal, Senador Randolfe, já têm. Elas poderiam nos dar essa informação mais concreta, inclusive, tendo mais dados, mais informações, até porque, quando chamarmos qualquer pessoa aqui, nós teremos alguma coisa a mais. Elas já estão com uma investigação bem mais avançada que nós, tanto é que nós temos informações aqui de algumas ações que foram feitas baseadas naquela operação anterior. O juiz tomou, conforme o ofício encaminhado do Senador Romário para nós aqui Senadores. Então, para nós também nos informarmos mais em relação a isso.
E parece que o Juiz Márcio é do Rio de Janeiro, não é isso, Romário?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Isso, exatamente.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – E ele foi muito gentil, encaminhou para nós as informações que tínhamos pedido, mas, em qualquer informação a mais que nós possamos ter, eu acho que, neste momento, tanto a Receita como o Juiz já têm essas informações, que podem ser passadas para nós.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador Omar, as informações estão aí.
O SR. OMAR AZIZ (Bloco Parlamentar Democracia Progressista/PSD - AM) – Sim, sim.
Eu estou vendo as informações que aqui comprovam contas, que comprovam e-mails. Se foram ou não concretizados os pedidos, é uma outra questão. Há aqui um e-mail do Wagner, que, no final, Senador Randolfe, trata de contrato com uma empresa para transporte de clubes no Brasil.



Muitas vezes – só para lhe dar um exemplo, Senador Romário –, um contrato nos obriga a usar uma única empresa. Senador Randolfe, muitas vezes um voo que duraria duas horas, como a empresa não tem aquele trecho, demora 12 horas, 14 horas para você chegar ao destino, na Região Norte, por exemplo. Para sair do Amazonas para ir para o Amapá, você tem de vir para Brasília e voltar para o Amapá, passar horas e horas. Quer dizer, são coisas que nós temos que melhorar. Não pode você ficar dependendo só de uma empresa para fazer a quantidade de voos que são feitos aí em campeonatos brasileiros, para que os times participem. Mas que é preocupante, é. E nós temos de dar uma satisfação no nosso relatório final.
Mas está muito mastigado já isso. O Senador Romero Jucá não terá muito problema para ver isso, até porque já está sendo entregue para ele.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O que está pelo menos de comum acordo aqui é que, nessa reunião que faremos na próxima semana, a gente colocará tudo isso aí. Até lá eu tenho certeza de que os Senadores terão acesso, inclusive, ao resto do material. E aí eu tenho certeza de que a melhor decisão para o bom andamento desta CPI será tomada a partir da semana que vem.
Senador Paulo Bauer, alguma coisa?
Antes de encerrar, eu coloco em votação a Ata da 22ª Reunião, solicitando a dispensa da sua leitura. (Pausa.)
A ata está aprovada.
Não havendo mais nada a tratar, agradeço a presença de todos.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Sr. Presidente, desculpe-me. Antes de V. Exª concluir.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Sim, Senador.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Nós teremos uma reunião deliberativa semana que vem? É isso? Para apreciar os requerimentos?
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Eu acredito que ideal seria nós fazermos uma reunião secreta, vamos chamar assim.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Perfeito. Eu só queria solicitar de V. Exª, do Relator, o Senador Jucá, sem nenhum óbice e concordando com o encaminhamento melhor que V. Exª achar no tratamento dessas informações e encaminhamento, que, não sendo possível semana que vem, na semana seguinte nós fizéssemos uma reunião deliberativa.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Claro. Isso será feito.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Acho que se tornará iminente isso diante desses dados.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – O.k. Senador.
Mais uma vez, não havendo mais nada a tratar, agradeço a presença de todos e declaro encerrada a presente reunião.

06/04/2016 - 24ª - CPI do Futebol - 2015

O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Boa tarde a todos.
Havendo número regimental, declaro aberta a 24ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito criada pelo Requerimento nº 616, de 2015, com a finalidade de investigar a situação do futebol brasileiro.
Vou fazer um comunicado aos Srs. Senadores.
Na tarde de ontem, fui informado que foram protocoladas duas denúncias contra mim no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar em decorrência de pronunciamentos que proferi na condição de Senador e de Presidente desta CPI que investiga irregularidades no futebol brasileiro, sobretudo na Confederação Brasileira de Futebol e no Comitê Organizador Local da Copa do Mundo de 2014.
Todos sabemos que, de acordo com o art. 53 da Constituição Federal, os Deputados e Senadores são invioláveis civil e penalmente por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos.
Deste modo, solicito ao Senador João Alberto, que, infelizmente, não se encontra no momento, Presidente do Conselho de Ética, que determine liminarmente o arquivamento dessas denúncias, uma vez que a prerrogativa de imunidade parlamentar é inafastável, protege todo e qualquer membro do Congresso Nacional, não podendo motivar processo disciplinar, como pretendem os que formularam este pedido. Inclusive esses dois senhores, Dunga e Gilmar Rinaldi, ontem foram cobrados, praticamente publicamente, por um senhor, que oficialmente não faz parte da CBF, que é o Sr. Marco Polo Del Nero, como se essa cobrança fosse ajudar alguma coisa à nossa Seleção dentro de campo.
Antes de iniciarmos, esclareço que esta Comissão Parlamentar de Inquérito já aprovou 27 requerimentos de quebra de sigilo. Dessas 27 quebras, vencemos no Supremo Tribunal Federal todas as que foram contestadas, à exceção do requerimento do Sr. Rogério Caboclo, uma vez que os advogados dele informaram incorretamente ao Supremo que não tiveram acesso à justificação do requerimento.
Os advogados do Sr. Rogério Caboclo, até o presente momento, não entraram em contato com a Secretaria da CPI para acessar o inteiro teor do requerimento contrário aos interesses do seu cliente, o que denota a inveracidade das informações prestadas em juízo.
Por isso, a Presidência recorreu da liminar concedida e aguarda reexame da matéria pela Relatora, Ministra Rosa Weber.
Vou passar a palavra para o Senador Randolfe, na esperança de chegar mais um Senador para dar quórum.
Por favor, Senador.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Presidente Romário, meu caríssimo amigo Senador Petecão, primeiro, está claro e é importante registrar isso para todos que estão assistindo esta Comissão Parlamentar de Inquérito: esta CPI está sendo hoje vítima de um processo de boicote e sabotagem, porque não querem aprofundar as investigações e não querem que o Brasil tenha conhecimento do conjunto de documentos que já chegou a esta CPI.
Então, restariam duas alternativas: uma, aqui serem colocados a voto os requerimentos que dão cabo do processo de investigação que é tarefa desta Comissão Parlamentar de Inquérito, serem colocados a voto e eles assumirem o ônus de rejeitarem esses requerimentos; ou outro, não haver deliberação e termos esse triste espetáculo que hoje assistimos. É a CPI procurando se reunir, mas sendo vítima de um processo de obstrução e sabotagem. Não há outro nome para isso. Esta CPI está sendo vítima de um processo de sabotagem.
A CPI precisa, Senador Romário, Senador Petecão, ouvir novamente o Sr. Marco Polo Del Nero, porque o dossiê com as informações que chegaram aqui, que dão conta do sigilo do próprio Del Nero, claramente contrasta e contradiz com o depoimento que esse senhor prestou aqui nesta CPI, notadamente aspectos do depoimento em que ele diz que ele não possuía conta no exterior. Aspectos como esse precisam de um esclarecimento aqui do Sr. Del Nero, e é por isso que é necessário o retorno dele nesta CPI.
Da mesma forma, a CPI precisa ouvir o Sr. Ricardo Teixeira e o Sr. Wagner Abrahão. O Sr. Wagner Abrahão é o principal responsável pelos nebulosos negócios da CBF. O Sr. Ricardo Teixeira já teve um requerimento que foi rejeitado, só que chegaram a esta CPI documentos e dados novos que dão conta da inevitabilidade da necessidade da convocação do Sr. Ricardo Teixeira.
Em março, o Relator desta CPI disse que não era possível a convocação deles sob a argumentação de que os documentos desse trio – Del Nero, Teixeira, Abrahão – não tinham chegado. Nós temos os documentos aí, nós temos o sigilo desses três aqui na CPI. E as informações são estarrecedoras sobre o esquema de corrupção montado à custa do futebol brasileiro, responsável pelas vergonhas que o futebol brasileiro está passando internacionalmente – vergonhas como o último resultado.
Há algum tempo, Romário, e acho que no seu tempo era inimaginável nós empatarmos com o Paraguai, era pouco provável, aliás, era impossível perder de 7 a 1. Então, a vergonha, retratada da forma como o futebol está sendo administrado, está repercutindo no campo, está retirando e ofendendo a paixão do povo brasileiro pelo futebol. A pergunta que tem que ser feita: qual é o medo que tem os Srs. Del Nero, Abrahão e Teixeira? Qual o medo deles em terem uma nova convocação para estarem presentes nesta CPI?
Segunda pergunta: o que temem os membros da CPI que obstruem a investigação? Não dão quórum, sabotam a investigação, não querem que esta reunião ocorra e tome deliberações? Qual é o temor? Qual é o receio? Eu acrescento mais uma pergunta, Senador Romário, Senador Petecão: por que tanto receio e temor de que venham a público as informações que esta CPI já tem? Temor que leva o todo-poderoso COI a querer intimidar, inclusive, o Congresso Nacional e os membros desta Comissão Parlamentar de Inquérito, tentando mover representações no Conselho de Ética ou na Procuradoria-Geral da República. Representações essas que nós dizemos aqui em alto e bom som, Romário, e você já destacou aqui no começo desta reunião: nós não só a refutamos como não a tememos. Não tememos nenhum dos coronéis que se apossaram e montaram no futebol brasileiro o maior esquema de corrupção de toda a história do nosso principal esporte nacional.
Não tememos o COI e, como você muito bem disse, Senador Romário, não há o que temer do Sr. Dunga e do Sr. Gilmar Rinaldi. Não tem o que temer e não tem motivo para isso mesmo. É importante que eles saibam: se para uma coisa existe o art. 53 da Constituição é para inviolabilidade das palavras, opiniões e votos. Aliás, Senador Perrella, Senador Romário e Senador Petecão, há uma garantia incontestável da Constituição da República para nós, que é a inviolabilidade das opiniões e votos. Aliás, se o fundamento da imunidade parlamentar serve para alguma coisa, não é para prevenir em relação a crimes, é para que possamos falar desta tribuna aqui o que nós quisermos, em nome do povo brasileiro. É esse o princípio da existência da inviolabilidade precisa no art. 53 da Constituição.
Então, por tudo que falamos – foi dito aqui: eu não só me solidarizo com o senhor, Senador Romário, com o que foi dito em relação aos Srs. Gilmar Rinaldi e Dunga, como me associo –, se tem-se que representar, que se represente então contra mais um dos membros desta Comissão Parlamentar de Inquérito e do Congresso Nacional.
É fundamental...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito obrigado, Senador.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE - AP) – Só concluindo, Senador Romário.
É fundamental que destaquemos aqui que, numa reunião anterior, um conjunto de requerimentos indispensáveis para a investigação foi derrubado. O Relator desta CPI, o Romero Jucá – que espero ainda venha à CPI –, assumiu recentemente a Presidência do PMDB.
Foi com alegria que vi a manifestação do PMDB há bem pouco tempo, desembarcando do Governo da Presidente Dilma, dizendo, entre outras coisas, que era necessário haver investigação e transparência.
Pois bem, quem argui isso deveria também defender a mesma investigação e transparência em relação ao futebol brasileiro.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Muito bem, Senador.
Já foi mais do que colocado aqui por aqueles que entendem que no futebol deve haver uma mudança urgente e todos nós somos sabedores do que vem acontecendo nos bastidores desta Comissão. Infelizmente, posso afirmar a V. Exª que nós temos em mão agora uma grande oportunidade de definitivamente mudarmos um pouco a história do nosso futebol, principalmente no que se refere à moralidade desse que é o esporte mais querido por todos nós.
Eu continuo com a esperança de que alguns dos nossos colegas aqui possam mudar de atitude em relação a algumas decisões já tomadas aqui anteriormente, para que esta CPI continue dando seguimento positivo para as coisas andarem.
Temos agora quórum. Vamos votar os requerimentos.
Todos os requerimentos pautados podem ser apreciados em bloco mediante votação por processo simbólico.
Passamos à aprovação em bloco dos seguintes requerimentos:
ITEM 1
Requerimento Nº 11/2015
Requer a convocação do Sr. Marco Polo Del Nero, Presidente da CBF.
Autoria: Senador Romário.
ITEM 2
Requerimento Nº 139/2016
Requer seja convocado, na condição de testemunha, o Sr. MARCO POLO DEL NERO, Presidente licenciado da CBF, a fim de ser inquirido por este Colegiado sobre a CBF e o COL, em especial quanto a possíveis irregularidades em contratos feitos para a realização de partidas da seleção brasileira e de campeonatos organizados pela CBF, assim como para a realização da Copa das Confederações FIFA 2013 e da Copa do Mundo FIFA 2014, temas objeto das investigações desta Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues.
ITEM 3
Requerimento Nº 140/2016
Requer seja convocado, na condição de testemunha, o Sr. MARCO POLO DEL NERO FILHO, relacionado à abertura de contas no exterior.
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues.
ITEM 4
Requerimento Nº 141/2016
Requer seja convocado, na condição de testemunha, o Sr. WAGNER JOSÉ ABRAHÃO, empresário do ramo do turismo, a fim de ser inquirido por este Colegiado sobre a CBF e o COL, em especial quanto a possíveis irregularidades em contratos feitos para a realização de partidas da seleção brasileira e de campeonatos organizados pela CBF, assim como para a realização da Copa das Confederações FIFA 2013 e da Copa do Mundo FIFA 2014, temas objeto das investigações desta Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues.
ITEM 5
Requerimento Nº 142/2016
Requer seja convocado, na condição de testemunha, o Sr. GUSTAVO DANTAS FEIJÓ, Vice-Presidente da CBF para a Região Nordeste, a fim de ser inquirido por este Colegiado sobre a eventual colaboração da CBF com recursos para a campanha eleitoral do sr. Gustavo Dantas Feijó quando candidato a prefeito do município de Boca da Mata, Alagoas, em 2012.
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues.
ITEM 6
Requerimento Nº 143/2016
Requer seja convocado, na condição de testemunha, o Sr. RICARDO TEIXEIRA, que exerceu a Presidência da CBF no período 1989 a 2012, a fim de ser inquirido por este Colegiado sobre a CBF e o COL, em especial quanto a possíveis irregularidades em contratos feitos para a realização de partidas da seleção brasileira e de campeonatos organizados pela CBF, assim como para a realização da Copa das Confederações FIFA 2013 e da Copa do Mundo FIFA 2014, temas objeto das investigações desta Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).
Autoria: Senador Randolfe Rodrigues.
Coloco os requerimentos em votação.
Aqueles Senadores que os aprovam permaneçam como estão. (Pausa.)
Os requerimentos estão aprovados.
Requerimento extrapauta.
Com base no art. 121 do Regimento Interno, incluo extrapauta os seguintes requerimentos de minha autoria.
Requerimento nº 144, de 2016, que "convida a colaborar com a CPI, sem ônus, Marcos Evandro Cardoso Santi, Consultor Legislativo aposentado do Senado Federal, na área de Direito Constitucional e Processo Legislativo."
Requerimento nº 145, de 2016 que "retifica informações do nome das pessoas indicadas nos requerimentos 110/2015, 116/2015 e 125/2015, para viabilizar transferências de sigilo pelo Banco Central."
Os dois são de minha autoria.
Consulto o Plenário se há algum Senador que deseje encaminhar a votação. (Pausa.)
Passamos, agora, à votação dos requerimentos mencionados.
ITEM 7
Requerimento Nº 144/2016
Convida a colaborar com a CPI, sem ônus, Marcos Evandro Cardoso Santi, Consultor Legislativo aposentado do Senado Federal, na área de Direito Constitucional e Processo Legislativo.
Autoria: Senador Romário.
ITEM 8
Requerimento Nº 145/2016
Retifica informações do nome das pessoas indicadas nos requerimentos 110/2015, 116/2015 e 125/2015, para viabilizar transferências de sigilo pelo Banco Central.
Autoria: Senador Romário.
Os Srs. Senadores que os aprovam permaneçam como se encontram. (Pausa.)
Os requerimentos estão aprovados.
Nada mais havendo a tratar, vou declarar encerrada esta presente reunião.
Antes de encerrar, gostaria de votar...
O SR. ZEZE PERRELLA (Bloco União e Força/PTB - MG) – Senador Romário, eu gostaria de fazer só uma ponderação.
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Só um segundo, Senador.
Antes de encerrar, gostaria de colocar as atas das reuniões anteriores em votação.
Os Srs. Senadores que as aprovam permaneçam como se encontram. (Pausa.)
Estão aprovadas.
Por favor, Senador.
O SR. ZEZE PERRELLA (Bloco União e Força/PTB - MG) – Vamos transformar a convocação do Ricardo Teixeira em convite, porque ele não é o foco principal. Não estou defendendo, não há nada, mas ele se encontra numa situação muito precária de saúde, bem séria mesmo. Então, gostaria de solicitar a vocês, em vez da convocação, um convite. Acho que ficaria mais...
O SR. PRESIDENTE (Romário. Bloco Socialismo e Democracia/PSB - RJ) – Senador, para o ex-Presidente da CBF Ricardo Teixeira, dentro do próprio plano de trabalho do nosso Relator, já foi aprovado um convite. Faremos isso de novo, a seu pedido e de acordo com o plano de trabalho do Relator. Ele não responder ao convite que acabou de ser aprovado, aqui, através de requerimento, haverá a sua convocação. Esperamos que ele venha aqui, como convidado, para nos passar o que precisamos ouvir e que seja necessário para a nossa CPI.
Muito obrigado a todos pela presença.
Esclareço a V. Exª que não serão publicados nesta ata os trechos que, eventualmente, façam referência à documentação sigilosa recebida por esta Comissão, que serão autuadas em aparato como documentação de acesso restrito. É a Ata da 23ª Reunião.
Muito obrigado a todos.
Bom dia.
Declaro encerrada esta reunião.




Especial: É tudo um assunto só!

Outro dia discutindo sobre as manifestações do dia 15, sobre crise do governo e a corrupção da Petrobrás eu perguntei a ele se tinha acompanhado a CPI da Dívida Pública. Então ele me respondeu: Eu lá estou falando de CPI?! Não me lembro de ter falado de CPI nenhuma! Estou falando da roubalheira... A minha intenção era dizer que apesar de ter durado mais de 9 meses e de ter uma importância ímpar nas finanças do país, a nossa grande mídia pouco citou que houve a CPI e a maioria da população ficou sem saber dela e do assunto... Portanto não quis fugir do assunto... é o mesmo assunto: é a política, é a mídia, é a corrupção, são as eleições, é a Petrobras, a auditoria da dívida pública, democracia, a falta de educação, falta de politização, compra de votos, proprina, reforma política, redemocratização da mídia, a Vale, o caso Equador, os Bancos, o mercado de notícias, o mensalão, o petrolão, o HSBC, a carga de impostos, a sonegação de impostos,a reforma tributária, a reforma agrária, os Assassinos Econômicos, os Blog sujos, o PIG, as Privatizações, a privataria, a Lava-Jato, a Satiagraha, o Banestado,  o basômetro, o impostômetro, É tudo um assunto só!...



A dívida pública brasileira - Quem quer conversar sobre isso?


Escândalo da Petrobrás! Só tem ladrão! O valor de suas ações caíram 60%!! Onde está a verdade?


O tempo passa... O tempo voa... E a memória do brasileiro continua uma m#rd*


As empresas da Lava-jato = Os Verdadeiros proprietários do Brasil = Os Verdadeiros proprietários da mídia.

Desastre na Barragem Bento Rodrigues <=> Privatização da Vale do Rio Doce <=> Exploração do Nióbio



Sobre o mensalão: Eu tenho uma dúvida!



Trechos do Livro "Confissões de um Assassino Econômico" de John Perkins 

Meias verdades (Democratização da mídia)

Spotniks, o caso Equador e a história de Rafael Correa.

O caso grego: O fogo grego moderno que pode nos dar esperanças contra a ilegítima, odiosa, ilegal, inconstitucional e insustentável classe financeira.


Uma visão liberal sobre as grandes manifestações pelo país. (Os Oligopólios cartelizados)

Depoimento do Lula: "Nunca antes nesse país..." (O país da piada pronta)
(Relata "A Privataria Tucana", a Delação Premiada de Delcidio do Amaral e o depoimento coercitivo do Lula para a Polícia Federal)


Seminário Nacional - Não queremos nada radical: somente o que está na constituição.

Seminário de Pauta 2015 da CSB - É tudo um assunto só...

UniMérito - Assembleia Nacional Constituinte Popular e Ética - O Quarto Sistema do Mérito 

As aventuras de uma premiada brasileira! (Episódio 2016: Contra o veto da Dilma!)


As histórias do ex-marido da Patrícia Pillar

A mídia é o 4° ou o 1° poder da república? (Caso Panair, CPI Times-Life)

O Mercado de notícias - Filme/Projeto do gaúcho Jorge Furtado

Quem inventou o Brasil: Livro/Projeto de Franklin Martins (O ex-guerrilheiro ouve música)



Luiz Flávio Gomes e sua "Cleptocracia"



Comentários políticos com Bob Fernandes.


Ricardo Boechat - Talvez seja ele o 14 que eu estou procurando...


Pedaladas Fiscais - O que são? Onde elas vivem? Vão provocar o impeachment da Dilma?

Como o PT blindou o PSDB e se tornou alvo da PF e do MPF - É tudo um assunto só!


InterVozes - Coletivo Brasil de Comunicação Social

Ajuste Fiscal - Trabalhadores são chamados a pagar a conta mais uma vez

Resposta ao "Em defesa do PT"

Melhores imagens do dia "Feliz sem Globo" (#felizsemglobo)


Desastre em Mariana/MG - Diferenças na narrativa.

Quanto Vale a vida?!


Questões de opinião:
Questão de opinião: Maioridade penal a partir de 16 anos: seria uma boa?
Questão de Opinião: Financiamento de campanha: Público X Privado X Empresarial.
Questão de opinião: Terceirização - Temos que garantir os direitos deles ou dela? (PL 4330) (PCL 30/2015)

Eduardo Cunha - Como o Brasil chegou a esse ponto?




Sobre a Ditadura Militar e o Golpe de 64:

O Brasil Mudou. A Mídia não!

Dossiê Jango - Faz você lembrar de alguma coisa?


Comissão Nacional da Verdade - A história sendo escrita (pela primeira vez) por completo.


Sobre o caso HSBC (SwissLeaks):

Acompanhando o Caso HSBC I - Saiu a listagem mais esperadas: Os Políticos que estão nos arquivos.


Acompanhando o Caso HSBC II - Com a palavra os primeiros jornalistas que puseram as mãos na listagem.


Acompanhando o Caso HSBC III - Explicações da COAF, Receita federal e Banco Central.



Acompanhando o Caso HSBC V - Defina: O que é um paraíso fiscal? Eles estão ligados a que países?


Acompanhando o Caso HSBC VI - Pausa para avisar aos bandidos: "Estamos atrás de vocês!"... 


Acompanhando o Caso HSBC VII - Crime de evasão de divisa será a saída para a Punição e a repatriação dos recursos


Acompanhando o Caso HSBC VIII - Explicações do presidente do banco HSBC no Brasil

Acompanhando o Caso HSBC IX  - A CPI sangra de morte e está agonizando...

Acompanhando o Caso HSBC X - Hervé Falciani desnuda "Modus-Operandis" da Lavagem de dinheiro da corrupção.





Sobre o caso Operação Zelotes (CARF):

Acompanhando a Operação Zelotes!


Acompanhando a Operação Zelotes II - Globo (RBS) e Dantas empacam as investigações! Entrevista com o procurador Frederico Paiva.

Acompanhando a Operação Zelotes III - Aberto a CPI do CARF - Vamos acompanhar!! 

Acompanhando a Operação Zelotes IV (CPI do CARF) - Apresentação da Polícia Federal, Explicação do Presidente do CARF e a denuncia do Ministério Público.

Acompanhando a Operação Zelotes V (CPI do CARF) - Vamos inverter a lógica das investigações?

Acompanhando a Operação Zelotes VI (CPI do CARF) - Silêncio, erro da polícia e acusado inocente depõe na 5ª reunião da CPI do CARF.

Acompanhando a Operação Zelotes VII (CPI do CARF) - Vamos começar a comparar as reportagens das revistas com as investigações...

Acompanhando a Operação Zelotes VIII (CPI do CARF) - Tem futebol no CARF também!...

Acompanhando a Operação Zelotes IX (CPI do CARF): R$1,4 Trilhões + R$0,6 Trilhões = R$2,0Trilhões. Sabe do que eu estou falando?

Acompanhando a Operação Zelotes X (CPI do CARF): No meio do silêncio, dois tucanos batem bico...

Acompanhando a Operação Zelotes XI (CPI do CARF): Tarólogo bocudo dá corpo à versão da Veja.

Acompanhando a Operação Zelotes XII (CPI do CARF): Nem tudo é igual quando se pensa em como tudo deveria ser...

Acompanhando a Operação Zelotes XIII (CPI do CARF): APS fica calado. Meigan Sack fala um pouquinho. O Estadão está um passo a frente da comissão? 

Acompanhando a Operação Zelotes XIV (CPI do CARF): Para de tumultuar, Estadão!

Acompanhando a Operação Zelotes XV (CPI do CARF): Juliano? Que Juliano que é esse? E esse Tio?

Acompanhando a Operação Zelotes XVI (CPI do CARF): Senhoras e senhores, Que comece o espetáculo!! ("Operação filhos de Odin")

Acompanhando a Operação Zelotes XVII (CPI do CARF): Trechos interessantes dos documentos sigilosos e vazados.

Acompanhando a Operação Zelotes XVIII (CPI do CARF): Esboço do relatório final - Ainda terão mais sugestões...

Acompanhando a Operação Zelotes XIX (CPI do CARF II): Melancólico fim da CPI do CARF. Início da CPI do CARF II



Sobre CBF/Globo/Corrupção no futebol/Acompanhando a CPI do Futebol:

KKK Lembra daquele desenho da motinha?! Kajuru, Kfouri, Kalil:
Eu te disse! Eu te disse! Mas eu te disse! Eu te disse! K K K


A prisão do Marin: FBI, DARF, GLOBO, CBF, PIG, MPF, PF... império Global da CBF... A sonegação do PIG... É Tudo um assunto só!!


Revolução no futebol brasileiro? O Fim da era Ricardo Teixeira. 




Videos com e sobre José Maria Marin - Caso José Maria MarinX Romário X Juca Kfouri (conta anonima do Justic Just ) 





Do apagão do futebol ao apagão da política: o Sistema é o mesmo



Acompanhando a CPI do Futebol - Será lúdico... mas espero que seja sério...

Acompanhando a CPI do Futebol II - As investigações anteriores valerão!

Acompanhando a CPI do Futebol III - Está escancarado: É tudo um assunto só!

Acompanhando a CPI do Futebol IV - Proposta do nobre senador: Que tal ficarmos só no futebol e esquecermos esse negócio de lavagem de dinheiro?!

Acompanhando a CPI do Futebol V - Andrew Jennings implora: "Dont give up"! (Não desistam)!
Acompanhando a CPI do Futebol VI - O Romário é centro-avante ou um juiz?! 

Acompanhando a CPI do Futebol VII - Uma questão de opinião: Ligas ou federações?!

Acompanhando a CPI do Futebol VIII - Eurico Miranda declara: "A modernização e a profissionalização é algo terrível"!

Acompanhando a CPI do Futebol IX - Os presidentes de federações fazem sua defesa em meio ao nascimento da Liga...

Acompanhando a CPI do Futebol X - A primeira Liga começa hoje... um natimorto...