Magazine Luiza

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Vencedores do Oscar 2015 - Principais reportagens - Comentários ao vivo.

OSCAR 2015 | OS FILMES VENCEDORES

Acompanhe a nossa live, e a lista atualizada dos ganhadores!

22/02/2015 - 19:21 - BRUNO SILVA

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA realizou hoje a 87ª cerimônia do  Oscar Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)  foi o grande vencedor da noite, com quatro estatuetas, incluindo melhor filme, melhor diretor (Alejandro González Iñarritu), melhor roteiro original e melhor fotografia.  O Grande Hotel Budapeste  também levou quatro estatuetas: melhor figurino, melhor maquiagem, melhor design de produção e melhor trilha sonora.
Confira abaixo a lista completa dos premiados do Oscar 2015  - os vencedores aparecem em negrito:
Melhor filme
Melhor diretor
Melhor atriz
Melhor ator
Melhor ator coadjuvante
Melhor atriz coadjuvante
Melhor roteiro original
Melhor roteiro adaptado
Melhor longa de animação
Melhor documentário em longa-metragem
  • Citizenfour (VENCEDOR)
  • Vietnã: Batendo em Retirada
  • Virunga
  • A Fotografia Oculta de Vivian Maier
  • O Sal da Terra
Melhor longa estrangeiro
  • Ida (VENCEDOR) (Polônia)
  • Leviatã  (Rússia)
  • Tangerines (Estônia)
  • Timbuktu (Mauritânia)
  • Relatos Selvagens  (Argentina)
Melhor curta-metragem
  • Aya
  • Boogaloo and Graham
  • Butter Lamp
  • Parvaneh
  • The Phone Call (VENCEDOR)
Melhor documentário em curta-metragem
  • Crisis Hotline: Veterans Press 1 (VENCEDOR)
  • Joanna
  • Our Curse
  • The Reaper (La Parka)
  • White Earth
Melhor animação em curta-metragem
  • The Bigger Picture
  • The Dam Keeper
  • O Banquete (VENCEDOR)
  • Me and My Moulton
  • A Single Life
Melhor canção original
  • "Everything is Awesome", por Shawn Patterson, Joshua Bartholomew, Lisa Harriton, The Lonely Island -  Uma Aventura LEGO
  • "Glory", por John Legend, Common (VENCEDORES) -  Selma
  • "Grateful", por Diane Warren - Beyond the Lights
  • "I'm Not Going to Miss You", por Glen Campbell - Glen Campbell: I'll Be Me
  • "Lost Stars", por Gregg Alexander, Danielle Brisebois, Nick Lashley, Nick Southwood -  Mesmo Se Nada Der Certo
Melhor fotografia
Melhor figurino
Melhor maquiagem e cabelo
Melhor mixagem de som
Melhor edição de som
Melhores efeitos visuais
Melhor design de produção
Melhor montagem
Melhor trilha sonora
No Cinema em Cena:

Nesta 87ª edição do Oscar, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas premiou os melhores profissionais e obras que marcaram o ano. A competição realizada em Los Angeles (EUA) foi apresentada por Neil Patrick Harris, que abriu a noite com um número musical ao lado de Jack Black e Anna Kendrick.
Em outro divertido momento, Harris ficou apenas de cueca, em uma referência a uma das cenas de Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância, produção que levou o prêmio de Melhor Filme, Melhor Diretor para Alejandro González Iñárritu, Melhor Roteiro Original e Melhor Fotografia para Emmanuel Lubezki (que vence seu segundo Oscar consecutivo apósGravidade).
Birdman pode ter sido o grande ganhador da premiação, mas todos os longas indicados à categoria de Melhor Filme receberam pelo menos uma estatueta, como A Teoria de Tudo(Melhor Ator para Eddie Redmayne), O Jogo da Imitação (Melhor Roteiro Adaptado para Graham Moore), Boyhood: Da Infância à Juventude (Melhor Atriz Coadjuvante para Patricia Arquette), Sniper Americano (Melhor Edição de Efeitos Sonoros) e Selma: Uma Luta Pela Igualdade (Melhor Canção Original para "Glory").
 Whiplash - Em Busca da Perfeição e O Grande Hotel Budapeste foram surpresas e ganharam três e quatro Oscars, respectivamente. O primeiro filme garantiu o já esperado prêmio de Melhor Ator Coadjuvante para J.K. Simmons e conseguiu vencer como Melhor Mixagem de Som e Melhor Montagem, enquanto o segundo foi reconhecido como Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Figurino, Melhor Design de Produção e Melhor Maquiagem e Penteado.
O 87º Oscar também homenageou os profissionais que faleceram desde a última edição, como Mickey Rooney, Anita Ekberg, H. R. Giger, Gordon Willis, Richard Attenborough, Robin Williams, Lauren Bacall, Eli Wallach, Alain Resnais, Bob Hoskins e Mike Nichols.
Em uma das partes mais belas da cerimônia, Lady Gaga cantou uma canção de A Noviça Rebelde (1965), filme ganhador de cinco Oscars que está completando 50 anos. No final da apresentação, a protagonista do longa, Julie Andrews, apareceu no palco e elogiou a performance de Gaga.
Nesta 87ª edição do Oscar, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas premiou os melhores profissionais e obras que marcaram o ano. A competição realizada em Los Angeles (EUA) foi apresentada por Neil Patrick Harris, que abriu a noite com um número musical ao lado de Jack Black e Anna Kendrick.
Em outro divertido momento, Harris ficou apenas de cueca, em uma referência a uma das cenas de Birdman ou a Inesperada Virtude da Ignorância, produção que levou o prêmio de Melhor Filme, Melhor Diretor para Alejandro González Iñárritu, Melhor Roteiro Original e Melhor Fotografia para Emmanuel Lubezki (que vence seu segundo Oscar consecutivo apósGravidade).
Birdman pode ter sido o grande ganhador da premiação, mas todos os longas indicados à categoria de Melhor Filme receberam pelo menos uma estatueta, como A Teoria de Tudo(Melhor Ator para Eddie Redmayne), O Jogo da Imitação (Melhor Roteiro Adaptado para Graham Moore), Boyhood: Da Infância à Juventude (Melhor Atriz Coadjuvante para Patricia Arquette), Sniper Americano (Melhor Edição de Efeitos Sonoros) e Selma: Uma Luta Pela Igualdade (Melhor Canção Original para "Glory").
 Whiplash - Em Busca da Perfeição e O Grande Hotel Budapeste foram surpresas e ganharam três e quatro Oscars, respectivamente. O primeiro filme garantiu o já esperado prêmio de Melhor Ator Coadjuvante para J.K. Simmons e conseguiu vencer como Melhor Mixagem de Som e Melhor Montagem, enquanto o segundo foi reconhecido como Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Figurino, Melhor Design de Produção e Melhor Maquiagem e Penteado.
O 87º Oscar também homenageou os profissionais que faleceram desde a última edição, como Mickey Rooney, Anita Ekberg, H. R. Giger, Gordon Willis, Richard Attenborough, Robin Williams, Lauren Bacall, Eli Wallach, Alain Resnais, Bob Hoskins e Mike Nichols.
Em uma das partes mais belas da cerimônia, Lady Gaga cantou uma canção de A Noviça Rebelde (1965), filme ganhador de cinco Oscars que está completando 50 anos. No final da apresentação, a protagonista do longa, Julie Andrews, apareceu no palco e elogiou a performance de Gaga.
 No Omelete:
"Birdman (Ou a Inesperada Virtude da Ignorância)" foi eleito o melhor filme no Oscar 2015. O longa do mexicano Alejandro González Iñárritu foi o destaque da noite, e levou também melhor fotografia, roteiro original e direção, somando quatro prêmios --mesmo número de "O Grande Hotel Budapeste", que venceu em categorias mais técnicas.
Estrelado por Michael Keaton, "Birdman" retrata um ator que fez sucesso no passado interpretando um super-herói e tenta retomar a carreira montando uma peça na Broadway. Keaton era um dos favoritos ao prêmio de melhor ator, mas acabou perdendo para Eddie Redmayne, de "A Teoria de Tudo".
"Quero agradecer a todas as pessoas que acreditaram nesta ideia. Atrás deste filme há heróis", disse Iñárritu ao receber o prêmio de melhor filme. "Quero dedicá-lo a meus amigos mexicanos, e a todos os mexicanos que fizeram deste país uma grande nação imigrante", finalizou.
Com o Oscar de melhor diretor, Iñárritu se torna o segundo mexicano a vencer na categoria, repetindo o feito de Alfonso Cuarón ("Gravidade") em 2014.

Destaque para os veteranos
Em uma noite de prêmios que seguiram, em sua maioria, os scripts das previsões, o Oscar 2015 ficou marcado por premiar atores veteranos, em vez dos jovens que vinham dominando nos últimos anos.
A premiação deste ano será lembrada também como o Oscar com menos representatividade feminina e de negros, fato que foi lembrado no aplaudido discurso de Arquette, que dedicou seu prêmio "a toda mulher que já deu à luz, todo cidadão que paga impostos. Esse é a hora de ter igualdade de direitos para as mulheres", bradou a atriz, saudada com entusiamo por Meryl Streep e Jennifer Lopez.
Como tentativa de "reparar" o que foi apontado como injustiça com o filme "Selma", sobre as marchas de Martin Luther King Jr. no Alabama, esnobado nas categorias de direção e atuação, a Academia preparou um grande número musical muito aplaudido para "Glory", interpretada por Common e John Legend, que também ficou com o Oscar de canção original.
O discurso de Legend ao aceitar o prêmio teve forte apelo político: "Sabemos que hoje a luta por liberdade e justiça é real. Vivemos em um país com a maior população carcerária do mundo. Há mais homens negros sob regime correcional hoje do que havia sob a escravidão em 1850", disse.
Na distribuição de prêmios, o Oscar 2015 foi equilibrado, sem que um único filme se destacasse pelo grande número de estatuetas recebidas. "O Grande Hotel Budapeste" e "Birdman" ficaram com quatro; "Whiplash", com três; "Boyhood", "Sniper Americano", "O Jogo da Imitação", "A Teoria de Tudo", "Selma" e "Para Sempre Alice", um.
A seção "In Memorian", que homenageia as personalidades do cinema que morreram no último ano, destacou nomes como o ator Robin Williams, o cineasta Mike Nichols e o escritor Gabriel García Márquez, mas deixou de fora a comediante Joan Rivers, que morreu em setembro, aos 80 anos.

Oscar 2015: Atrizes se rebelam contra o machismo no tapete vermelho





Campanha #AskHerMore
Campanha usa a hashtag #AskHerMore para pedir que jornalistas façam perguntas mais inteligentes às atrizes: "Não pergunte apenas sobre o vestido. Pergunte sobre a mulher que está usando [o vestido]"

Em meio à temporada de premiações de Hollywood e aos preparativos para o Oscar 2015, neste domingo, atrizes famosas têm levantado a voz contra o que classificam como demonstrações de machismo.
Nomes como Cate Blanchett, Julianne Moore e Emma Stone têm se recusado a apenas exibir seu "visual" e alegam que, enquanto seus colegas homens recebem perguntas relacionadas a carreiras e papéis nos filmes, para elas sobram questões sobre vestidos, penteados e dietas.
E uma campanha com o slogan #AskHerMore ("pergunte mais a ela") foi encampada pela comediante Amy Poehler, apresentadora da última edição do Globo de Ouro e estrela do seriado Parks and Recreation. A campanha foi usada em premiações recentes pelo site The Daily Share para estimular perguntas mais inteligentes vindas dos espectadores.
O resultado foram questões como "qual era seu plano B se fracassasse como atriz?", "qual o melhor conselho que você recebeu?", "que papel feminino você sonha em interpretar?", com respostas bem mais interessantes.
O grupo Representation Project, responsável pelo #AskHerMore, pede que a hashtag seja usada pelo público para pressionar os entrevistadores do Oscar, alegando que "muitas vezes os repórteres focam mais na aparência feminina do que em suas conquistas".

'Você faz isso com os homens?'

Um dos momentos mais emblemáticos dessas críticas ocorreu na temporada de premiações do ano passado, quando Cate Blanchett (vencedora do Oscar de melhor atriz em 2014) interrompeu uma entrevista no tapete vermelho no momento em que um cinegrafista a filmava seu corpo para mostrar seu vestido. "Você faz a mesma coisa com os homens?", perguntou ela ao cinegrafista, ao vivo.




Cate Blanchett interrompeu uma entrevista no tapete vermelho no momento em que um cinegrafista filmava seu corpo para mostrar seu vestido

Este ano, na premiação do SAG (Screen Actors Guild Awards), diversas atrizes se recusaram a mostrar as mãos para a chamada chamada "mani-cam" - uma pequena câmera da emissora E! que servia para as atrizes exibirem suas unhas feitas e os dedos adornados com anéis de diamantes.
Emma Stone e Jennifer Garner também já se queixaram de serem questionadas sobre suas rotinas de beleza ou o típico "como você concilia trabalho e família?", perguntas que nunca aparecem nas entrevistas com seus respectivos namorados e maridos famosos.
"Absolutamente todas as pessoas que me entrevistaram me perguntaram isso", criticou Garner em um evento em outubro passado. "Ninguém nunca perguntou (ao marido dela, o ator e diretor Ben Affleck) sobre equilíbrio entre trabalho e família. E nós compartilhamos a mesma família. Será que não é hora de mudar essa conversa?"
Numa tentativa de mostrar a banalidade de algumas perguntas feitas a mulheres famosas, o site Buzzfeed UK as fez a atores durante a premiação do Bafta, no início de fevereiro. Astros como Eddie Redmayne (indicado ao Oscar por A Teoria de Tudo) e Michael Keaton (Birdman) ficaram desconcertados ao ouvirem "o que você está vestindo?" ou "você pode dar uma voltinha?".

'Oscar do descontentamento'

Apesar das reações femininas às perguntas banais, alguns analistas aponta que muitas atrizes costumam se beneficiar dos elogios nas temporadas de premiações, já que isso geralmente se traduz em mais contratos publicitários com produtos de beleza ou grifes de moda. É o que resssaltou, em entrevista ao jornal New York Times, Bronwyn Cosgrave, autora do livro Made for Each Other: Fashion and the Academy Awards (Feitas uma para a outra: a moda e a Academia", em tradução livre).




Jennifer Garner se queixou que só ela, e não seu marido (Ben Affleck) é questionada sobre como equilibrar carreira e família

Por outro lado, o sexismo em Hollywood tende a refletir a objetificação das mulheres e seu julgamento apenas pela aparência em outras esferas da sociedade.
Além disso, muitas mulheres têm aproveitado o momento para pedir mais representatividade feminina em papéis de destaque e mais reconhecimento nas cerimônias de premiação.
A colunista Melissa Silverstein, da revista Forbes, já chama a edição deste ano da premiação de "Oscar do descontentamento" por conta das críticas que as indicações receberam desde que foram anunciadas em 15 de janeiro.
"Está difícil ficar animada com o Oscar porque não me sinto representada. Escrevo sobre as mulheres no mercado cinematográfico há mais de sete anos e, mesmo que já estejamos falando sobre o número de mulheres diretoras e de mulheres diante das câmeras, essa temporada de prêmios me lembra o ainda quanto falta para chegarmos lá", disse.
Esta é a primeira vez desde 2006 que a premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas – cujos votantes são em sua maioria (77%) homens – não indica mulheres a nenhum dos grandes prêmios além da categoria de melhor atriz.
Apenas uma das cinco atrizes indicadas neste ano está em um filme também indicado como melhor filme – Felicity Jones, que interpreta a primeira esposa de Stephen Hawking no filme A Teoria de Tudo.
Todos os outros filmes cujas atrizes foram indicadas ao principal prêmio contam histórias exclusivamente de mulheres e receberam elogios da crítica, mas foram deixados de fora da premiação. É o menor índice desde 2003.

Representatividade

A diminuição da representatividade das mulheres entre os filmes indicados chama mais atenção ao considerar que o sucesso midiático da premiação depende cada vez mais de suas espectadoras. Segundo a empresa de pesquisa Nielsen, cerca de 61% da audiência televisiva do Oscar 2014, a edição mais vista desde 2000, foi de mulheres.
"Nosso dinheiro é tão verde quanto (o dos homens) e nós compramos metade dos ingressos (para os filmes). Mas nossas histórias ainda são irrelevantes nos maiores prêmios", afirma Melissa Silverstein.
O argumento de Silverstein, ecoado por outros comentaristas americanos, tanto homens quanto mulheres, cita exemplos como Livre, filme baseado na biografia de Cheryl Strayed, que fez uma caminhada de mais de 1.600 km pelos Estados Unidos. O filme recebeu críticas favoráveis e o chamado "oscar buzz" (expectativa de muitas indicações ao Oscar), mas foi indicado em apenas duas categorias – melhor atriz e melhor atriz coadjuvante.
Da mesma forma, Selma, filme sobre a caminhada intermunicipal pelos direitos civis dos negros liderada por Martin Luther King Jr., em 1965, recebeu duas indicações, entre elas a de melhor filme, mas deixou de fora sua diretora, Ava DuVernay.
* Com reportagem de Camilla Costa, Mariana Della Barba e Paula Adamo Idoeta

Patrícia Arquette pede igualdade de salários e direitos para as mulheres ao vencer o Oscar

Com discuso poderoso, ela foi ovacionada por Meryl Streep e Jennifer Lopez

Patrícia Arquette, vencedora do Oscar de Melhor Atriz CoadjuvanteDivulgação
Patricia Arquette foi a vencedora do Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, por sua incrível atuação em Boyhood — Da Infância à Juventude.
Em seu discurso de agradecimento, Patricia agradeceu a sua família e aos colegas de elenco, mas chamou a atenção com o final de sua fala.

Ao citar que as mulheres merecem igualdade nos salários e nos direitos, ela foi aplaudida e ovacionada por artistas como Meryl Streep e Jennifer Lopez. 
— Para cada mulher que deu à luz um contribuinte desta nação, nós lutamos por pelos direitos iguais de todos. É a nossa hora de termos igualdade nos salários, de uma vez por todas, e direitos iguais para as mulheres dos Estados Unidos da América!

No Oscar 2015, artistas falam de causas políticas e sociais. Veja os discursos mais emocionantes!

Os famosos chamaram a atenção por suas mensagens politizadas
 John Legend e Commom cantaram Glory, do filme Selma, e arrancaram lágrimas e aplausos do público. A música foi escolhida a Melhor Canção do ano e Legend fez outra poderosa declaração ao receber o prêmio.

— Neste momento, a luta por liberdade e justiça é real. Nós vivemos no país mais encarcerado do mundo. Há mais homens negros encarcerados no sistema penitenciário hoje do que havia na época da escravidão, em 1850. As pessoas estão marchando com a nossa música, nós queremos dizer que estamos com vocês, nós vemos vocês, nós amamos vocês... continuem marchando!
Dana Perry e Ellen Goosenberg Kent, no discurso de agradecimento pelo prêmio de Crisis Hotline na categoria Melhor Documentário Curta-Metragem, falaram sobre um assunto delicado.

— Nós devemos falar sobre suicídio. E bem alto!
O mexicano Alejandro González Iñárritu venceu como Melhor Diretor e ainda faturou Melhor Filme e Melhor Roteiro Original por Birdman. Antes de subir ao palco, ele teve que ouvir uma piada bem polêmica do ator Sean Penn, que disse "quem deu um green card a este filho da mãe?".  O green card é a permissão que imigrantes recebem para se tornarem cidadãos dos EUA. Na internet, o comentário foi considerado preconceituoso e xenófobo. Em seu discurso, Iñárritu falou sobre o assunto. 

— Eu quero dedicar este prêmio aos meus companheiros mexicanos, que vivem no México. Eu rezo para que nós encontremos e possamos construir um governo que merecemos. Os que vivem neste país, que são parte da última geração de imigrantes, eu apenas rezo para que possam ser tratados com a mesma dignidade e respeito que aqueles que vieram antes e construíram esta incrível nação imigrante
Graham Moore, que ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado por O Jogo da Imitação, desabafou em seu discurso e incentivou as pessoas que sofrem bullying a seguir em frente e não se abalar. 

— Quando eu tinha 16 anos, eu tentei me matar e agora eu estou aqui. Eu gostaria que esse momento fosse para uma criança por aí, que sente que não se encaixa em nenhum lugar. Você se encaixa! Continue estranha. Continue diferente, e quando for a sua vez e você estiver neste palco, por favor, passe a mesma mensagem adiante!

No filme adaptado por Moore, o cientista Alan Turing ajuda a acabar com a Segunda Guerra Mundial ao construir uma máquina que daria base para os computadores, mas sofre por ser gay numa época em que gostar de alguém do mesmo sexo era proibido por lei em muitos países e rendia punições terríveis
 
Julianne Moore também fez um discurso sensível e falou sobre questões importantes, como o mal de Alzheimer. A vencedora do Oscar de Melhor Atriz interpreta uma mulher que sofre da doença no filme Para Sempre Alice. Julianne começou seu agradecimento de maneira bem-humorada.

— Eu li uma matéria que dizia que ganhar um Oscar pode aumentar seu tempo de vida em cinco anos. Se isso é verdade, eu gostaria de agradecer à Academia, porque meu marido é mais novo que eu.

Ela agradeceu aos companheiros de cena Alec Baldwin e Kristen Stewart, ao marido e aos filhos, além de falar sobre o tema do filme que lhe deu a estatueta.

— Eu estou tão feliz, estou honrada de nós podermos, eu espero, chamar a atenção para o mal de Alzheimer. Muitas pessoas com essa doença se sentem isoladas e marginalizadas e uma das coisas maravilhosas sobre os filmes é que nos fazem sentir vistos e não solitários. Pessoas com Alzheimer merecem ser vistas para que nós possamos achar uma cura 
 
 Vencedor do Oscar de Melhor Ator por sua fenomenal atuação em A Teoria de Tudo, Eddie Redmayne também chamou a atenção para uma doença, a esclerose lateral. Redmayne interpreta no filme o físico Stephen Hawking, que sofre com esclerose. 

— Este Oscar pertence a todas as pessoas ao redor do mundo lutando contra a esclerose lateral, pertence a uma família excepcional. Stephen, Jane, Jonathan e crianças Hawking. Eu vou ficar com a guarda desta estatueta e eu prometo que vou cuidar dela, vou dar polimento a ela e atenderei aos seus pedidos 

J.K Simmons foi o escolhido como Melhor Ator Coadjuvante, por seu papel em Whiplash — Em Busca da Perfeição. Em seu discurso, ele agradeceu à esposa Michelle Schumacher.

— Eu sou grato todos os dias à minha esposa maravilhosa, Michelle Schumacher. Sou grato por seu amor, sabedoria, sacrifício, paciência.

Ele também deixou uma mensagem.

— Liguem para seus pais, não mandem emails ou mensagens de texto, liguem e digam que vocês os amam

Videocast ao vivo do Oscar para colaboradores do Cinema em Cena - Pablo Vilaça.
 


Reveja transmissão da Omelete comentando a cerimônia do Oscar 2015 abaixo:


Ronald Rios - Oscar 2015 AO VIVO

ronald rios vendo a festa mais linda da natureza humana etc
 


Comentários - Oscar 2015

Alguma Coisa de Cinema


Rebobinator no Oscar 2015 - Comentários da Premiação (arquivo)